Reputação gera valor para os acionistas? uma análise nas empresas brasileiras

  • Alan Diógenes Góis Universidade de São Paulo
  • Márcia Martins Mendes De Luca Universidade Federal do Ceará
  • Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima Universidade de São Paulo
  • Alessandra Carvalho de Vasconcelos Universidade Federal d Ceará

Resumo

Resumo

 

Estudos apontam que a partir dos sinais emitidos pela empresa ao mercado se constrói a sua reputação, considerado um recurso estratégico capaz de gerar vantagem competitiva. Nesse contexto, neste estudo teve-se o objetivo geral de investigar a relação entre a reputação corporativa e a criação de valor nas empresas de capital aberto listadas na bolsa brasileira, BM&FBovespa. Para a construção da reputação, foram analisados cinco sinais de reputação corporativa no período de 2010 a 2012, e a criação de valor se refere ao exercício de 2013. Considerando-se a amostra, verificou-se que a reputação corporativa influencia positivamente a criação de valor. Além disso, o endividamento, a idade e o setor de impacto ambiental apresentaram relação com a criação de valor. Portanto, conclui-se que a reputação corporativa é um recurso estratégico gerado por meio de sinais emitidos para o mercado, conforme preceitos da Teoria da Sinalização, os quais, quando percebidos pelos diversos stakeholders, refletem em vantagem competitiva, sendo capazes de influenciar a criação de valor das empresas, de acordo com os pressupostos da Visão Baseada em Recursos.

Palavras-chave: Reputação corporativa. Criação de valor. Teoria da Sinalização. Visão Baseada em Recursos.

 

Abstract

 

Studies point out that from the signals issued by the company to the market is built your reputation, considered a strategic resource capable of generating competitive advantage. In this context, the study aims at investigating the relationship between corporate reputation and value creation in public companies listed in the Brazilian Stock Exchange, BM&FBovespa. To build the reputation, five corporate reputation signs were analyzed among the period 2010-2012, and the value creation refers to the year 2013. Considering the sample, it was found that corporate reputation influences positively the value creation. In addition, leverage, age and the environmental impact of industry were related to value creation. Therefore, it was concluded that corporate reputation is a strategic resource generated through signals emitted to the market, according to precepts of the Signaling Theory, which, when perceived by several stakeholders, reflected in competitive advantage, being able to influence the value creation of companies, according to the assumptions of Resource-Based View.

Keywords: Corporate reputation. Value creation. Signaling Theory. Resource-Based View.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Diógenes Góis, Universidade de São Paulo
Doutorando em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo
Márcia Martins Mendes De Luca, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo

Professora da Universidade Federal do Ceará

Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima, Universidade de São Paulo

Pós Doutor em Contabilidade pela UIUC – Illinois

Livre-Docente e Professor Associado no Departamento de Contabilidade da FEA/USP
Alessandra Carvalho de Vasconcelos, Universidade Federal d Ceará

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Professora Adjunta da Universidade Federal do Ceará – UFC

Referências

ALBANEZ, T. Efeitos do market timing sobre a estrutura de capital de companhias abertas brasileiras. 2012. 257 f. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

ALMEIDA-SANTOS, P. S.; VARGAS, A. J.; ALMEIDA, D. M.; LAVARDA, C. E. F. Nível de disclosure verde e a reputação corporativa ambiental das companhias brasileiras de capital aberto. Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 9, n. 18, p. 63-82, 2012.

BARNETT, M. L.; JERMIER J. M.; LAFFERTY B. A. Corporate reputation: the definitional landscape. Corporate Reputation Review, v. 9, n. 1, p. 26-38, 2006.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BERGH, D. D.; KETCHEN, D. J.; BOYD, B. K.; BERGH, J. New frontiers of the reputation - performance relationship: insghts from multiple theories. Journal of Management, v. 36, n. 3, p, 620-632, 2010.

______; GIBBONS, P. The stock market reaction to the hiring of management consultants: a signalling theory approach. Journal of Management Studies, v. 48, n. 3, p. 544-567, 2011.

