Terapias alternativas e a saúde pública

  • Luana Aparecida Less
  • Scheila Beatriz Sehnem

Resumo

O presente estudo foi realizado com o objetivo de trazer a discussão sobre a implantação e a apropriação das práticas alternativas, uma vez que, atualmente, existem poucos estudos identificando o grau de interesse e aceitação dos profissionais da área da saúde envolvidos no SUS a respeito de terapias alternativas e do acolhimento da sociedade em geral, bem como a aceitação das práticas alternativas no campo da Psicologia. O estudo foi realizado nas unidades básicas de saúde de um município do Meio-Oeste catarinense, os dados foram coletados por meio de um questionário com perguntas fechadas e abertas e aplicado a todos os profissionais atuantes de cada unidade. A pesquisa permite concluir que algumas terapias alternativas já estão sendo ofertadas nas unidades básicas de saúde do município, sendo as principais a auriculoterapia e a acupuntura, as quais possuem ainda uma aceitação positiva por parte dos profissionais atuantes nas unidades, porém se encontram em processo de reconhecimento para alguns, visto que a maioria também vem a ser praticante de algumas. Em relação aos conselhos fiscalizadores das profissões, pode-se compreender que a maioria reconhece alguma prática nas atuações dos profissionais, visto que na Psicologia o conselho fiscal tem considerado o crescimento dessas práticas, bem como o interesse dos psicólogos em relação a elas, visto que estão em andamento pesquisas na área, propondo um possível reconhecimento destas para utilização dos psicólogos no oferecimento de serviços.

Palavras-chave: Terapias alternativas. Saúde pública. Tratamento. Prática. Complemento.

Referências

ALMEIDA, Nemésio Dario. A saúde no Brasil, impasses e desafios enfrentados pelo Sistema Único de Saúde – SUS. Rev. Psicol. Saúde, Campo Grande, v. 5, n. 1, jun. 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2177-093X2013000100002>. Acesso em: 10 fev. 2018.

AMENDOLA, Marcia Ferreira. História da construção do Código de Ética Profissional do Psicólogo. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, ago. 2014.

BATES, Don G. Why not call modern medicine alternative? Perspectives in Biology and Medicine, Baltimore (Maryland), v. 43, i. 4, p. 502-518, 2000.

BORGES, Maritza Rodrigues; MADEIRA, Lélia Maria; AZEVEDO, Vivian Mara G. de O. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. Rev. Min. Enferm., v. 1, n. 15, p. 105-113, jan./mar. 2011. Disponível em: <http://www.sofiafeldman.org.br/wp-content/uploads/2011/08/As-pr%C3%A1ticas-integrativas.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2018.

BRASIL. 8ª Conferência Nacional de Saúde. Relatório Final. mar. 1986. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/relatorios/relatorio_8.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2018.

CAMPBELL, Colin. A orientalização do Ocidente: reflexões sobre uma nova teodicéia para um novo milênio. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 5-21, 1997.

CARVALHO, Gilson. A Saúde Pública no Brasil. Estudos Avançados, v. 27, n. 78, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v27n78/02.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2018.

CAVALHEIRO, Carla Maria Frezza. Espiritualidade na clínica psicológica: um olhar sobre a formação acadêmica no Rio Grande do Sul. Dissertação. 2010 (Mestrado em Psicologia Clínica)–Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2010.

CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES E SAÚDE PÚBLICA, 1., 2018. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: <http://congrepics.saude.gov.br/#!/#principal>. Acesso em: 10 fev. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução 0500. Rio de Janeiro, 08 dez. 2015. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-05002015_36848.html>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução 127. Rio de Janeiro, 19 mar. 1997. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-1971997_4253.html>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução 326. Rio de Janeiro, 10 abr. 2008. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/resoluao-cofen-n-3262008_5414.html>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Resolução Conselho Federal de

