Traços de psicopatia em detentos que cometeram homicídio doloso

  • Pâmela Drum Petry Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC
  • Scheila Beatriz Sehnem UNOESC

Resumo

Psicopatia é um transtorno da personalidade definido por um conjunto específico de comportamentos e de traços de personalidade. Um crescente número de psicopatas tem surgido em nossa sociedade recentemente, porém os mais destacáveis são aqueles que matam a sangue-frio, sem drama de consciência. O homicídio é definido como a destruição violenta de um homem causada por outro homem, sendo o elemento objetivo do crime de homicídio a destruição da vida humana. Para verificar a personalidade do psicopata é necessário o uso de instrumentos validados para a avaliação da personalidade, que tem como finalidade identificar a falta de controle dos impulsos e a insensibilidade afetiva que esses sujeitos apresentam. A presente pesquisa é descritiva, em que os fatos são registrados, analisados, classificados e interpretados, com o objetivo de verificar o perfil sociodemográfico e psicológico de cinco detentos que cometeram homicídio doloso, evidenciando traços de psicopatia por meio de técnicas padronizadas, como a entrevista semiestruturada e os testes psicológicos P-Fister e Zulliger. Nos resultados da pesquisa, quanto ao perfil sociodemográfico, observou-se que a maioria dos participantes possui baixa escolaridade, é de religião católica e, no momento, encontra-se solteira. Seus crimes foram cometidos por impulsividade e motivos fúteis, como briga entre vizinho, conflitos no trânsito e bebedeira. No perfil psicológico constatou-se elevado índice de impulsividade, agressividade, onipotência, manipulação, pouca manifestação afetiva e fracasso em ajustar-se às normais sociais. Conclui-se que os cinco participantes possuem traços de psicopatia e estão mais propensos a cometerem homicídio, pois são motivados por seus desejos, sem se preocupar com o outro.   

Palavras-chave: Psicopata. Homicídio doloso. Perfil.

Referências

ABATI, Andressa Morgana; SEHNEM, Scheila Beatriz. A psicopatia e os crimes hediondos: um estudo com detentos de um presídio do meio-oeste catarinense. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Psicologia)–Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, 2016.

AMARAL, Anna Elisa de Villemor. As pirâmides coloridas de P-Fister. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

ARAÚJO, Fabíola dos Santos. O perfil do criminoso psicopata. 2011. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,o-perfil-do-criminoso-psicopata,32921.html>. Acesso em: 13 ago. 2018.

ASSOCIATION AMERICAN PSYCHIATRIC. Manual diagnóstico e estatístico de transtorno mentais: DSM-V. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm>. Acesso em: 21 ago. 2018.

BUSS, Arnold. Psychopathology. New York: Willey, 1966.

CABRAL, Danilo Cezar. O sombrio mundo dos psicopatas. Revista Mundo Estranho, São Paulo: Abril, ano 9, n. 9, set. 2010. Edição 103.

CASOY, Ilana. Arquivos Serial Killers: louco ou cruel? e Made in Brasil. Rio de Janeiro: DarkSide Books, 2017.

COHEN, Patrícia. Ligação entre fator genético e mente criminosa fortalecida: casamento pode afastar os homens de atos de violência. 2011. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/ny0407201113.htm>. Acesso em: 16 out. 2012.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Motivação dos crimes de homicídios. 2012. Disponível em: <http://www.cnmp.gov.br/portal/images/stories/Noticias/2012/Apresentao2.pdf>. Acesso em: 10 maio 2018.

DAVOGLIO, Tárcia Rita; ARGIMON, Irani Iracema de Lima. Avaliação de comportamentos anti-sociais e traços psicopatas em psicologia forense. Avaliação Psicológica, v. 9, n. 1, p. 1111-118, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=s1677-04712010000100012>. Acesso em: 10 maio 2018.

DAYNES, Kerry; FELLOWERS, Jessica. Como identificar um psicopata: cuidado! Ele pode estar mais perto do que você imagina. São Paulo: Cultrix, 2012.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Levantamento nacional de informações penitenciárias: atualização – junho de 2016. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/news/ha-726-712-pessoas-presas-no-brasil/relatorio_2016_junho.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2018.

DIAS, Jorge de Figueiredo. Criminologia: o homem delinquente e a sociedade criminógena. [S.l.]: Coimbra Editora, 1992.

FARIA, Leonardo. Especial Serial Killers. Revista Psicologia, São Paulo: Mythos, 2015. Disponível em: <https://pt.slideshare.net/CHASSSMIL/participao-da-simone-elizabeth-da-efes-escritora-do-livro-livro-serial-killers-a-maldade-indmita-na-revista-psicologia-da-pgina-17-a-23>. Acesso em: 10 maio 2018.

FERNANDES, Newton; FERNANDES, Valter. Criminologia integrada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1995.

FERNANDES, Newton; FERNANDES, Valter. Criminologia integrada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

GACONO, Carl. B.; MELOY, J. Reid. The Rorschach assessment of agressive and psychopathic personalities. New Jersey: Lawrence Erlbaum, Hillsdale, 1994.

