A efetividade da governança corporativa sobre o risco dos ativos da BM&FBovespa

  • Cássio Nóbrega Besarria UFPE
  • Herickson Santos Silva UFPB

Resumo

Com este artigo teve-se o propósito de verificar se a utilização dos métodos de governança corporativa adotados pelas empresas listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa) diminui o risco nos ativos. Utilizando cotações do período de 01 de junho de 2012 a 04 de julho de 2016, este estudo se divide em três etapas: no primeiro momento, as cotações são otimizadas e analisadas quanto ao desempenho das três carteiras de variância mínima referentes aos diferentes níveis de governança corporativa: Nível 1 (N1), Nível 2 (N2) e Novo Mercado (NM). Na segunda etapa é estimado por MQO o modelo de precificação de ativos de Sharpe-Lintner-Black, o Capital Asset Pricing Model (CAPM). Na terceira etapa são comparados os desempenhos de carteiras representativas para as ações classificadas em diferentes níveis de governança com índices de governança propostos pela BM&FBovespa. De acordo com os resultados obtidos, foi observado que os ativos que possuem maior nível de transparência tendem a apresentar menores níveis de variância ou risco.

Palavras-chave: Governança corporativa. Mercado financeiro. Risco financeiro.

 

Abstract

 

The purpose of this article was to verify if the use of the corporate governance methods adopted by the BM&FBovespa listed companies reduces the risk in the assets. Using prices from June 1, 2012 to July 4, 2016, this study is divided into three stages: at the first moment, the three minimum variance portfolios referring to the different corporate governance levels are optimized and analyzed: 1 (N1), Level 2 (N2) and Novo Mercado (NM). In the second stage, the asset pricing model of Sharpe-Lintner-Black, the Capital Asset Pricing Model (CAPM), is estimated by MQO. In the third step, the performance of representative portfolios is compared to the shares rated at different levels of governance with governance indexes proposed by BM & FBovespa. According to the results obtained, it is observed that the assets with the highest level of transparency tend to have lower levels of variance or risk.

Keywords: Corporate governance. Financial market. Financial risk.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássio Nóbrega Besarria, UFPE
Doutor em Economia.
Herickson Santos Silva, UFPB
Graduado em Economia.

Referências

ALMONACID, Gustavo Alberto. Aplicabilidade da Teoria de Markowitz para investimentos em ativos do Real Estate: estudo de caso de uma carteira mista. São Paulo: USP, 2010.

BESARRIA, Cássio Nóbrega et al. A qualidade das informações prestadas pelas empresas reduz os riscos de investimento? Uma análise empírica para os diferentes níveis de governança corporativa das empresas brasileiras. RACE, Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Joaçaba: Ed. Unoesc, v. 14, n. 1, p. 11-378, jan./abr. 2015.

BESARRIA, Cássio Nóbrega. Estudo da formação de carteiras no mercado acionário: uma aplicação das análises técnica, fundamentalista e econométrica. Recife: UFPE, 2011. Projeto de pesquisa (Departamento de Economia).

BLACK, Fischer; JENSEN, Michael C.; SCHOLES, Myron. The Capital Asset Pricing Model: some empirical tests. In: JENSEN, M. ed. Studies in the theory of capital markets. New York: Praeger Publ., p.79-121, 1972.

BODUR, Frederico Jungblut. Uma comparação entre os modelos CAPM, Fama-French e Fama-French-Carhart. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2011.

BORGES, Luiz Ferreira Xavier; SERRÃO, Carlos Fernando de Barros. Aspectos de Governança Corporativa Moderna no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro: GEDIT, v. 12, n. 24, p. 111-148, dez. 2005.

BORGES, Wemerson Gomes; SILVA, Eliane Cristina; RECH, Ilírio José; CARVALHO, Luciano Ferreira. Efeito da divulgação de informações contábeis sobre o desempenho das ações de empresas que migraram para o nível de governança corporative Novo Mercado. ReAT, Revista eletrônica de Administração e Turismo, Rio Grande do Sul, v. 8, n. 4, jan/jun. 2016.

CARMONA, Charles Ulises de Montreuil. Finanças corporativas e mercados. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ECONOMATICA. Base de dados.

FAMA, Eugene; FRENCH, Kenneth. The Capital Asset Pricing Model: theory and evidence. Journal of Economic Perspectives, v. 18, n. 3, p. 25-46, 2004.