Odontologia CFO n. 164, de 24 de novembro de 2015. 2015a. Disponível em: <http://www.normaslegais.com.br/legislacao/Resolucao-cfo-164-2015.htm>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Resolução Conselho Federal de Odontologia CFO n. 165, de 24 de novembro de 2015. 2015b. Disponível em: <http://www.nota10.com.br/resolcfo165.pdf>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Resolução Conselho Federal de Odontologia CFO n. 166, de 24 de novembro de 2015. 2015c. Disponível em: <https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=313364>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de Ética Profissional dos Psicólogos. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 1987a.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP n. 002/87. Código de Ética Profissional do Psicólogo. VI Plenário, Brasília, DF: CFP, 1987b.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP n. 010/1975. Código de Ética Profissional do Psicólogo. I Plenário. Brasília, DF: CFP, 1975.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP n. 010/2005. Código de Ética Profissional do Psicólogo. XIII Plenário. Brasília, DF: CFP, 2005.

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA. Para CFM, práticas integrativas incorporadas ao SUS não têm fundamento científico. CRM-PR, 13 mar. 2018. Disponível em: <http://www.crmpr.org.br/Para-CFM-praticas-integrativas-incorporadas-ao-SUS-nao-tem-fundamento-cientifico-11-48866.shtml>. Acesso em: 23 ago. 2018.

CONGRESSO REGIONAL DE PSICOLOGIA, 2., 1996, Belo Horizonte. Subsídios para os Encontros Preparatórios. Belo Horizonte: Conselho Regional de Psicologia, 1996.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA. Pesquisas em andamento. 12ª região. Florianópolis, [entre 2010 e 2017]. Disponível em: <http://www.crpsc.org.br/pesquisas-em-andamento>. Acesso em: 17 ago. 2018.

DECLARAÇÃO DE ALMA ATA. Conferência Internacional Sobre Cuidados Primários de Saúde alma-ata. Rússia, 6-12 set. 1978.

HILL, Ann. Guia das medicinas alternativas: todos os sistemas de cura natural. In: TROVO, Monica Martins; SILVA, Maria Júlia Paes da; LEÃO, Eliseth R. Terapias alternativas/complementares no ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 11, n. 4, p. 483-489, 2003.

HIRYE, Helena M. C. de Moura. II Congresso nacional da psicologia e práticas alternativas. In: RODRIGUES, Cassia Regina; HIRYE, Helena M. C. de Moura; SALAZAR, Roberto M. (Org.). Práticas alternativas: campo da psicologia? São Paulo: Conselho Regional de Psicologia, 1998. p. 29-40.

JACONODINO, Camila Bittencourt; AMESTOY, Simone Coelho; THOFERN, Maira Buss. A utilização de terapias alternativas por pacientes em tratamento quimioterápico. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 13, p. 61-66, jan./mar. 2008. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/4836/483648978008.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2018.

JUNIOR, Emílio Telesi. Práticas integrativas e complementares em saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud. av., São Paulo, v. 30, n. 86, jan./abr. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000100099>. Acesso em: 09 fev. 2018.

LUZ, Madel T. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século X. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 13-43. 1997. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000100099X>. Acesso em: 09 fev. 2018.

LUZ, Madel T. Novos saberes e práticas em saúde coletiva: estudo sobre racionalidades médicas e atividades corporais. São Paulo: Hucitec, 2003.

MARQUES, Luciene Alves Moreira et al. Atenção Farmacêutica e Práticas Integrativas e Complementares no SUS: conhecimento e aceitação por parte da população sãojoanense. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 663-674, 2011.

MARQUES, Luciene Alves Moreira; VALE, Flávia Vanessa Vieira Ribeiro; MARQUES, L. F. Práticas alternativas em psicoterapia num cenário de mudança de paradigma. 2000. Dissertação de mestrado não publicada.

MARSIGLIA, Regina Maria Giffoni. Perfil dos Trabalhadores da Atenção Básica em Saúde no Município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saúde Soc., São Paulo, v. 20, n. 4, p. 900-911, 2011.

