Vantagem competitiva por meio da inovação em empresas incubadas em um Parque Tecnológico

Resumo

Governos têm estimulado a criação de parques tecnológicos para incentivar a inovação e o desenvolvimento regional. Para essa finalidade, o Estado trabalha em conjunto com empresas privadas, estimulando o desenvolvimento de novos produtos e serviços e a formação de pessoas. Porém, o alcance de vantagem competitiva em um ambiente dinâmico exige a definição clara da estratégia. Nesse contexto, a inovação pode auxiliar as empresas, apesar da grande incerteza e da complexidade envolvidas. A inovação também pode ser impulsionada pela interação e pela conectividade presentes nos ambientes dos parques tecnológicos. Portanto, o objetivo com este artigo foi verificar se a inovação conduz ao alcance de vantagem competitiva. Para isso, realizou-se um estudo de casos múltiplos com empresas incubadas em um Parque Tecnológico no Oeste do Paraná. Entre os achados do estudo, destacam-se as contribuições do Parque na disseminação de uma metodologia de gerenciamento e a sinergia originada pelo ambiente colaborativo que favorece o aprendizado organizacional.

Palavras-chave: Inovação. Vantagem competitiva. Estratégia. Parque Tecnológico.

 

Abstract

 

Governments have encouraged the creation of technological parks to promote innovation and regional development. For this purpose, the State works with private companies, stimulating the development of new products and services and training of people. However, the scope of competitive advantage in a dynamic environment requires a clear definition of the strategy. In this context, innovation can help companies, despite the great uncertainty and complexity involved. Innovation can also be driven by interaction and connectivity present in technological parks. Therefore, the objective of this paper was to verify if innovation leads to the achievement of competitive advantage. For this, a study of multiple cases was conducted with incubated companies in a Technological Park in Western Paraná. Among the findings of the study, it is worth highlighting the contributions of the Park in the dissemination of a management methodology and the synergy originated by the collaborative environment that favors organizational learning.

Keywords: Innovation. Competitive advantage. Strategy. Technological Park.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius da Silva Pereira, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade União das Américas. Pós graduado em Controladoria, Auditoria e Pericia Contábil pela Faculdade União Dinâmica Cataratas. Mestrando em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Auditor Interna da Itaipu Binacional.
Moises Ari Zilber, Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Economista pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP. Doutor e Mestre em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração pela FEA/USP. Professor Doutor da área de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Referências

ACEDO, F. J.; BARROSO, C.; GALAN, J. L. The resource-based theory: Dissemination and main trends. Strategic Management Journal, v. 27, n. 7, p. 621–636, 2006.

AFUAH, A. Models of Innovation. In: Innovation Management: Strategies, Implementation, and Profits. New York: Oxford University Press, 1998. p. 13–45.

ALDRICH, H. E.; RUEF, M. Organizations Evolving. 2. ed. London: Sage, 2006.

ANPROTEC-ABDI. Parques Tecnológicos no Brasil: Estudo , Análise e Proposições. XVIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Anais...ANPROTEC-ABDI, 2007

ANSOFF, H. I. A model for diversification. Management Science, v. 4, n. 4, p. 392–414, 1958.

ANSOFF, I. Perfis de Sinergia e Potencialidades; Conceito de Estratégia. In: Estratégia Empresarial. [s.l.] Atlas, 1977.

BARNEY, J. B. Is the Resource-Based “View” a Useful Perspective for Strategic Management Research? Yes. Academy of Management Review, v. 26, n. 1, p. 41–56, 2001.

BARNEY, J. B.; HESTERLY, W. S. Avaliação das capacidades internas de uma empresa. Administração estratégica e vantagem competitiva, p. 63–88:, 2007.

BARNEY, J.; WRIGHT, M.; KETCHEN, D. J. The resource-based view of the firm: Ten years afterJournal of Management, 2001.

BATAGLIA, W.; MEIRELLES, D. SI. E. Population Ecology and Evolutionary Economics: Toward an Integrative Model. Management Research, v. 7, n. 2, p. 87–101, 2009.

BOWMAN, C. Formulating Strategy. In: The Oxford Handbook of Strategy. New York: Oxford University Press Inc., 2003.

BUCHANAN, D. A.; BRYMAN, A. Contextualizing Methods Choice in Organizational Research. Organizational Research Methods, v. 10, n. 483, p. 483–501, 2007.

CHANDLER, A. D. Strategy and structure: Chapters in the history of the American enterprise. Massachusetts Institute of Technology Cambridge, 1962.

CHESBROUGH, H. W. The Era of Open Innovation. MIT Sloan Management Review, v. 44, n. 3, p. 35–41, 2003.

