Modelos de carreira, inclinações profissionais e satisfação com a vida

  • Jandir Pauli Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)
  • Zelia Miranda Kilimnik Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. UNIVERSIDADE FUMEC
  • Juliane Ruffatto Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)
  • Josieli Lazzarotto Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)

Resumo

Neste estudo teve-se como objetivo descrever a relação entre modelos de carreira, inclinações profissionais e satisfação geral com a vida. A base teórica propôs, em um primeiro momento, a articulação entre os modelos de carreira autodirigida e tradicional de Hall e Mirvis (1996) com as inclinações profissionais de Schein (1996) para, em um segundo momento, descrever a sua relação com a satisfação com a vida (DIENER et al., 1985). Para isso, foi realizado um estudo quantitativo com 215 estudantes de pós-graduação em Administração. Foram utilizadas as técnicas de análise fatorial para a redução de dados, regressão linear e comparação de médias entre grupos. As conclusões evidenciaram que as inclinações profissionais mais próximas do modelo de carreira autodirigida foram: autonomia e independência, criatividade empreendedora, desafio puro, serviço e dedicação a uma causa e estilo de vida e gerência geral. e as inclinações segurança e estabilidade e competência técnico-funcional foram associadas à carreira tradicional. Na relação entre inclinações profissionais e satisfação com a vida, autonomia, independência e desafio puro apresentaram uma relação significativa e positiva, evidenciando que o modelo de carreira autodirigida reforça a ideia de vinculação a aspectos subjetivos na percepção de carreira desses profissionais.

Palavras-chave: Carreira. Inclinações profissionais. Satisfação com a vida.

 

Abstract

 

This study aimed to describe the relationship between career models, professional inclinations and overall life satisfaction. The theoretical basis proposed, at first, the relationship between self-directed and traditional career models of Hall and Mirvis (1996) with the professional inclinations of Schein (1996) in order to, in a second stage, describe their relationship with satisfaction life (DIENER et al., 1985). For this we conducted a quantitative study with 215 graduate students in Administration. The factor analysis techniques were used for data reduction, linear regression and comparison of means between groups. The findings showed that the closest professional inclinations of the self-directed career model were: autonomy and independence, entrepreneurial creativity, pure challenge, service and dedication to a cause and lifestyle and general management. And the anchors security and stability and technical and functional competency have been associated with traditional career. In the relations between professional inclinations and life satisfaction, autonomy, independence and pure challenge, they showed a significant and positive relation, showing that self-directed career model reinforces the idea of linking to the subjective aspects in the career perception of these professionals.

Keywords: Career. Professional inclinations. Satisfaction with life.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jandir Pauli, Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)
Pós-doutor em Sociologia Econômica (Université Paris IV - Sorbonne), Doutor em Sociologia pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Mestre em Sociologia pela UFRGS (2006), Licenciatura Plena em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo (1998) e Bacharelado em Filosofia pelo Instituto de Filosofia Berthier (1997). Dedica-se à docência universitária desde 2005 quando iniciou suas atividades na Universidade de Passo Fundo (UPF) e Faculdades IDEAU. Desde 2006 é professor na Faculdade Meridional (IMED). Nesta instituição coordenou a Escola de Gestão Pública (2007-2010). Entre setembro de 2010 e fevereiro de 2011 licenciou-se para realização de um estágio doutoral (Programa PDEE-CAPES) na Université Sorbonne (Paris IV), França, sob a orientação do Prof. Dr. Philippe Steiner. Como pesquisador, atua nas linhas de pesquisas: Trabalho nas sociedades contemporâneas (CNPq/PPGS-UFRGS) e Estudos organizacionais contemporâneos (IMED). Em suas pesquisas desenvolve temas como: comportamento organizacional, trabalho e identidade social, cooperativismo, associativismo e economia solidária, significado social do dinheiro e dimensão social dos mercados.
Zelia Miranda Kilimnik, Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. UNIVERSIDADE FUMEC
Doutora em Administração pela UFMG, professora do Programa de Doutorado e Mestrado em Administracão da Universidade FUMEC – PDMA, na linha de pesquisa de Estratégia em Organizações e  Comportamento Organizacional. Vice-coordenadora do PDMA no período de 2011 a 2015. Bolsista de Produtividade do CNPq no de período 2002 a 2013 e Consultora ad hoc da CAPES, tendo atuado como membro da Comissão de Avaliação Trienal 2007-2010 da CAPES, na área de Administração. É líder de grupo de pesquisa e coordena projeto de pesquisa financiado pela FAPEMIG e pelo ProPIC/FACE/FUMEC. Ex-professora da UFMG e da FEAD/Minas, instituições em que atuou, também, como vice-coordenadora  de curso de mestrado em Administração. Em sua produção científica constam dezesseis capítulos de livros e dois livros organizados, 65 artigos publicados em periódicos especializados e 112 em anais de eventos, sendo dez internacionais. A sua produção técnica inclui a participação em diversos eventos, relatórios de pesquisa e de consultorias. Orienta dissertações de mestrado e bolsistas de Iniciação Científica. Avalia artigos para periódicos especializados, tais como a BAR, RAC, Revista da ABOP, rPOT, Revista Brasileira de Psicologia e para eventos, tais como ENANPAD e ENGPR. Orientou 120 trabalhos de conclusão, tais como teses de doutorado, mestrado, monografias nas áreas de Administração e Psicologia. Participou de 23 projetos de pesquisa, doze dos quais coordenou. E já atuou como membro de banca examinadoras de 358 trabalhos de conclusão. Atua na área de Administração, com ênfase em Comportamento Organizacional. Em seu currículo Lattes, os termos mais frequentes são: trabalho, carreira profissional, qualidade de vida no trabalho, estresse no trabalho, competências profissionais e gestão estratégica de pessoas.
Juliane Ruffatto, Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)
Mestranda em Administração pela Faculdade Meridional IMED (Bolsistas CAPES). Possui graduação em Administração pela Universidade de Passo Fundo (2012) e Especialização em Gestão Empresarial pela Faculdade Meridional - IMED (2014). É integrante do grupo de pesquisa: Estudos Organizacionais Contemporâneos (IMED) e atua em pesquisa nos seguintes temas: Carreiras, mercado de trabalho, gestão estratégica de pessoas e formação de mercados.
Josieli Lazzarotto, Programa de Pós- Graduação Strictu Senso em Administração. Escola de Administração da Faculdade Meridional - IMED (Passo Fundo, RS)
Possui graduação em Administração pela Faculdade Meridional (2014). É discente do Programa de Pós-Graduação Scricto Sensu em Administração da Faculdade Meridional (Bolsistas CAPES). 

