Discussing the choices of the change laboratory’s participants: a look into the ordinary man

  • Fábio da Silva Rodrigues UEM - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ http://orcid.org/0000-0002-3395-5124
  • Márcio Pascoal Cassandre UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)
  • Elisa Yoshie Ichikawa UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)

Resumo

 

 Abstract


We believe that the ordinary man is a subject pregnant of possibilities in organizations. Therefore, we conducted a qualitative, exploratory approach to the objectives, through bibliographical research, as well as the in loco experience of one of the authors of this paper. We question the selection process of participants in the activity of the Change Laboratory (ENGESTRÖM, 2007), under the perspective of everyday life and ordinary man (CERTEAU, 2002). Our findings indicate that the ordinary man is able to use their own intelligence to re-signify artefacts and symbols, previously given. Although neglected and subjected to symbolic violence, mainly by the political power, the ordinary man plays an important role in the process of change and when ignored or underestimated may compromise the expected results in organizations.

Keywords: Activity Theory. Everyday life. Organizational learning. Change laboratory. Ordinary man.

 

Discutindo sobre escolha dos participantes do Laboratório de Mudança: um olhar para o Homem Ordinário 

Resumo

 

Acreditamos que o homem ordinário é sujeito prenhe de possibilidades nas organizações. Assim, realizamos uma pesquisa de abordagem qualitativa, exploratória quanto aos objetivos, por meio de pesquisa bibliográfica, bem como da experiência in loco de um dos autores deste trabalho. Questionamos o processo de seleção dos participantes nas atividades do Laboratório de Mudança (ENGESTRÖM, 2007), sob a perspectiva do cotidiano e do homem ordinário (CERTEAU, 2002). Nossos resultados indicam que o homem ordinário é capaz de usar sua própria inteligência para ressignificar artefatos e símbolos, anteriormente dados. Embora negligenciados e submetidos à violência simbólica, principalmente pelo poder político, o homem comum desempenha um papel importante no processo de mudança, e, quando ignorado ou subestimado, pode comprometer os resultados esperados nas organizações.

Palavras-chave: Teoria da Atividade. Cotidiano. Aprendizagem organizacional. Laboratório de mudança. Homem ordinário. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio da Silva Rodrigues, UEM - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
Possui graduação em Administração pela Universidade Estadual de Maringá (2004), especialização em economia e gestão do agronegócio pela UEM (2006) e mestrado em Agronegócios pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2008). Possui experiência na área de Administração, agronegócios e estudos organizacionais. Possui experiência em EAD - Educação a distância. É professor Colaborador junto a UEM no Departamento de Administração desde 2009. Atualmente é aluno do curso de Doutorado em Administração pela UEM (Universidade Estadual de Maringá), desenvolvendo pesquisas nas áreas de Teoria Organizacional, Simbolismo Organizacional, espaço e território, identidade e Cotidiano das Cidades.
Márcio Pascoal Cassandre, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)

Doutor em Administração pela Universidade Positivo com período sanduíche pela University of Helsinki no Center for Research on Activity, Development and Learning (CRADLE) - Institute of Behavioural Sciences. Possui mestrado pela Universidade Estadual de Maringá (2008), especialização em Marketing pelo Instituto de Ciências Sociais do Paraná (2002), especialização em Responsabilidade Social e Organizações do Terceiro Setor pela Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (2004) e graduação em Administração pela Faculdade Estadual de Ciências Econômicas de Apucarana (1998). Atua como professor adjunto no departamento de Administração da Universidade Estadual de Maringá, ministrando disciplina na área de Gestão de Pessoas, e no Programa de Pós-Graduação em Administração do mesmo departamento, estando à cargo das disciplinas de Teoria das Organizações e Aprendizagem Organizacional. Tem experiência na área de Administração Geral, Gestão de Pessoas, Aprendizagem Organizacional, Metodologias Qualitativas de Pesquisa em Administração, além de desenvolver estudos teórico-empíricos sobre as Metodologias Intervencionistas de pesquisa em organizações.

Elisa Yoshie Ichikawa, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ (UEM)
Possuo graduação em Administração de Empresas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e doutorado em Engenharia de Produção também pela UFSC. Realizei estágio pós-doutoral no Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG). Minhas investigações atualmente envolvem os estudos organizacionais em temas como cotidiano, identidades, discursos, memória e história, a partir de dimensões sociológicas, simbólicas e qualitativas de análise.

Referências

CASSANDRE, M.; BULGACOV, Y. L. M.; CAMARGO, D. O conceito de prática a partir da perspectiva da teoria da atividade. In: COLÓQUIO DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, 1., 2011, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ORD/UFSC, 2011.

CASSANDRE, M. P. Metodologias Intervencionistas na Perspectiva da Teoria da Atividade Histórico-Cultural: Um Aporte Metodológico para Estudos Organizacionais. Curitiba: Doutorado em Administração, Universidade Positivo, 2012.

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano – Artes de Fazer (7ª Ed.). (Ephrain Ferreira Alves, Trad.). Rio de Janeiro: Vozes, (2002).

DAVYDOV, V. V. A new approach to the interpretation of activity structure and content. In: CHAIKLIN, S.; HEDEGAARD, M.; JENSEN, U. J. (Eds.). Activity theory and social practice. Aarhus: Aarhus University Press, 1999a.

______. The content and unsolved problems of activity theory. In: ENGESTRÖM, Y., MIETTINEN, R.; PUNAMÄKI, R.-L. (Eds.). Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999b.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Orienta-Konsultit Oy, 1987.

______.From communities of practice to mycorrhizae. In J. HUGHES, N. JEWSON; L.UNWIN (Ed.). Communities of practice: Critical perspectives. London: Routledge, 2007.

______. From teams to knots: activity-theoretical studies of collaboration and learning at work. In HUGHES, J.; JEWSON, N.; UNWIN, L. (Ed.). Communities of practice: Critical perspectives. Cambridge. Cambridge University Press, 2008.

______. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGESTRÖM, Y; MIETTINEN, R; PUNAMÄKI-GITAI, R. L. (eds.). Perspectives on activity theory. Cambridge: Cambridge University Press, p. 19-38, 1999.

ENGESTRÖM, Yrjö et al. The change laboratory as a tool for transforming work. Lifelong Learning in Europe, v. 1, n. 2, p. 10-17, 1996.

SANINNO, A. From talk to action: experiencing interlocution in developmental interventions. Mind, Culture, and Activity, 15(3), p. 234-257, 2008.

VYGOTSKY, L.S. Mind and society: The development of higher mental processes: Cambridge, MA: Harvard University Press, 1978.

VIRKKUNEM, J., ENGESTRÖM, Y., J., HELLE, M., PIHLAJA, J. & POIKELA, R. The Change laboratory®: a tool for transforming work. In: T. Alasoini, M. Kyllönem, A. Kasvio (Eds.). Workplace innovations: a way of promoting competitiveness, welfare and employment. Helsinki, Finland: Ministry of Labour, 1997.

______.; NEWNHAM, D. S. The Change Laboratory. A Tool for Collaborative Development of Work and Education. Rotterdam: Sense Publishers, 2013.

Publicado
13-12-2017
Como Citar
Rodrigues, F. da S., Cassandre, M. P., & Ichikawa, E. Y. (2017). Discussing the choices of the change laboratory’s participants: a look into the ordinary man. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 16(3), 867-884. https://doi.org/10.18593/race.v16i3.13696