Quando o viver não vale mais a pena: a percepção do paciente suicida

  • Jaqueline Ferrari Universidade Do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Jorgiana Baú Mena Barreto Universidade Do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

Resumo

A cada ano, aproximadamente um milhão de pessoas morrem em razão do suicídio, o que representa uma morte a cada 40 segundos. Cada suicídio é uma tragédia que afeta não somente o membro que interrompeu sua vida, mas, também, toda a família, a comunidade pertencente e países inteiros, atribuindo efeitos duradouros sobre as pessoas deixadas para trás. Com a presente pesquisa teve-se como objetivos investigar a concepção de vida e morte de pacientes que tentaram suicídio, além de caracterizar as informações referentes ao perfil sociodemográfico e histórico dos pacientes que tentaram suicídio e identificar os fatores motivadores da tentativa de suicídio. Teve-se como objetivo, igualmente, investigar o histórico de psicopatologia existente no sujeito e em sua extensão familiar e avaliar o nível de desesperança, de resiliência e de ideação suicida dos sujeitos que tentaram suicídio, por meio da Escala Beck de Desesperança (BHS), Escala dos Pilares da Resiliência (EPR) e Escala Beck de Ideação Suicida (BSI). A coleta de dados se caracterizou pela aplicação de uma entrevista semiestruturada, com o objetivo de traçar o perfil sociodemográfico dos participantes, bem como coletar informações a respeito da tentativa de suicídio e suas atribuições, o nível de desesperança, ideação suicida e resiliência dos envolvidos por intermédio das Escalas BHS, BSI e EPR. Os participantes desta pesquisa foram 10 indivíduos adultos, do sexo masculino, que se encontram internados em uma Comunidade Terapêutica e em uma Sociedade Beneficente, ambas do Meio-Oeste catarinense. Os resultados apontam que os sujeitos apresentaram, em sua maioria, resultados sugestivos de psicopatologia associada à tentativa de suicídio, ao baixo nível de resiliência e desesperança e propensão a novas tentativas. A história familiar conflituosa destacou-se como o maior fator desencadeante da tentativa de suicídio, bem como o ponto de referência para buscar a resiliência. Destaca-se a importância de falar sobre suicídio como maneira de disseminar informações à comunidade civil e científica, a fim de conscientizar as pessoas de que suicídio é algo sério e precisa ser visto com a importância que merece, diminuindo, assim, seu índice alarmante.

Palavras-chave: Saúde mental. Suicídio. Tentativa de suicídio. Resiliência. Ideação suicida.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio: informando para prevenir. Brasília, DF: CFM/ABP, 2014.

ARAÚJO, Luciene da Costa; VIEIRA, Kay Francis Leal; COUTINHO, Maria da Penha de Lima. Ideação suicida na adolescência: um enfoque psicossociológico no contexto do ensino médio. Psicologia – Universidade São Francisco, v. 15, n. 1, p. 47-57, jan./abr. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pusf/v15n1/06.pdf>. Acesso em: 10 maio 2018.

AULETE. Aulete digital: dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 2018.

BANDURA, Albert. Self-efficacy: The exercise of control. W.H. Nova York: Freeman & Company, 1997.

BEBBINGTON, P. E. Neonosymptomatic hypochondriasis abnormal illness behaviour and suicide. Brit. J. Psychiat., n. 128, p. 475-478, 1976.

BECK, Aaron T. et al. Terapia cognitiva da depressão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BECK, Aaron T.; STEER, Robert A. Beck Hopelessness Scale. Manual. San Antonio, TX: Psychological Corporation, 1993.

BOTEGA, Neury Jose. Crise Suicida. Avaliação e Manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015.

CAMUS, Albert. O mito do Sísifo. Rio de Janeiro: Record, 2004.

CAPRON, Daniel W. et al. Role of anxiety sensitivity subfactorin suicidal ideation and suicide attempt history. Depress anxiety, 2012.

CARDOSO, Tábata; MARTINS, Maria do Carmo Fernandes. Escala dos pilares da resiliência (EPR). São Paulo: Vetor, 2013.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2006.

COÊLHO, Bruno Mendonça; MELLO-SANTO, Carolina de; WANG, Yuan-Pang. Interconsulta no paciente com risco de suicídio. Clínica Psiquiátrica. São Paulo: Manole, 2011.

CORREA, Humberto; BARRERO, Sérgio Perez. O suicídio ao longo dos tempos. In: CORREA, Humberto; BARRERO, Sérgio Perez (Org.). Suicídio uma morte evitável. São Paulo: Atheneu, 2006.

CRUZ, J. P. Memórias traumáticas, auto narrativas e conduta suicida: um ensaio terapêutico. Stress Pós-Traumático – Modelos, Abordagens e Práticas. Portugal: ADFA – Associação dos Deficientes das Forças Armadas, 2006.

CUNHA, Jurema Alcides. Escalas Beck: Inventário de Depressão Beck (BDI), Inventário de Ansiedade Beck (BAI), Escala de Desesperança Beck (BHS), Escala de Ideação Suicida Beck (BSI). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo sociológico. Porto: Presença, 1996.

DURKHEIM, Émile. O suicídio: um estudo sociológico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

FLACH, Frederic. Resiliência: a arte de ser flexível. São Paulo, Saraiva, 1991.

FRANKL, Viktor E. O homem incondicionado: Lições metaclínicas. Coimbra, Portugal: Armênio Amado, 1968.

GATTI, Bernardete Angelina. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília, DF: Plano, 2002.

GONÇALVES, Tonantzin Ribeiro et al. Avaliação de apoio social em estudos brasileiros: aspectos conceituais e instrumentos. Ciênc. Saúde Coletiva, 2011.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009.