BOYD, B. K.; BERGH, D. D.; KETCHEN JR, D. J. Reconsidering the reputation-performance relationship: a resource-based view. Journal of Management, v. 36, n. 3, p. 588-609, 2010.

BRITO, E. Reputação e desempenho: uma análise empírica no setor bancário. Revista Economia & Gestão, v. 5, n. 11, p. 117-142, 2005.

BROOKING, A. Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston: Thomson Publishing Inc., 1996.

CAIXETA, C. G. F.; LOPES, H. E. G.; BERNARDES, P.; CARDOSO, M. B. R.; CARVALHO NETO, A. M. Reputação corporativa e desempenho econômico-financeiro: um estudo em cinco grandes grupos empresariais brasileiros. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 1, n. 9, p. 86-109, 2011.

CARDOSO, V. I. D.; DE LUCA, M. M. M.; LIMA, G. A. S. F.; VASCONCELOS, A. C. Reputação corporativa nas empresas brasileiras: uma questão relevante para o desempenho empresarial? Revista Contemporânea de Contabilidade, v. 10, n. 21, p. 115-136, 2013.

CERQUEIRA, J. E. A.; SOARES, T. M.; DAVID, M. V. Novas evidências sobre a relação entre a geração de valor ao acionista e o valor de mercado das ações: uma análise em painel comparando o EVA e o MVA no mercado brasileiro. Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, v. 1, p. 1-19, 2009.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para os alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CRUZ, C. V. O. A.; LIMA, G. A. S. F. Reputação corporativa e nível de disclosure das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Universo Contábil, v. 6, n. 1, p. 85-101, 2010.

DAINELLI, F.; BINI, L.; GIUNTA, F. Signaling strategies in annual reports: evidence from the disclosure of performance indicators. Advances in Accounting, incorporating Advances in International Accounting, v. 29, p. 267-277, 2013.

DALMÁCIO, F. Z.; LOPES, A. B.; REZENDE, A. J.; SARLO NETO, A. Uma análise da relação entre governança corporativa e acurácia das previsões dos analistas do mercado brasileiro. Revista de Administração Mackenzie – RAM, v. 14, n. 5, p. 104-139, 2013.

DAL-SOTO, F.; SANTOS, M. R. Os recursos como fonte de estratégia competitiva: uma evidência empírica da resource-based view. Revista Capital Científico, v. 2, n. 1, p. 47-64, 2004.

DÍEZ, J. M.; OCHOA, M. L.; PRIETO, M. B.; SANTIDRIÁN, A. Intellectual capital and value creation in Spanish firms. Journal of Intellectual Capital, v. 11, n. 3, p. 348-367, 2010.

EHRBAR, A. EVA®: the real key to creating wealth. New York: John Wiley & Sons, 1999.

FOMBRUN, C.; SHANLEY, M. What's in a name? reputation building and corporate strategy. Academy of Management Journal, v. 33, n. 2, p. 233-258, 1990.

______, C. J. List of Lists: a compilation of international corporate reputation rating. Corporate Reputataion Review, v. 10, n. 2, p. 144, 153, 2007.

GORGA, E. A cultura brasileira como fator determinante na governança corporativa e no desenvolvimento do mercado de capitais. Revista de Administração USP, v. 39, n. 4, p. 309-326, 2004.

GOTSI, M.; WILSON, A. M. Corporate reputation: seeking a definition. Corporate Communications, v. 6, n. 1, p. 24, 2001.

HALL, A. T.; BLASS, F. R.; FERRIS, G. R.; MASSENGALE, R. Leader reputation and accountability in organizations: implications for dysfunctional leader behavior. The leadership Quartely, v. 15, p. 515-536, 2004.

HANCOCK, J. I.; ALLEN, D. G.; BOSCO, F. A.; McDANIEL, K. R; PIERCE, C. A. Meta-analytic review of employee turnover as a predictor of firm performance. Journal of Management, v. 39, n. 3, p. 573-603, 2013.