GUJARATI, Damodar N. PORTER, Dawn C. Econometria Básica. 5. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2011.

HART, Oliver. Corporate Governance: some theory and implications. The Economic Journal, v. 105, n. 430, p. 678-689, mai. 1995.

JENSEN, Michael; MECKLING, William. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, out. 1976.

KOPITTKE, Bruno Hartmut; FREITAS, Sheizi Calheira de. Considerações acerca do Capital Asset Pricing Model (CAPM) e sua utilização nos dias atuais. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 21. 2001, Salvador. Anais eletrônicos... Salvador: ENENGEP, 2001.

MACEDO, Fabricio de Queiroz; MELLO, Gilmar Ribeiro; FILHO, Francisco Tavares. Adesão ao Nível 1 de governança corporativa da Bovespa e a percepção de risco e retorno das ações pelo mercado. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6. 2006, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: USP-FIPECAFI, 2006.

MALACRIDA, Mara Jane Contrera; YAMAMOTO, Marina Mitiyo. Governança Corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. RC&F – Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, p. 65-79, 2006. Edição Comemorativa.

MÁLAGA, F. K., SECURATO, J. R. Aplicação do modelo de três fatores de Fama e French no Mercado acionário brasileiro: um estudo empírico do período 1995-2003. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 28, 2004. Anais. Curitiba: ANPAD, 2004.

MARCONI, Marina de A.; LAKATOS, Eva M. Metodologia do Trabalho Científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MARQUES, S.; SILVA, W. V.; DEL CORSO, J. M.; DALAZEN, L. L. Comparação de desempenhos de carteiras otimizadas pelo modelo Markowitz e a carteira de ações do IBovespa. RECFin, Revista Evidenciação Contábil & Finanças, João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, v.1, n. 1, p. 20-37, jan./jun. 2013.

MARKOWITZ, Harry Max. Portfolio selection. The Journal of Finance, v. 7, n. 1, p. 77-91, mar. 1952.

MESQUITA ZANINI, Francisco Antônio; FIGUEIREDO, Antonio Carlos. As teorias de carteira de Markowitz e de Sharpe: uma aplicação no mercado brasileiro de ações entre julho/95 e junho/2000. RAM, Revista de Administração Mackenzie, São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, v. 6, n. 2, p. 38-64, 2005.

MONTE, Paulo Aguiar do; REZENDE, Isabelle Carlos Campos; TEIXEIRA, Gibran da Silva; BESARRIA, Cássio da Nóbrega. Existe relação entre Governança Corporativa e volatilidade? Um estudo a partir da formação de carteiras. Contabilidade Vista & Revista, v. 21, n. 2, p. 15-44, 2010.

OKIMURA, Rodrigo Takashi. Estrutura de propriedade, governança corporativa, valor e desempenho das empresas no Brasil. São Paulo: USP, 2003.

ROGERS, Pablo; SECURATO, José Roberto. Estudo comparativo no mercado brasileiro do Capital Asset Pricing Model (CAPM), Modelo 3-fatores de Fama e French e Reward Beta Approach. RAC-E, Revista de Administração Contemporânea Eletrônica, Curitiba, v. 3, n. 1, art. 9, p. 159-179, jan./abr. 2009.

SÁ, Geraldo Tosta de. Administração de investimentos, teoria de carteiras e gerenciamento de risco. 1. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 1999.

SHARPE, W. F. Capital asset prices: A theory of market equilibrium under conditions of risk. Journal of Finance, v. 19, n. 3, p. 425–442, set. 1964.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2004.

SROUR, Gabriel. Práticas diferenciadas de governança corporativa: um estudo sobre a conduta e a performance das firmas brasileiras. RBE, Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 59, n. 4, p. 635-674, out./dez. 2005.

SUCOLOTTI, Laura. Avaliação de desempenho de carteiras: Markowitz x Índice Bovespa. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2007.

TERRA, Paulo Renato Soares; LIMA, João Batista Nast de. Governança Corporativa e a reação do mercado de capitais à divulgação das informações contábeis. RC&F – Revista de Contabilidade e Finanças da USP, São Paulo, p. 35-49, set./dez. 2006.

Publicado
13-12-2017
Como Citar
Besarria, C. N., & Silva, H. S. (2017). A efetividade da governança corporativa sobre o risco dos ativos da BM&FBovespa. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 16(3), 933-956. https://doi.org/10.18593/race.v16i3.13318