Referências

ALBUQUERQUE, A. S.; TRÓCCOLI, B. T. Desenvolvimento de Uma Escala de Bem-Estar Subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 153-164, mai./ago. 2004.

ANDRADE, G. A. Carreira tradicional versus carreira proteana: um estudo comparativo sobre a satisfação com a profissão, carreira e emprego. Dissertação (Mestrado em Gestão Estratégica de Organizações) - Universidade FUMEC, Minas Gerais, 2009.

BENDASSOLLI, P. F. Recomposição da relação sujeito-trabalho nos modelos emergentes de carreira. RAE, São Paulo, v. 49, n. 4, dez. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003475902009000400003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 09 jul. 2014.

CAMPBELL, A.; CONVERSE, P. E.; RODGERS, W. L. The quality of American life. New York: Russell Sage Foundation, 1976.

DIENER, E., INGLEHART, R. ; TAY, L. Theory and validity of life satisfaction scales. Social Indicators Research in press, 2012.

DIENER, E., SCOLLON, C. N., OISHI, S., DZOKOTO, V.; SUH, E.M. Positivity and the construction of life satisfaction judgments: global happiness is not the sum of its parts. Journal of Happiness Studies, v. 1, n. 2, p. 159-176, 2000.

DIENER, E.; EMMONS, R. A.; LARSEM, R. J.; GRIFFIN, S. The Satisfaction With Life Scale. Journal of Personality Assessment, v. 49, n. 1, p. 71-75, 1985.

DUTRA, J. S. Administração de carreira: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 1996.

HALL, D.; MIRVIS, P. The career is dead, long live the career: A relational approach to careers. San Francisco. Jossey-Bass, 1996.

HENSELER, J.; RINGLE, C. M.; SINKOVICS, R. R. The use of partial least squares path modeling in International Marketing. Advances in International Marketing, v. 20, p. 277-319, 2009.

KILIMNIK, Z.; CASTILHO, I.; SANT’ANNA, A. Carreiras em Transformação: um estudo de trajetórias, âncoras e metáforas de carreira em associação a representações de competências profissionais. Comportamento Organizacional e Gestão, v. 12, n. 2, p. 257-280, jan./jun. 2006.

KILIMNIK, Z.; RODRIGUES, C.; BOUZADA, V. Estilo de vida e segurança: seriam essas as âncoras dos futuros detentores de “carreiras proteanas ou sem fronteiras? Um estudo comparativo entre alunos de graduação e de mestrado em Administração. Convibra, 2007. Disponível em: <http://www.convibra.com.br/2007/congresso/artigos/ 160.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2014.

MARTINS, H. T. Gestão de carreiras na era do conhecimento: abordagem conceitual & resultados de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

NUNNALLY, J. C. Psychometric Theory, 2. ed., New York: McGraw, 1978.

PAVOT, W.; DIENER, E. Review of the satisfaction with life scale. Psychological Assessment, v. 5, n.2, 164-172, 1993.

SANTOS, A. T. Controle percebido, senso de auto-eficácia e satisfação com a vida: um estudo comparativo entre homens e mulheres pertencentes a três grupos de idade. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

SCHEIN, E. H. Identidade profissional. Como ajustar suas inclinações e suas opções de trabalho. Tradução de Margarida D. Black. São Paulo: Nobel, 1996.

SCHWARZ, N.; STRACK, F. Evaluating one’s life: a judgment model of subjective wellbeing. In STRACK, F ; ARGYLE, N. SCHWARZ, N (Eds). Subjective Well-Being: an interdisciplinary perspective. Oxford: Pergamon Press, 1991. p. 27-48.

SCHWARZ, N.; STRACK, F.; PAVOT, W.; DIENER, E. The satisfaction with life scale and the emerging construct of life satisfaction. Journal of Positive Psychology, v. 3, p. 137-152, Mar. 2008.

SIQUEIRA, M. M. M; PADOVAN, V. A. R. Bases Teóricas de Bem-Estar Subjetivo, Bem-Estar Psicológico e Bem-Estar no Trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.24, n.2, p. 201-209, 2008.

WRZESNIEWSKI, A.; MCCAULEY, C.; ROZIN, P.; SCHWARTZ, B. Jobs, Careers, and Callings: People’s Relations to Their Work. Journal of Research in Personality, v. 31, p. 21-33, 1997.

Publicado
23-03-2017
Como Citar
Pauli, J., Kilimnik, Z. M., Ruffatto, J., & Lazzarotto, J. (2017). Modelos de carreira, inclinações profissionais e satisfação com a vida. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 16(1), 305-326. https://doi.org/10.18593/race.v16i1.12195