MEDEIROS, Sônia Lima. Práticas terapêuticas não-convencionais usadas por idosos. 1997. 197 p. Tese (Doutorado em Saúde Pública)–Universidade de São Paulo, Faculdade de Saúde Pública, São Paulo, 1997.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção Básica. Glossário temático: práticas integrativas e complementares em saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. 2. ed. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS - PNPIC-SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção Básica. Publicação acrescenta mais sete novos procedimentos no SUS. 2017a. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/noticias.php?conteudo=_&cod=2297>. Acesso em: 08 ago. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n. 849, de 27 de março de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mar. 2017. Disponível em: <https://www.lex.com.br/legis_27357131_PORTARIA_N_849_DE_27_DE_MARCO_DE_2017.aspx>. Acesso em: 08 ago. 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. 2006. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html>. Acesso em: 09 fev. 2018.

NETO, Carlos Daniel; DENDASCK, Carla; OLIVEIRA, Euzébio de. A evolução histórica da Saúde Pública. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 1, n. 1, p. 52-67, mar. 2016.

PAGLIARO, Graciela; LUZ, Hylton. Política Nacional de Práticas Complementares e Integrativas: o caso da Homeopatia. Rio de Janeiro: ABMH, 2001. Disponível em: <http://gemhca.org.br/divulgação.htm>. Acesso em: 14 jan. 2018.

PAIM, Jairnilson et al. Saúde no Brasil. The Lancet, v. 9779, n. 377, p. 1778-1797, 21 maio 2011. Disponível em: <http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(11)60054-8/fulltext#article_upsell>. Acesso em: 12 fev. 2018.

PAUL, Patrick. Saúde e transdisciplinaridade. São Paulo: Edusp, 2013.

QUEIROZ, Marcus S. O itinerário rumo às medicinas alternativas: uma análise em representações sociais de profissionais da saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 363-375, abr./jun. 2000.

QUEIROZ, Marcus S. O sentido do conceito de medicina alternativa e movimento vitalista: uma perspectiva teórica introdutória. In: NASCIMENTO, Marilene Cabral (Org.). As duas faces da montanha: estudos sobre medicina chinesa e acupuntura. São Paulo: Hucitec, 2006. p. 17-39.

SCHVEITZER, Mariana Cabral; ESPER, Marcos Venicio; SILVA, Maria Júlia Paes da. Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária em Saúde: em busca da humanização do cuidado. O Mundo da Saúde, São Paulo, v. 36, n. 3, p. 442-451, 2012. Disponível em:

<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mundo_saude/praticas_integrativas_complementares_atencao_primaria.pdf>. Acesso em: 05 mar. 2018.

SILVA, Maria Júlia Paes da; GIMENES, Olympia M. Piedade V. Florais: uma alternativa saudável – pesquisas revelam tratamentos e resultados dessa terapia. São Paulo: Gente, 1999.

SOUZA, Eduardo F. Alexander Amaral de; LUZ, Madel Therezinha. Bases socioculturais das práticas terapêuticas alternativas. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, Rio e Janeiro, v. 16, n. 2, p. 393-405, abr./jun. 2009. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=386138044007>. Acesso em: 11 fev. 2018.

SOUZA, Valéria Tiveron de. Enfermeiros que trabalham com terapias complementares: conhecendo sua prática. 2000. Dissertação (Mestrado em Enfermagem)–Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2000.

TAVARES, Fátima Regina Gomes. Legitimidade terapêutica no Brasil contemporâneo: as terapias alternativas no âmbito do saber psicológico. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, jul./dez. 2003.

TEIXEIRA, Marcus Zulian. A ciência das formas peculiares de curar. Jornal da USP, v. 20, n. 718, 2005. Disponível em:

<http://www.usp.br/jorusp/arquivo/2005/jusp718/pag0405.htm>. Acesso em: 16 jan. 2018.

TROVÓ, Monica Martins; SILVA, Maria Júlia Paes da. Terapias alternativas/complementares – a visão do graduando de enfermagem. Rev. Esc. Enferm., USP, v. 36, n. 1, p. 80-87, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Traditional Medicine Strategy 2002-2005. Geneva, 2002.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Less, L., & Sehnem, S. (2018). Terapias alternativas e a saúde pública. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 219-238. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/19178