Perfil psicológico de usuários de crack

  • Bruna Monique de Souza Universidade do Oeste Catarinense-UNOESC
  • Scheila Beatriz Sehnem

Resumo

A dependência química é um assunto multifacetado e estudado por diferentes profissionais da saúde, uma vez que o aumento de usuários da substância do crack cresce a cada ano e vem desenvolvendo uma população consequentemente doentia, acercada de perdas em diferentes âmbitos da vida pessoal, profissional e social. Neste trabalho de investigação teve-se como objetivo identificar as principais características da personalidade dos sujeitos usuários de crack, bem como avaliar as funções mentais superiores. Participaram da pesquisa sete sujeitos usuários de crack que frequentavam um centro de atenção psicossocial do Meio-Oeste de Santa Catarina. Para a coleta dos dados, utilizaram-se os instrumentos psicológicos BFP, de Nunes, Hutz e Nunes (2010), cujo objetivo foi analisar o perfil da personalidade e o teste Neupsilin, de Fonseca, Salles e Parente (2009), que analisa as funções mentais superiores. A coleta ocorreu de forma individual em data pré-agendada com os usuários. De modo geral, o grupo caracteriza-se por semelhanças na idade cronológica, estado civil, histórico do uso, consequências sofridas e religiosidade. Quanto às principais características de personalidade, observou-se que os sujeitos demonstram escores altos frente às facetas. Como se trata de um teste psicométrico e eles tiveram o poder de escolher a resposta que julgaram encaixar com sua realidade, a sociabilidade é o item que mais apresentou declínio, indiciando dificuldade em se ressocializar no meio em que estão inseridos. No que se refere às funções cognitivas, percebeu-se a dificuldade em esferas da linguagem, fluência verbal e resolução de problemas como sobressalentes aos demais quesitos. Dessa forma, concluiu-se que os sujeitos também se assemelham por não possuírem tomada de decisão, terem compulsão pela droga e falta de iniciativa diante das coordenadas da vida. Com o auxílio dos instrumentos psicológicos utilizados, denotou-se a dificuldade em realizar problemas situacionais, colocar-se verbalmente sobre determinadas situações e falta de iniciativa frente à tomada de decisão sobre aspectos pessoais.

Palavras-chave: Dependência química. Crack. Usuário de crack.

Referências

ABDALA, Gina Andrade et al. A Religiosidade/Espiritualidade como Influência Positiva na Abstinência, Redução e/ou Abandono do Uso de Drogas. Revista Formadores, Bahia, p. 77-98, mar. 2010. Disponível em: <https://www.pucsp.br/rever/rv1_2010/i_abdala.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2018.

ASSOCIATION AMERIC PSYCHIATRIC. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ÁVILA, Renata; MIOTTO, Eliane. Funções executivas no envelhecimento normal e na doença de alzheimer. Jornal de Psiquiatria, v. 52, p. 53-62, 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2018.

BANDEIRA, Rafaela Alves; NICKEL, Daniele Cristine. Dependência química e as características estruturantes de personalidade. 2011. Disponível em: <http://img.fae.edu/galeria/getImage/1/5083006341038816.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2018.

BASTOS, Francisco I.; BERTONI, Neilane. Pesquisa Nacional sobre o uso de crack e outras drogas: Quem e quantos são. 2013. Disponível em: <http://www.observasmjc.uff.br/psm/uploads/Pesquisa_Nacional_sobre_uso_de_crack_e_outras_drogas.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2018.

BECK JÚNIOR, Aldo; SCHNEIDER, Jacó Fernando. Dependência do Crack: Repercussões para o usuário e sua família. Revista Saúde e Desenvolvimento, ano 1, n. 2, jul./dez. 2012.

BORBA, Letícia de Oliveira; SCHWARTZ, Eda; KANTORSKI, Luciane Prado. A sobrecarga da família que convive com a realidade do transtorno mental. Revista Acta Paul Enferm, v. 21, n. 4, p. 588-594, 2008.

CAPISTRANO, Fernana Carolina et al. Perfil sociodemográfico e clínico de dependentes químicos em tratamento: análise de prontuários. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 243-241, jun. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n2/v17n2a05.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2018.

CONCEIÇÃO, Maria Inês Gandolfo et al. Usuários de crack que buscam tratamento em Brasília. Psicologia Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 32, p. 1-8, nov. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722016000500215〈=pt>. Acesso em: 27 fev. 2018.