HOCHWARTER, W. A.; FERRIS, G. R.; ZINKO, R.; ARNELL, B.; JAMES, M. Reputation as a moderator of political behavior-work outcomes relationships: a two-study investigation with convergent results. Journal of Applied Psychology, v. 92, n. 2, p. 567-576, 2007.

INGLIS, R.; MORLEY, C.; SAMMUT, P. Corporate reputation and organizational performance: an Australian study. Managerial Auditing Journal, v. 21, n. 9, p. 934-947, 2006.

KAYO, E. K.; KIMURA, H.; MARTIN, D. M. L.; NAKAMURA, W. T. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, p. 73-90, 2006.

KLANN, R. C.; BEUREN, I. M. Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho. Brazilian Business Review - BBR, v. 8, n. 2, p. 96-118, 2011.

KOCH, P. D.; SHENOY, C. The information contente of dividends and capital structure policies. Financial Management, v. 28, n. 4, p. 16-35, 1999.

LAMEIRA, V. J. As relações entre governança e risco nas companhias abertas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 42, p. 7-25, 2012.

LAMEIRA, V. J.; HARRIS, J. E.; QUELHAS, O. L. G; PEREIRA, R. G. Is the quality of corporate governance associated with the market risk for Brazilian energy companies? International Journal of Intercultural Information Management, v. 2, n. 4, p. 276-300.

LEV, B. Intangibles: management, measurement and reporting. Washington: The Brooking Institure, 2001.

LOCKETT, A.; THOMPSON, S.; MORGENSTERN, U. The development of the resource-based view of the firm: a critical appraisal. International Journal of Management Review, v. 11, n. 1, p. 9-28, 2009.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

MACHADO, D. D. P. N.; CARVALHO, L. C. Ambiente favorável ao desenvolvimento de inovações: proposição de um modelo de análise organizacional. Revista de Administração USP, v. 48, n. 3, p. 592-607, 2013.

MATOS, J. A. Theoretical foundations of corporate finance. Princeton: Princeton University Press, 2001.

MELO, T.; GARRIDO-MORGADO, A. Corporate reputation: a combination of social responsibility and industry. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, v. 19, n. 1, p. 11-31, 2012.

MICHELON, G. Sustainability disclosure and reputation: a comparative study. Corporate Reputation Review, v. 14, n. 2, p. 79-96, 2011.

MÚRCIA, F. D.-R.; SANTOS, A. Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pequisa em Contabilidade, v. 3, n. 2, p. 72-95, 2009.

NARDI, P. C. C.; NAKAO, S. H. Impacto da entrada nos níveis diferenciados de governança corporativa sobre a imagem institucional das empresas. Revista Contabilidade Vista e Revista, v. 19, n. 2, p. 85-111, 2008.

NIAP, D. T. F.; TAYLOR, D. CEO personal reputation: does it affect remuneration during times of economic turbulence? Procedia Economics and Finance, v. 2, p. 125-134, 2012.

PETERAF, M. A. The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3, p. 179-191, 1993.

RIBEIRO, R.; ROSSETTO, C. R.; VERDINELLI, M. A. Comportamento estratégico da empresa e a visão baseada em recursos: um estudo no setor varejista de material de construção. Revista de Gestão & Produção, v. 18, n. 1, p. 175-192, 2011.

RINDOVA, V. P.; WILLIAMSON, I. O.; PETKOVA, A. P. Reputation as an intangible asset: reflections on theory and methods in two empirical studies of Business School Reputations. Journal of Management, v. 36, n. 3, p. 610-619, 2010.

ROBERTS, P. W.; DOWLING, G. R. Corporate reputation and sustained superior financial performance. Strategic Management Journal, v. 23, n. 12, p. 1.077-1.093, 2002.

ROSE, C.; THOMSEN, S. The impact of corporate reputation on performance: some Danish evidence. European Management Journal, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2004.

ROVER, S.; MURCIA, F. D-R.; BORBA; J. A.; VICENTE, E. F. R. Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações – RCO, v. 3, n. 2, p. 53-72, 2008.

