A cultura organizacional como impulsionadora dos processos de inteligência na gestão pública

  • Claudia Melati Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel Janissek-Muniz Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

O uso de dados e informações advindos do ambiente externo à administração pública pode proporcionar o aprimoramento da tomada de decisão dos gestores públicos, bem como uma maior eficiência e eficácia no desenvolvimento da atividade pública. Sistematizar o monitoramento de ambientes exige a estruturação de processos de inteligência, os quais possuem foco nas informações externas das organizações, objetivando o monitoramento do ecossistema como um todo, sendo determinante para as organizações conhecerem e se adaptarem ao seu ambiente. Reconhecendo a importância de uma cultura organizacional impulsionadora que permita a manutenção e a evolução desses processos, neste estudo buscou-se identificar pontos relevantes relacionados à influência da cultura organizacional na concretização de processos de inteligência na gestão pública. Com a realização de 17 entrevistas com gestores públicos de diferentes, foi possível evidenciar que os mesmos reconhecem a cultura organizacional como impulsionadora dos processos de inteligência, uma vez que apontam o fortalecimento de um ambiente estimulado para o monitoramento do ambiente externo, o engajamento das pessoas e a utilização de tecnologias da informação e comunicação como mecanismos-chave da cultura organizacional para a concretização de tais processos. Identifica-se como limitação deste trabalho a não realização de entrevistas com gestores que trabalham diretamente com processos de inteligência, bem como a participação de órgãos de um único estado no estudo, impossibilitando a realização de comparativos entre culturas organizacionais. Para estudos futuros, sugere-se a continuidade da pesquisa por meio da realização de entrevistas com servidores que não exerçam cargos de gestão.

Palavras-chave: Cultura organizacional. Inteligência. Gestão pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Melati, Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda na Área de Gestão de Sistemas e Tecnologia da Administração do Programa de Pós-Graduação em Administração da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGA/UFRGS.

Servidora Pública do Estado do Rio Grande do Sul. 

Raquel Janissek-Muniz, Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Administração da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGA/UFRGS

Referências

AGUNE, R.; CARLOS, J. Governo eletrônico e novos processos de trabalho. Gestão pública no Brasil contemporâneo. São Paulo: Fundap, p. 302-315, 2005.

ANDRIOTTI, F. K.; FREITAS, H.; JANISSEK-MUNIZ, R. Informação informal e a monitoração do ambiente organizacional: reflexões e sugestões para a área de TI. III Prêmio de Inovação em Inteligência Competitiva, 2008.

AUSTER, E.; CHOO, C. W. How senior managers acquire and use information in environmental scanning. Information Processing & Management, v. 30, n. 5, p. 607-618, 1994.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. reimp. Lisboa: Ediçoes, v. 70, 2011.

BATISTA, F. F.. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. 2012.

BERGUE, S. T. Comportamento organizacional. Florianópolis: CAPES, UAB, 2010.

BERGUE, S. T. Modelos de Gestão em Organizações Públicas: teorias e tecnologias para análise e transformação organizacional. Caxias do Sul, RS: Educs, 2011.

BRÂNZAŞ, B. V.; RADU, I. Transformation of Public Management Process Due to Competitive Intelligence Implementation. Procedia Economics and Finance, v. 32, p. 694-701, 2015.

CAPOBIANGO, R. P. Reformas administrativas no Brasil: Uma abordagem teórica e crítica. REGE-Revista de Gestão, v. 20, n. 1, p. 61-78, 2013.

COOPER, C. L.; CARTWRIGHT, S.; EARLEY, P. C. Organizational culture and climate. Chichester: John Wiley & Sons Ltd, 2001.

CEPIK, M. Regime político e sistema de inteligência no Brasil: legitimidade e efetividade como desafios institucionais. Dados-Revista de Ciências Sociais, v. 48, n. 1, 2005.

CEPIK, Marco. Inteligência, política e poder no Estado contemporâneo. Revista de Sociologia e Política, n. 09, p. 193-196, 1997.

CHOO, C. W. Information management for the intelligent organization: the art of scanning the environment. Information Today, Inc., 2002.

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta na era da informação. Tradução de Bernadette S. Abrão, v. 4, 1998.

DE PAULA, G.; ROVER, A. J. O governo eletrônico e a atividade de inteligência. Revista Democracia Digital e Governo Eletrônico, v. 1, n. 6, 2012.

DE PAULA, A. P. P. Administração pública brasileira entre o gerencialismo ea gestão social. RAE-revista de administração de empresas, v. 45, n. 1, p. 36-49, 2005.

DESOUZA, K. C. Restructuring government intelligence programs: A few good suggestions. Government Information Quarterly, v. 22, n. 3, p. 342-353, 2005.

FERREIRA, M. C. Desenvolvimento de um instrumento brasileiro para avaliação da cultura organizacional. Estudos de Psicologia, 2002, v. 7, n. 2, pp. 271-280.

FLEURY, M. T.; FISCHER, R. M. Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1989.

FREITAS, H.; JANISSEK, R. Análise léxica e análise de conteúdo. Porto Alegre: Sphinx, Ed. Sagra Luzzatto, 2000.

FREITAS, H.; JANISSEK-MUNIZ, R. Uma proposta de plataforma para Inteligência Estratégica. In: Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva, I GeCIC. 2006.

GILAD, B.; GILAD, T. A systems approach to business intelligence. Business Horizons, v. 28, n. 5, p. 65-70, 1985.

