Psicopatia: um estudo com detentas

  • Fabiana Hensel Fritzen UNOESC
  • Scheila Beatriz Sehnem UNOESC

Resumo

A psicopatia é um transtorno de personalidade caracterizado por comportamentos específicos que iniciam na infância e perpassam durante toda a vida adulta. Pessoas com esse transtorno costumam apresentar traços como agressividade, falta de empatia, ausência de culpa ou remorso e impulsividade, características que dificultam seu diagnóstico, principalmente pelo fato de não haver um instrumento específico para investigação e identificação de tal, cuja prevalência é significativa na população, sobretudo, a carcerária. Com este trabalho de investigação objetivou-se verificar a presença de traços de psicopatia em detentas condenadas pelo crime hediondo de homicídio qualificado em um presídio do Meio-Oeste catarinense. Tais dados foram obtidos por meio da aplicação dos testes psicológicos Pirâmides coloridas de Pfister e Palográfico, e da realização de uma entrevista semiestruturada. Participaram desta pesquisa cinco mulheres, de um total de cinco, que se encontravam reclusas pela prática do crime de homicídio durante período de coleta dos dados. Os dados revelam que as detentas apresentam características da psicopatia, como impulsividade, falta de empatia, tendência à falsidade e ausência de culpa ou remorso, no entanto não se enquadram no transtorno por não apresentarem essas características desde a infância e/ou adolescência. Esse dado permite correlacionar o resultado da pesquisa às evidências literárias de menores índices de diagnóstico de psicopatia em mulheres.

Palavras-chave: Psicopatia. Homicídio. Mulheres.

Referências

ALVES, Irai Cristina Boccato; ESTEVES, Cristiano. O teste palográfico na avaliação da personalidade. 2. ed. São Paulo: Vetor, 2009.

AMBIEL, Rodolfo Augusto Matteo. Diagnóstico de Psicopatia: a avaliação psicológica no âmbito judicial. Psico-USF, v. 11, n. 2, p. 265-266, jul./dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pusf/v11n2/v11n2a15.pdf>. Acesso em: 24 set. 2016.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. Tradução Maria Inês Corrêa Nascimento et al. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014. Tradução de: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders.

BRASIL. Lei n. 8.072, de 25 de julho de 1990. Dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, e determina outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jul. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8072.htm>. Acesso em: 24 set. 2016.

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 08 dez. 1940. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm>. Acesso em: 24 set. 2017.

DAVOGLIO, Tárcia Rita; ARGIMON, Irani Iracema de Lima. Avaliação de comportamentos anti-sociais e traços psicopatas em Psicologia Forense. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 9, n. 1, p. 111-118, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1677-04712010000100012&script=sci_arttext>. Acesso em: 10 set. 2016.

DAYNES, Kerry; FELLOWES, Jessica. Como identificar um psicopata: cuidado! Ele pode estar mais perto do que você imagina. São Paulo: Cultrix, 2012.

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. Relatórios Estatísticos-Analíticos do sistema prisional no Brasil. Ministério da Justiça, Brasília, DF, dez. 2014. Disponível em: <http://www.justica.gov.br/seus-direitos/politica-penal/transparencia-institucional/estatisticas-prisional/relatorios-estatisticos-analiticos-do-sistema-prisional>. Acesso em: 20 set. 2017

FRANÇA, Fabíolla dos Santos. A influência familiar no comportamento agressivo infantil. Maringá, 2015. Disponível em: <http://www.dfe.uem.br/TCC-2015/Fabiolla_Santos.pdf>. Acesso em: 18 out. 2017.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Ministério da Justiça, São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www.agenciapatriciagalvao.org.br/dossie/wp-content/uploads/2015/10/9-Anuario-Brasileiro-de-Seguranca-Publica-FSB_2015.pdf>. Acesso em: 5 ago. 2017.

GARRIDO, Vicente. O psicopata: um camaleão na sociedade atual. Tradução Juliana Teixeira. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2011. Tradução de: El psicópata: un camaleón en la sociedad actual. (Coleção Aspectos da Psicologia).

