PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO (1999-2014)

  • Mygre Lopes da Silva Mestre em Administração. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Doutoranda em Administração no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: mygrelopes@gmail.com.
  • Alison Geovani Schwingel Franck Bacharelando em Ciências Contábeis pela UFSM. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Bolsista pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E-mail: alischfranck@hotmail.com.
  • Rodrigo Abbade da Silva Bacharel em Ciências Econômicas. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Mestrando do PPGA da UFSM. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). E-mail:abbaders@gmail.com.
  • Daniel Arruda Coronel

Resumo

Neste trabalho buscou-se analisar o padrão de especialização do comércio internacional do Estado de São Paulo, identificando-se os setores produtivos mais dinâmicos, no período entre 1999 e 2014. Nesse sentido, calcularam-se os indicadores de Vantagem Comparativa Revelada Simétrica (IVCRS), de Comércio Intraindústria (CII), de Concentração Setorial das Exportações (ICS) e Taxa de Cobertura das Importações (TC). Os resultados indicaram que o Estado paulista apresentou uma pauta de exportação diversificada. Com isso, é possível constatar que os setores especializados no comércio internacional são aqueles que apresentam diferenciação de produto, economias de escala e concorrência monopolística, embora se constate a existência de comércio interindústria em vários setores.

Palavras-chave: Exportações. Vantagem comparativa. São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mygre Lopes da Silva, Mestre em Administração. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Doutoranda em Administração no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: mygrelopes@gmail.com.
Mestre em Administração. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Doutoranda em Administração no Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Federal de Santa Maria. E-mail: mygrelopes@gmail.com.
Alison Geovani Schwingel Franck, Bacharelando em Ciências Contábeis pela UFSM. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Bolsista pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E-mail: alischfranck@hotmail.com.
Bacharelando em Ciências Contábeis pela UFSM. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Bolsista pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). E-mail: alischfranck@hotmail.com.
Rodrigo Abbade da Silva, Bacharel em Ciências Econômicas. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Mestrando do PPGA da UFSM. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). E-mail:abbaders@gmail.com.

Bacharel em Ciências Econômicas. Avenida Roraima, n° 1000, Cidade Universitária, Bairro Camobi, Santa Maria-RS, CEP: 97105-900, prédio 74-C. Mestrando do PPGA da UFSM. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). E-mail:abbaders@gmail.com.

Daniel Arruda Coronel
Professor Adjunto do Departamento de Ciências Administrativas e do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), Mestre em Agronegócios pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Editor de Seção da Revista Ciência Rural e Membro do Conselho Editorial da Revista do CCEI, além de parecerista de várias revistas acadêmicas. Tem experiência na área de Economia e Administração Financeira, atuando principalmente nos seguintes temas: Economia Brasileira, Economia Industrial, Métodos Quantitativos, Competitividade Internacional do Agronegócio Brasileiro e Projetos de Investimento

Referências

ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR- ALICEWEB. Consultas. Disponível em: <http://aliceweb2.mdic.gov.br/>. Acesso em: 02 dez. 2015.

APPLEYARD, D.; FIELD JR., A, J.; COBB, S. L. Economia Internacional. 6 ed. Porto Alegre: McGraw Hill, 2010.

ARAÚJO, M. de F.I.; PACHECO, C. A. A trajetória econômica e demográfica da metrópole nas décadas de 70-80. In: VÁRIOS AUTORES. Cenários da urbanização paulista: a Região Administrativa da Grande São Paulo. São Paulo: Fundação Seade, 1992.

ARROYO, M. Circuitos espaciais de produção industrial e fluxos internacionais de mercadorias na dinâmica territorial do estado de São Paulo. Boletim Campineiro de Geografia. Campinas, v. 2, n. 1, p. 07-26, 2012.

AZEVEDO, A. F. Z.; MASSUQUETTI, A. As Exportações Brasileiras do Setor Automotivo para o Mercosul: Desvio de Comércio ou Redução de Custos? In: XI ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS, 2013, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ENABER, 2013.

BALDWIN, R. Global supply chains: why they emerged, why they matter and where are they going. In: ELMS, D.; LOW, P. Global Value Chains in a Changing World. Geneva: Fung Foundation, Temasek Foudation and World Trade Organization, 2013.

BLACK, C.; AVILA, R. I. Uma investigação sobre as exportações brasileiras no período recente. FEE, 2013. v. 40, p. 41-49.

CABRAL JUNIOR, M.; SUSLICK, S. B.; OBATA, O. R.; SINTONI, A. A mineração no estado de São Paulo: situação atual, perspectivas e desafios para o aproveitamento dos recursos minerais. Geociências, v. 27, n. 2, p. 171-192, 2008.