SAMPIERI, R. H., COLLADO, C. F., & Lúcio, P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw Hill, 2013.

SÁNCHEZ, J. L. F; SOTORRÍO, L. L. The creation of value through corporate reputation. Journal of Business Ethics, v. 76, n. 3, p. 335-346, 2007.

SANTOS, J. G. C.; VASCONCELOS, A. C.; DE LUCA, M. M. M. Perfil da inovação e da internacionalização de empresas transnacionais. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 1, p. 198-211, 2013.

SILVA, R. L. M.; NARDI, P. C. C.; PIMENTA JUNIOR, T. O impacto da migração das empresas para os níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa sobre o risco e o retorno de suas ações. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 2, p. 222-242, 2012.

SOUZA, M. M.; LUNKES, R. J.; UHLMANN, V. O. Disclosure ambiental das empresas do setor de biocombustíveis com ações listadas na Bovespa: análise das demonstrações financeiras do período de 2004 a 2008. Revista Capital Científico, v. 8, n. 1, p. 93-106, 2010.

SPENCE, M. Job market signaling. The Quartely Journal of Economics, v. 87, n. 3, p. 355-374, 1973.

______. Signaling in retrospect and the informational structure of markets. The American Economic Review, v. 92, n. 3, p. 434-459, 2002.

SPERS, R. G.; WRIGHT, J. R. C. Uma análise das dimensões estratégicas críticas para a internacionalização das empresas brasileiras nos mercados de base da pirâmide (BOP) globais. Brazilian Business Review - BBR, v. 10, n. 2, p. 26-50, 2013.

STAL, E. Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Revista de Administração e Inovação - RAI, v. 7, n. 3, p. 120-149, 2010.

TEH, C. C.; KAYO, E. K.; KIMURA, H. Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 86-106, 2008.

TEIXEIRA, E. A.; NOSSA, V. FUNCHAL, B. O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista de Contabilidade e Finanças - USP, v. 22, n. 55, p. 29-44, 2011.

THOMAZ, J. C.; BRITO, E. P. Z. Reputação corporativa: construtos formativos e implicações para a gestão. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 2, p. 229-250, 2010.

TISCHER, S.; HILDEBRANDT, L. Linking corporate reputation and shareholder value using the publication of reputation rankings. Journal of Business Research, 2013. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.jbusres.2013.08.007>. Acesso em: 13 jan. 2014.

TOMS, J. S. Firm resources, quality signals and the determinants of corporate environmental reputation: some UK evidence. British Accounting Review, v. 34, n. 3, p. 257-282, 2002.

VAN RIEL, C. B. M.; FOMBRUN, C. J. Essentials of corporate communications. New York: Routledge, 2007.

VIEIRA, E.; NOVO, J. A estrutura de capital das PME: evidência no mercado português. Revista Estudos do ISCA, v. 4, n. 2, p. 1-16, 2010.

WALKER, K. A systematic review of the corporate reputation literature: definition, measurement, and theory. Corporate Reputation Review, v. 12, n. 4, p. 357-387, 2010.

WANG, C. H. How relational capital mediates the effect of corporate reputation on competitive advantage: evidence from Taiwan high-tech industry. Technological Forecasting and Social Change, v. 82, p. 167-176, 2014.

ZABALA, I.; PANADERO, G.; GALLARDO, L. M.; AMATE, C. M.; SÁNCHEZ-GALINDO, M.; TENA, I.; VILLALBA, I. Corporate reputation in professional services firms: reputation management based on intellectual capital management. Corporate Reputation Review, v. 8, n. 1, p. 59-71, 2005.

Publicado
30-08-2017
Como Citar
Góis, A. D., De Luca, M. M. M., Lima, G. A. S. F. de, & Vasconcelos, A. C. de. (2017). Reputação gera valor para os acionistas? uma análise nas empresas brasileiras. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 16(2), 523-546. https://doi.org/10.18593/race.v16i2.13048

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##