GOMES, Cema Cardona; ALMEIDA, Rosa Maria Martins. Psicopatia em homens e mulheres. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 62, n. 1, abr. 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672010000100003>. Acesso em: 30 set. 2016.

HAUCK FILHO, Nelson; TEIXEIRA, Marco Antônio Pereira; DIAS, Ana Cristina Garcia. Psicopatia: o construto e sua avaliação. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 8, n. 3, p. 337-346, 2009. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1677-04712009000300006&script=sci_arttext>. Acesso em: 17 set. 2016.

HARE, Robert D. Sem consciência: o mundo perturbador dos psicopatas que vivem entre nós. Tradução Denise Regina de Sales. Porto Alegre: Artmed, 2013. Tradução de: Without Conscience: The Disturbing World of the Psychopaths.

IBGE. Censo Demográfico 2010: Resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/00000008473104122012315727483985.pdf>. Acesso em: 05 ago. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Reincidência criminal no Brasil: relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Justiça, 2015. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/destaques/arquivo/2015/07/572bba385357003379ffeb4c9aa1f0d9.pdf>. Acesso em: 15 ago. 2017.

MALTA, Deborah Carvalho et al. Mortalidade e anos de vida perdidos por violências interpessoais e autoprovocadas no Brasil e Estados: análise das estimativas do Estudo Carga Global de Doença, 1990 e 2015. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 20, suppl. 1, May. 2017. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2017000200142&lang=pt>. Acesso em: 24 ago. 2017.

MORAES, Paulo Costivelli; DALGALARRONDO, Paulo. Mulheres encarceradas em São Paulo: saúde mental e religiosidade. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro, v. 55, n. 1, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0047-20852006000100007&lang=pt>. Acesso em: 10 ago. 2017.

MORANA, Hilda C. P.; STONE, Michael H.; ABDALLA-FILHO, Elias. Transtornos de personalidade, psicopatia e serial killers. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 28, sup. 2, p. 575-579, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462006000600005>. Acesso em: 10 set. 2013.

SERAFIM, Antonio de Pádua; SAFFI, Fabiana. Psicologia e Práticas Forenses. Barueri: Manole, 2012. 247 p.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mentes Perigosas: o psicopata mora ao lado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008. 218 p.

SILVA, Elizabete Bianca Tinoco. Mecanismos de defesa do ego. 2010. Disponível em: <http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0212.pdf>. Acesso em: 05 out. 2017.

SOEIRO, Cristina; GONÇALVES, Rui Abrunhosa. O estado de arte do conceito de psicopatia. Análise Psicológica, Lisboa, v. 28, n. 1, p. 227-240, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.gpeari.mctes.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312010000100016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 24 set. 2016.

SOUZA, Felipe. A Personalidade para a Psicanálise. 2013. Disponível em: <http://www.psicologiamsn.com/2011/12/personalidade-na-psicanalise.html>. Acesso em: 19 out. 2017.

STRIEDER, Roque. Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa. Joaçaba: Ed. Unoesc, 2009.

TAVARES, Ricardo et al. Homicídios e vulnerabilidade social. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, mar. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232016000300923&lang=pt#B2>. Acesso em: 23 ago. 2017.

TRINDADE, Jorge; BEHEREGARAY, Andréa; CUNEO, Mônica Rodrigues. Psicopatia: a máscara da justiça. São Paulo: Livraria do Advogado, 2009.

VASCONCELLOS, Silvio José Lemos et al. A cognição social dos psicopatas: achados científicos recentes. Estud. psicol., Campinas, v. 34, n. 1, jan./mar. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2017000100151&lang=pt>. Acesso em: 03 jun. 2017.

VILLEMOR-AMARAL, Anna Elisa. As pirâmides coloridas de Pfister. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Fritzen, F. H., & Sehnem, S. B. (2018). Psicopatia: um estudo com detentas. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 155-170. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/18851