GIL-GARCIA, J. R.; PARDO, T. A.; ALDAMA-NALDA, A. Smart cities and smart governments: using information technologies to address urban challenges. In: Proceedings of the 14th Annual International Conference on Digital Government Research. ACM, 2013. p. 296-297.

GIL-GARCIA, J. R.; HELBIG, N.; OJO, A. Being smart: Emerging technologies and innovation in the public sector. Government Information Quarterly, v. 31, p. I1-I8, 2014.

GIL-GARCIA, J. R.; ZHANG, J.; PURON-CID, G. Conceptualizing smartness in government: An integrative and multi-dimensional view. Government Information Quarterly, v. 33, n. 3, p. 524-534, 2016.

HERMAN, M. Intelligence power in peace and war. Cambridge University Press, 1996.

HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: software of the mind. London: McGrawHill UK, 1991.

INFORMATION WEEK GOVERNMENT. SMART GOVERNMENT: All About Disruption from Information Week Government, special report: http://www.informationweek. com/government/open government/smart-government-all-aboutdisruption/d/d id/1269459: 2014, June 05.

JANISSEK-MUNIZ, R. Fatores Críticos em Projetos de Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva. Revista Inteligência Competitiva. v. 6, n. 2, p. 147-180, 2016.

JANISSEK-MUNIZ, R.; LESCA, H.; FREITAS, H. Inteligência estratégica antecipativa e coletiva para tomada de decisão. Revista Organizações em Contexto-online, v. 2, n. 4, p. 92-118, 2006.

JANISSEK-MUNIZ, R.; FREITAS, H.; LESCA, H. A Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva como apoio ao desenvolvimento da capacidade de adaptação das organizações. In: Congresso Internacional de Gestão de Tecnologia e Sistemas de InformaçãO (CONTECSI). Anais... São Paulo/SP: CONTECSI. 2007.

JANISSEK-MUNIZ, R.; BLANCK, M. R. Weak signals management, entrepreneurship and uncertainty: a relational theoretical essay under the perspective of intelligence. 11º CONTECSI, 2014.

JIMENEZ, C. E.; SOLANAS, A.; FALCONE, F. E-government interoperability: Linking open and smart government. Computer, v. 47, n. 10, p. 22-24, 2014.

JOHANN, S. L. Gestão da cultura corporativa: como as organizações de alto desempenho gerenciam sua cultura organizacional. Saraiva, 2004.

JOHNSTON, E. W.; HANSEN, D. L. Design lessons for smart governance infrastructures. Transforming American governance: Rebooting the public square, p. 197-212, 2011.

LINDERS, D.; LIAO, C. Z.P.; WANG, C.M. Proactive e-Governance: Flipping the service delivery model from pull to push in Taiwan. Government Information Quarterly, 2015.

LIU, X.; ZHENG, L. Cross-departmental collaboration in one-stop service center for smart governance in China: Factors, strategies and effectiveness. Government Information Quarterly, 2015.

MELATI, C.; JANISSEK-MUNIZ, R. Knowledge Management and Intelligence : an analysis of conceptual complementarity through the Public Management Perspective. In: Congresso Internacional de Gestão de Tecnologia e Sistemas de Informação (CONTECSI). Anais... São Paulo/SP: CONTECSI. 2017.

MYERS, M. D. Qualitative research in business and management. Sage, 2013.

OSBORNE, D.; PLASTRIK, P. Banishing Bureaucracy: The Five Strategies for Reinventing Government. Addison-Wesley Publishing Company, Inc., 1 Jacob Way, Reading, MA 01867, 1997.

RIBEIRO, L. M. P.; PEREIRA, J. R.; BENEDICTO, G. C.. As reformas da administração pública brasileira: uma contextualização do seu cenário, dos entraves e das novas perspectivas. XXXVII Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração, Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2013.

REZENDE, D. Projeto de Organizational Business Intelligence (OBI): modelo organizacional de três organizações paranaenses. In: CONTECSI-International Conference on Information Systems and Technology Management. 2012. p. 1236-1253.

ROBBINS, S.P., JUDGE, T.A. Organizational Behavior (15th ed.). New Jersey : Prentice Hall, 2012.

RUSSO, G. M. Diagnóstico da cultura organizacional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. Tradução técnica Reynaldo Marcondes. 11 ed. – São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

SCHEIN, E. Cultura Organizacional e liderança. São Paulo: Atlas, 2010

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. 2009. RAP - Revista de Administração Pública, 43(2), 347–369

SCHOLL, H. J.; SCHOLL, Margit C. Smart governance: A roadmap for research and practice. iConference 2014 Proceedings, 2014.

TRIVISIOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais. A pesquisa, 1987.

VERONESE, J. E. Lei de Acesso à Informação e os reflexos sobre a produção de Inteligência na Polícia Federal. Revista Brasileira de Inteligência, Brasília: ABIN, n. 8, 2013.

WARRICK, D. D.; MILLIMAN, J. F.; FERGUSON, J. M. Building high performance cultures. Organizational Dynamics, v. 1, n. 45, p. 64-70, 2016

Publicado
21-12-2017
Como Citar
Melati, C., & Janissek-Muniz, R. (2017). A cultura organizacional como impulsionadora dos processos de inteligência na gestão pública. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 131-156. https://doi.org/10.18593/race.v0i0.14701
Edição
Seção
Edição Especial Administração Pública: Cultura Organizacional