HAYES, Lindsay M. Suicide risk despite denial or when actions speak louder than words Jail Suicide. Mental Health Update, v. 10, i. 1, p. 1-6, 2000.

KAPLAN, Harold; SADOCK, Benjamim. Compêndio de Psiquiatria: Ciência do Comportamento e Psiquiatria Clínica. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

KAROLY, Paul. Mechanism of self-regulation: a systems view. Annual a Review of Psychology, 1993.

KOVACS, Maria Júlia. Morte e Desenvolvimento Humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

LOVISI, Giovanni Marcos et al. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 31, Suplemento 2, p. S86-S93, 2009. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462009000600007.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Métodos de Coleta de dados: observação, entrevista e análise documental. In: LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. São Paulo: EPU, 2003.

MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS. DSM V. American Psychiatric Association. 5. ed. Tradução Maria Inês Corrêa Nascimento et al.; revisão técnica Aristides Volpato Cordioli et al. Porto Alegre: Artmed, 2014.

MARTINS, Maria do Carmo Fernandes; SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; EMÍLIO, Eduarla Resende Videira. Construção e validação Escala para Avaliação de Resiliência (EAR). São Bernardo do Campo: UMESP, Relatório de pesquisa, 2010.

MELLO, Guiomar Namo de. Pesquisa em Educação: questões teóricas e questões de método. In: SEMINÁRIO SOBRE ALTERNATIVAS METODOLÓGICAS PARA A PESQUISA: CONHECIMENTO E REALIDADE. Relatório Final. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1980.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: Manual dirigido a profissionais da saúde da atenção básica. Brasília, DF: OPAS/Unicamp, 2009.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Organização Pan-Americana da Saúde, 2006. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_prevencao_suicidio_saude_mental. pdf>. Acesso em: 09 set. 2017.

NOCK, Matthew K. et al. Suicide and Suicidal Behavior. Epidemiol. Rev., n. 30, p. 133-154, 2008.

OLIVEIRA, Juliana Barros de; LIPP, Marilda Emannuel Novaes. Resiliência e controle de stress em juízes e servidores públicos. Boletim da Academia Paulista de Psicologia, 2009.

OLIVEIRA, Marta Kohl de. Sobre diferenças individuais e diferenças culturais: o lugar da abordagem histórico-cultural. In: AQUINO, Julio Groppa (Org.). Erro e fracasso na escola: e fracasso na escola alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de Transtornos mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Porto Alegre: Artmed, 1993.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Prevenção do suicídio: Um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Transtornos mentais e comportamentais. Genebra: Departamento de Saúde Mental, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial da Saúde 2001. Saúde Mental: Nova compreensão, Nova Esperança. Lisboa: Direcção Geral de Saúde, 2002.

OSHIO, Atsushi et al. Construct validity of the adolescent resilience scale. Psychological Reports, v. 93, n. 3, 1217-1222, 2003.

PALUDO, Simone dos Santos; KOLLER, Silvia Helena. Resiliência na rua: um estudo de caso. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 21, n. 2, p. 187-195, 2005.

PRIETO, Daniela; TAVARES, Marcelo. Fatores de risco para suicídio e tentativa de suicídio: incidência, eventos estressores e transtornos mentais. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v. 54, n. 2, p. 146-154, 2005.

QUEVEDO, João et al. Emergências Psiquiátricas. 2. ed. São Paulo: Artmed, 2008.

RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1999.

SAMPAIO, Daniel. Ninguém morre sozinho: o adolescente e o suicídio. Lisboa, Portugal: Caminho, 1991.

SARAIVA, Carlos Braz. Para-suicídio. Lisboa, Portugal: Quarteto, 1999.

SILVEIRA, Daniel Rocha; MAHFOUD, Miguel. Contribuições de Viktor Emil Frank ao conceito de resiliência. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 25, n. 4, p. 567-576, out./dez. 2008.

SOUZA, Maíra Gabriela Santos de; PUENTE-PALACIOS, Katia. Validação e testagem de uma escala de autoconhecimento profissional. RPort, v. 7, n. 2, p. 95-114, 2007.

TURAGABECI, Amelia R. et al. Estrutura familiar e saúde, como o companheirismo atua como um amortecedor contra problemas de saúde. Saúde Qual Vida, v. 5, n. 61, 2007.

TURECKI, Gustavo. O suicídio e sua relação com o comportamento impulsivo agressivo. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 21, Suplemento 2, p. 18-22, 1999.

WERLANG, Blanca Susana G.; BORGES, Vivian R.; FENSTERSEIFER, Liza. Fatores de risco ou proteção para a presença de ideação suicida na adolescência. Revista Interamericana de Psicologia, v. 39, p. 259-266, 2005. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=2988645>. Acesso em: 10 maio 2018.

WOLIN, S. Steven J.; WOLIN, Sybil. The resilient self: how survivors of troubled families risk above adversity. Nova York: Villard Books, 1993.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Participant manual – IMAI One-day Orientation on Adolescents Living with HIV. Geneva, 2010. Disponível em: <http://whqlibdoc.who. int/publications/2010/9789241598972_eng.pdf>. Acesso em: 05 jun. 2018.

ZIMMERMAN, Marc A.; ARUNKUMAR, Revathy. Resiliency research: implications for schools and policy. Social Policy Report: Society for research in Child Development, v. 8, i. 4, p. 1-18 1994.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Ferrari, J., & Barreto, J. B. M. (2018). Quando o viver não vale mais a pena: a percepção do paciente suicida. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 171-198. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/19204