CHRISTENSEN, C. M.; OVERDORF, M. “Enfrente o desafio da Mudança Revolucionária” Inovação na Prática: On innovation. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

COOL, K.; COSTA, L. A.; DIERICKX, I. Constructing Competitive Advantage. In: Handbook of Strategy and Management. London: Sage Publications, 2002. p. 55–71.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DE MAN, A. P.; DUYSTERS, G. Collaboration and innovation: A review of the effects of mergers, acquisitions and alliances on innovation. Technovation, v. 25, n. 12, p. 1377–1387, 2005.

DOSI, G.; TEECE, D. J. Organizational competences and the boundaries of the firm. Spring Berlin Heidelberg, p. 281–302, 1998.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): práticas e princípios. São Paulo: Pioneira Thompson, 2003.

EISENHARDT, K. M.; MARTIN, J. A. Dynamic Capabilities: What Are They? Strategic Management Journal, v. 21, n. 10, p. 1105–1121, 2000.

ESTRELLA, A.; BATAGLIA, W. A Influência da Rede de Alianças no Crescimento das Empresas de Biotecnologia de Saúde Humana na Indústria Brasileira. Revista Organizações & Sociedade, v. 20, n. 65, p. 321–340, 2013.

FLEURY, A. C. C. et al. Gestão de Competências para a Produção Industrial de Serviços. In:

SBRABIA, R.; GALINA, S. V. R. (Eds.). Gestão da inovação no setor de telecomunicações. São Paulo: USP, 2004.

GRANT, R. M. The Resource-Based Theory of Competitive Advantage: Implications for Strategy Formulation. Californian Management Review, p. 114–135, 1991.

HALL, R. H. Mudança. In: Organizações: estrutura, processos e resultados. 8. ed. São Paulo: Person Prentice-Hall, 2004. v. 1p. 172–190.

HENDERSON, R. M.; CLARK, K. B. Architectural innovation: The reconfiguration of existing product technologies and the failure of established firms. Administrative Science Quarterly, p. 9–30, 1990.

HILL, C. W. L. Differentmiation Versus Low Cost or Differentiation and Low Cost: A Contingency Framework. The Academy of Management Review, v. 13, n. 3, p. 401–412, 1988.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKINSSON, R. E. Administração Estratégica: Competitividade e Globalização. 2. ed. São Paulo: Cencage Learning, 2013.

Lei 10.793. Brasil, 2004. Disponível em:

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press., 1982. v. 93

ORGANIZAÇÃO. Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Anais...Paris: OCDE, 2005

PENROSE, E. The theory of the growth of the firm. New York: Sharpe, 1959.

PETERAF, M. A. The Cornerstones of Competitive Advantage: A Resouce-Based View. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3 Mar., p. 179–191, 1993.

POPADIUK, S.; RIVERA, E. R.; BATAGLIA, W. Heterogeneity of isomorphic pressures: Intertwining the Resource-Based view and the neoinstitutional approach. BAR - Brazilian Administration Review, v. 11, n. 4, p. 455–475, 2014.

PORTER, M. E. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press, 1980.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business thriving Review, v. May-June, p. 79–91, 1990.

PTI PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU. Relatório de Resultados 2015. Foz do Iguaçu: [s.n.]. Disponível em: .

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R. C.; ARRONIZ, I. The 12 Different Whays for Companies to Innovate. MIT Sloan Management Review, v. 47, n. 3, p. 75–81, 2006.

SCHUMPETER, J. A. “The march into socialism.” The American Economic Review, p. 446–456, 1950.

SEKARAN, U. The Research Process: Steps 4 and 5: Theoretical Framework Hypothesis Development. In: Research methods for business: a skill-building approach. 3. ed. New York: John Wiley & Sons, Inc., 2000. p. 89–117.

TEECE, D. J. Dynamic Capabilities and Strategic Management. Oxford: Oxford University Press, 2009.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

VASCONCELOS, F. C. DE; CYRINO, Á. B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 20–37, 2000.

WERNERFELT, B. A Resource-based View of the Firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171–180, 1984.

WERNERFELT, B. The Resource-based view of the firm: ten year after. Strategic Management Journal, v. 16, p. 171–174, 1995.

WHITTINGTON, R. Teorias sobre estratégia. In: O que é estratégia. [s.l.] Thomson, 2002. p. 11–48.

ZILBER, M. A. et al. A Inovação e os Fatores Organizacionais Característicos. Revista de Ciências da Administração, v. 10, n. 21, p. 76–96, 2008.

Publicado
23-03-2017
Como Citar
Pereira, V. da S., & Zilber, M. A. (2017). Vantagem competitiva por meio da inovação em empresas incubadas em um Parque Tecnológico. RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 16(1), 65-94. https://doi.org/10.18593/race.v16i1.11538