CORRÊA, Rubens Gomes. Redução de danos e reinserção social: Desafios, Processos e Estratégias na Dependência Química. São Paulo: Saraiva, 2014.

CUNHA, Paulo Jannuzzi. Alterações neuropsicológicas em dependentes de cocaína. São Paulo, 2005. 126 p. Tese (Doutorado em Medicina)–Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5160/tde-13102014-101941/pt-br.php>. Acesso em: 27 maio 2017.

DIEHL, Alessandra; CORDEIRO, Daniel Cruz; LARANJEIRA, Ronaldo. Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FERREIRA, Aline Cristina Zerwes et al. Motivações de dependentes químicos para o tratamento: percepção de familiares. Revista Brasileira de Enfermagem, Reben, Curitiba, v. 3, n. 68, p. 474-481, 10 abr. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n3/0034-7167-reben-68-03-0474.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

FERREIRA, Vinícius Renato Thomé; COLOGNESE, Bruna Tolotti. Prejuízos de funções executivas em usuários de cocaína e crack. Avaliação Psicológica, v. 13, n. 2, p. 195-201, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v13n2/v13n2a07.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2018.

FIGUEIRÓ, Mirna Torres et al. Traços de personalidade em estudantes de Psicologia. Psicólogo em Informação, Campo Grande, v. 14, n. 14, out. 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psicoinfo/v14n14/v14n14a02.pdf>. Acesso em: 21 jul. 2018.

FONSECA, Rochele Paz; SALLES, Jerusa Fumagali de; PARENTE, Maria Alice de Mattos Pimenta. Neupsilin: Instrumento de Avaliação Neuropsicológica Breve. São Paulo: Vetor, 2009.

FREITAS, José Osmar Frazão; AGUIAR, Cilene Rejane Ramos Alves de. Avaliação das Funções Cognitivas de Atenção, Memória e Percepção em Pacientes com Esclerose Múltipla. Psicologia: Reflexão e Crítica, Recife, v. 3, n. 25, p. 457-466, 13 maio 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/prc/v25n3/v25n3a05.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

GAIA, Ana Paula de Oliveira; LEONARDO, Ivan Augusto Daguani Guarache. Habilidades sociais em dependentes de substâncias psicoativas no processo de reinserção social. Revista Ciência Amazônida, Porto Velho, 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/amazonida/article/view/3024>. Acesso em: 28 jul. 2018.

GERALDO, Myleo. Drogas: breve contextualização histórica e social. Brasil Escola, 2018. Disponível em: <https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/drogas/drogas-breve-contextualizacao-historica-social.htm>. Acesso em: 21 mar. 2018.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2018.

GUALBERTO, Priscila Mara de Araujo; ALOI, Pedro Eugênio; CARMO, João dos Santos. Avaliação de habilidades pré aritméticas por meio de uma bateria de testes. Revista Brasileira de Análise do Comportamento, v. 5, n. 2, p. 21-36, 2012. Disponível em: <http://www.periodicos.ufpa.br/indez.php/rebac/article/view/928>. Acesso em: 18 ago. 2018.

KOLLING, Nádia de Moura et al. Avaliação neuropsicológica em alcoolistas e dependentes de cocaína. Aval. psicol., Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 127-137, dez. 2007. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v6n2/v6n2a03.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

KRISTENSEN, Christian Haag; ALMEIDA, Rosa Maria Martins de; GOMES, William Barbosa. Desenvolvimento Histórico e Fundamentos Metodológicos da Neuropsicologia Cognitiva. Psicologia: Reflexão e Crítica, Leopoldo, v. 2, n. 14, p. 259-274, 12 jun. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/prc/v14n2/7853.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

LEOPARDI, Maria Tereza. Teorias da Enfermagem: instrumentos para a prática. Florianópolis: Edita Papa-Livros, 1999.

LEVANTAMENTO NACIONAL DE ÁLCOOL E DROGAS. O uso de cocaína e crack no Brasil. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo: Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas, 2012. v. 2.

MAÇANEIRO, Amarildo. Percepção do dependente químico quanto ao processo de recuperação. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem)–Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2008. Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Amarildo%20Macaneiro.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2018.