GAUER, Gabriel Jose Chittó; CATALDO NETO, Alfredo. Transtorno de personalidade anti-social. Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional. Tradução Marcos Santarrita. 84. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GONÇALVES, Rui Abrunhosa; SOEIRO, Cristina. O estado da arte do conceito de psicopatia. Análise Psicológica, v. 28, n. 1, p. 227-240, 2010.

HARE, Robert D. Manual Escala Hare PCL-R: critérios para pontuação de psicopatia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

HARE, Robert D. Sem consciência: o mundo perturbador dos psicopatas que vivem entre nós. Porto Alegre: Artmed, 2013.

HUTZ, Claudio S.; NUNES, Carlos Henrique S. S. Escala Fatorial de Ajustamento Emocional/Neuroticismo. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

JUSBRASIL. Homicídio doloso. 2018. Disponível em: <https://www.jusbrasil.com.br/topicos/291548/homicidio-doloso>. Acesso em: 22 ago. 2018.

KOCSIS, Richard N. Criminal profiling: Principles and practice. Totowa, NJ: Humana Press, 2006.

LILIENFELD, Scott O. Conceptual problem is the assessment of psychopathy. Clinical Psychology Review, v. 14, n. 1, p. 17-38, 1994.

LÜHRING, Guinter Santana. Avaliação de traços de psicopatia e abuso de drogas em uma amostra de adolescentes em conflito com a lei. 2010. 70 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia)–Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MADEIRO, Carlos. Com 62,5 mil homicídios, Brasil bate recorde de mortes violentas. UOL Notícias, 2018. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2018/06/05/com-625-mil-homicidios-brasil-bate-recorde-de-mortes-violentas.htm>. Acesso em: 22 ago. 2018.

MORAIS, Paulo Heber de. Prática, processo e jurisprudência: homicídio. 3. ed. Curitiba: Juruá, 1978.

MORANA, Hilda Clotilde Penteado. Identificação do ponto de corte para a escala PCL-R (Psychopathy Checklist Revised) em população forense brasileira: caracterização de dois subtipos da personalidade; transtorno global e parcial. São Paulo, 2013.

OLIVEIRA, Karina Diniz. Perfil sociodemográfico, padrão de consumo e comportamento criminoso em usuários de substâncias psicoativas que iniciaram tratamento. 2010. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas)–Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

PINHEIRO, Raphael Fernando. A religião no ambiente prisional brasileiro: um caminho para a ressocialização. Conteúdo Jurídico, Brasília, DF: 06 out. 2012. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.39858&seo=1>. Acesso em: 10 ago. 2018.

REZENDE, Bruna Falco de. Personalidade Psicopática. 2011. 49 p. Monografia (Bacharelado em Direito)–Universidade Presidente Antônio Carlos, Barbacena, 2011.

RODRIGUES, Mariana Joana Ribeiro. Perfis criminais: validade de uma técnica forense. Portugal: Universidade do Porto, 2010.

RUEDA, Fabián Javier Marin; BATISTA, Ana Cristina Ávila. Escala de avaliação da impulsividade formas A e B: EsAvI-A e EsAvI-B, livro de instruções. São Paulo: Vetor, 2012.

SANTA CATARINA. Secretaria da Segurança Pública. SC fecha 2017 com 981 homicídios dolosos. Em 148 municípios a taxa de assassinatos é zero. 2018. Disponível em: <http://www.ssp.sc.gov.br/index.php/component/content/article/87-noticias/243-sc-fecha-2017-com-981-homicidios-dolosos-em-148-municipios-a-taxa-de-assassinatos-e-zero?Itemid=437>. Acesso em: 26 jan. 2018

SCARDUELLI, Alyce Moreira de Oliveira. Associação entre o uso de drogas ilícitas e crimes de furto e roubo ocorridos no município de Tubarão – SC, no período de 2008 a 2010. Tubarão, 2012.

SCHECHTER, Harold. Serial Killers: anatomia do mal. Rio de Janeiro: DarkSide Books, 2013.

SHINE, Sidney Kiyoshi. Psicopatia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes perigosas: o psicopata mora ao lado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

SILVA, Edevaldo Alves da. Direito penal: parte especial. São Paulo: Bushatsky, 1980.

SISTO, Fernando F. Escala para avaliação de tendência à agressividade: EATA. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2012.

SOARES, Marcos Hirata. Estudos sobre transtornos de personalidade Antissocial e Borderline. Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n. 6, p. 852-858, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n6/21.pdf>. Acesso em: 10 mar. 2018.

SOEIRO, Cristina Branca. Perfis criminais e crime de abuso sexual de crianças. Ousar Integrar – Revista de Reinserção Social e Prova, v. 2, n. 4, p. 49-63, 2009.

TRAPPEL, Gisele Cristine. Perfil psicológico do criminoso e o sistema penitenciário. Curitiba: Juruá, 2013.

VAZ, Cícero E.; ALCHIERI, João C. Z-teste: coletivo e individual – técnica de Zulliger. 3. ed. São Paulo: Hogrefe CETEPP, 2016.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Petry, P., & Sehnem, S. (2018). Traços de psicopatia em detentos que cometeram homicídio doloso. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 239-252. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/19195