DINIZ, C. C. Unidade e fragmentação: a questão regional no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FEISTEL, P. R. . Modelo Gravitacional: um teste para economia do Rio Grande do Sul. Revista de Economia e Administração, v. 1, p. 94-107, 2008.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (FIESP). Notícias. Disponível em: <http://www.fiesp.com.br/noticias/30-dos-produtos-exportados-por-sao-paulo-sao-de-baixa-tecnologia/>. Acesso em: 10 dez. 2014.

FONTENELE, A. M. de C.; MELO, M. C. P.; ROSA, A. L. T. A Indústria Nordestina Sob a Ótica da Competitividade Sistêmica. Fortaleza, EUFC/SUDENE/ACEP, 2000.

GARCIAS, P. M. Industrialização, padrão de comércio externo e o comércio intra-indústria do estado do Paraná: 1990-2010. Informe Gepec, v. 17, n. 2, p. 125-141, jul./dez. 2013.

GOMES, G.; DVORSAK, P.; HEIL, T. Indústria petroquímica brasileira: situação atual e perspectivas. BNDES Setorial, n. 21, p. 75-104, mar. 2005.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Setores de negócios, agronegócios. Disponível em:

<http://www.investe.sp.gov.br/setores-de-negocios/agronegocios/laranja/>. Acesso em: 9 jan. 2016.

GRUBEL, H.; LLOYD, P. Intra-Industry Trade: the theory and the measurement of international trade in differentiated products. London: Macmillan, 1975.

HIDALGO, A. B. Especialização e competitividade do Nordeste brasileiro no mercado internacional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza: BNE, v.29, p. 491-414, jul./set. 1998.

HIDALGO, A. B.; DA MATA, D. F. P. G. Exportações do Estado de Pernambuco: concentração, mudança na estrutura e perspectivas. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 35, n. 2, abr./jun. 2004.

LAURSEN, K. Revealad comparative advantage and the alternatives as Measures of International specialization. Working Paper, n. 98-30, 1998.

MAIA, S. F. Transformações na estrutura produtiva do estado do Paraná na década de 90: análise por vantagem comparativa. In: MAIA, S. F.; MEDEIROS, N. H. (Org.). Transformações Recentes da Economia Paranaense. Recife: Editora Universitária, v. 1, p. 65-88, 2005.

MATTEO, M; TAPIA, J. R. B. Características da indústria paulista nos anos 90: em direção a uma city region?. Revista de Sociologia Política, n.18, p. 73-93, 2002.

MINISTÉRIO DO DESENVOLIMENTO DA INDÚSTRIA E COMERCIO EXTERIOR (MDIC). Secretaria de Comércio Exterior (SECEX). Disponível em: <http://aliceweb2.mdic.gov.br//consulta-ncm/index/type/exportacaoNcm>. Acesso em: 31 de janeiro de 2015.

PAULINO, L. A.; MONTORO, G. Desempenho Exportador da Indústria Paulista. São Paulo em Perspectiva, v. 13, n. 1-2, p. 77-86, 1999.

PINHERES, G. S.; FERRANTINO M.: Export diversification and structural dynamics in the growth process: the case of Chile. Journal of Development Economics, v. 52, n. 2, abr. 1997.

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

ROSSI JÚNIOR, J. L; FERREIRA, P. C. Evolução da Produtividade Industrial Brasileira e Abertura Comercial. Texto para Discussão- IPEA, n. 651, 1999.

SISTEMA DE ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO (AGROSTAT). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em:

<http://sistemasweb.agricultura.gov.br/pages/AGROSTAT.html>. Acesso em: 10 de fevereiro de 2016.

SUZIGAN, W. A Industrialização de São Paulo: 1930-1945. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 89-111, 1971.

SUZIGAN, W. Sistemas produtivos Locais no estado de São Paulo: o caso da indústrias de calçados de Franca. IPEA, PNUD, UNICAMP: Campinas, 2000.

VIANNA, S. T. W.; BRUNO, M. A. P.; MODENESI, A. M. Macroeconomia para o Desenvolvimento: crescimento, estabilidade e emprego. 4. ed. Rio de Janeiro: IPEA, 2010. 397 p.

Publicado
26-07-2016
Como Citar
Silva, M. L. da, Franck, A. G. S., Silva, R. A. da, & Coronel, D. A. (2016). PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO (1999-2014). RACE - Revista De Administração, Contabilidade E Economia, 15(2), 553-578. https://doi.org/10.18593/race.v15i2.10067