MACIEL, Maria José Nunes; YOSHIDA, Elisa Medici Pizão. Avaliação de alexitimia neuroticismo e depressão em dependentes de álcool. Avaliação Psicológica, v. 5, n. 1, p. 43-54, 2006. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v5n1/v5n1a06.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2018.

MICHEL, Oswaldo da Rocha. Abuso de Drogas. São Paulo: Byk, 2001.

NESTLER, Eric J. Total recall-the memory of addiction. Science, v. 292, n. 5525, p. 2266-2267, 2001.

NIMTZ, Miriam Aparecida et al. Impacto do uso de drogas nos relacionamentos familiares de dependentes químicos. Cogitare Enfermagem, Curitiba, p. 667-672, set. 2014. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/35721>. Acesso em: 17 ago. 2018.

NUNES, Carlos Henrique Sancineto da Silva; HUTZ, Claudio Simon; NUNES, Mariana Farias Oliveira. Bateria Fatorial de Personalidade BFP: Manual Técnico. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: Descrições Clínicas e Diretrizes Diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1993.

PRATTA, Elisângela Maria Machado; SANTOS, Manoel Antonio dos. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, DF, v. 25, n. 2, p. 203-211, jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010237722009000200008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 ago. 2018.

QUIOCA, Karina; SEHNEM, Scheila Beatriz. Cognição e Neuroticismo: Um estudo com dependentes químicos em abstinência. Joaçaba: Ed. Unoesc, 2017.

REIS, Helca Franciolli Teixeira; MOREIRA, Thais Oliveira. O crack no contexto familiar: uma abordagem fenomenológica. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 4, n. 22, p. 1115-1123, out. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v22n4/30.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2018.

RIBEIRO, Itajaciara Ferreira et al. Perfil dos usuários com dependência química atendidos em instituições especializadas na Paraíba. João Pessoa, nov. 2011. Disponível em: <http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/PERFIL-DOS-USU%E2%94%9C%2581RIOS-COM-DEPEND%E2%94%9C%258ANCIA-QU%E2%94%9C%258DMICA_comcorre%E2%94%9C%C2%BA%E2%94%9C%C3%81es-dos-autores_18.12.12-PRONTO.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2018.

RIBEIRO, Marcelo; LARANJEIRA, Ronaldo. O tratamento do Usuário de Crack. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

RIGOTTO, Simone Demore; GOMES, William B. Contextos de Abstinência e de Recaída na Recuperação da Dependência Química. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Caxias do Sul, v. 18, n. 1, p. 95-106, abr. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v18n1/a11v18n1.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

SANCHEZ, Zila van Der Meer. Razões que levam determinados jovens, mesmo expostos a fatores de risco, a não usarem drogas psicotrópicas. 2004. Dissertação (Mestrado em Ciências)–Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: <http://www.proad.unifesp.br/pdf/dissertacoes_teses/tese_zila.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

SCHIRMER, Carolina R.; FONTOURA, Denise R.; NUNES, Magda L. Distúrbios da aquisição da linguagem e da aprendizagem. J. Pediatr., Porto Alegre, v. 80, n. 2, p. 95-103, abr. 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n2s0/v80n2Sa11.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS SOBRE DROGAS. Relatório Brasileiro sobre Drogas. Brasília, DF: Ministério da Justiça: Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, 2009.

SILVA, Ilma Ribeiro. Alcoolismo e abuso de substâncias psicoativas: tratamento, prevenção e educação. São Paulo: Vetor, 2000.

SILVA, Valdeci Gonçalves da. Os testes psicológicos e as suas práticas. Psicologia: O portal dos Psicólogos, Paraíba, p. 1-21, out. 2008. Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0448.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2018.

SOUZA, Kévin da Silva et al. Reinserção social de dependentes químicos residentes em comunidades terapêuticas. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, Goiás, p. 171-177, set. 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v12n3/pt_06.pdf>. Acesso em: 17 ago. 2018.

ZANOTTO, Daniele Farina; ASSIS, Fátima Buchele. Perfil dos Usuários de crack na mídia: brasileira: análise de um jornal e duas revistas de edição nacional. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 3, n. 27, p. 771-792, 21 jan. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373312017000300771〈=pt>. Acesso em: 27 fev. 2018.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Souza, B., & Sehnem, S. (2018). Perfil psicológico de usuários de crack. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 129-146. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/19198