O processo psicoterapêutico da equoterapia

  • Rafaella Andressa Baretta UNOESC
  • Scheila Beatriz Sehnem UNOESC

Resumo

A equoterapia é um método terapêutico interdisciplinar que utiliza o cavalo como recurso para auxiliar em tratamentos e reabilitações, e, nesse contexto, a Psicologia é inserida para proporcionar melhoria da qualidade de vida de seus praticantes. Na pesquisa teve-se como objetivo investigar o perfil sociodemográfico dos profissionais que trabalham com equoterapia, como se efetiva a interdisciplinaridade e o papel da Psicologia no processo terapêutico. O instrumento de pesquisa utilizado foi a entrevista semiestruturada, que abrangeu 12 participantes, em seis centros de equoterapia na mesorregião Oeste de Santa Catarina. Com os resultados, percebe-se que poucas cidades possuem locais que utilizam esse método, sendo que neles o trabalho é realizado com uma equipe mínima, composta por psicólogo e fisioterapeuta. Os profissionais da pesquisa são classificados como adultos jovens, e há predominância feminina. A interdisciplinaridade é considerada fundamental para a realização de um adequado processo de tratamento, além do papel do psicólogo nos atendimentos, na relação com a família e nos aspectos comportamentais. Nessa perspectiva, a equoterapia propicia o desenvolvimento psicológico de seus praticantes e resulta em benefícios, como a melhora da autoestima, do afeto e da socialização.

Palavras-chave: Equoterapia. Psicologia. Interdisciplinaridade.

Referências

BUENO, Rovana Kinas; MONTEIRO, Mariliane Adriana. Prática do psicólogo no contexto interdisciplinar da equoterapia. Vivências, Santo Ângelo: Ed. URI, v. 7, n. 13, p. 172-178, out. 2011. Disponível em: <http://www.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_013/artigos/artigos_vivencias_13/n13_

pdf>. Acesso em: 20 set. 2016.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Psicologia: uma profissão de muitas e diferentes mulheres. Brasília, DF: CFP, 2013.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. Disponível em: <https://professores.faccat.br/moodle/pluginfile.php/13410/mod_resource/content/1/como_elaborar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf>. Acesso em: 25 maio 2017.

GONÇALVES, Rose Helen Ribeiro. Equoterapia e Psicologia: um estudo sobre o papel do psicólogo nessa prática. 2007. 55 p. Dissertação (Bacharel em Psicologia)–Universidade Paulista, Manaus, 2007. Disponível em: <http://equoterapia.org.br/media/artigos-academicos/documentos/25031143.pdf>. Acesso em: 28 set. 2016.

LIMA, Ana Carla de. A representação social da interdisciplinaridade para os profissionais que atuam com equoterapia. 2005. 107 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia)–Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2005. Disponível em: <http://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/7752-a-representacao-social-da-interdisciplinaridade-para-os-profissionais-que-atuam-com-equoterapia.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2017.

MEDEIROS, Mylena; DIAS, Emília. Equoterapia: noções elementares e aspectos neurocientíficos. Rio de Janeiro: Revinter, 2008.

PAPALIA, Diane E.; OLDS, Sally Wendkos; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PRESTES, Daniela Bosquerolli. A equoterapia como recurso da terapia ocupacional. CREFITO10, 2014. Disponível em: <http://www.crefito10.org.br/cmslite/userfiles/file/ARTIGO/A%20EQUOTERAPIA%20COMO%20RECURSO%20DA%20TERAPIA%20OCUPACIONAL.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2017.

SILVA, Ananda Cabral; SOUSA, Cristina Soares de. A utilização da equoterapia no tratamento da Síndrome de Down: uma revisão sistemática. Getec, v. 3, n. 6, p. 68-77, 2014. Disponível em: <http://www.fucamp.edu.br/editora/index.php/getec/article/view/529/382>. Acesso em: 28 set. 2016.

SILVA, Elaine Pereira da; CORDEIRO, Nara Cintia Alves. Psicologia: diferenças de gênero na escolha profissional. Psicologado, set. 2011. Disponível em: <https://psicologado.com/psicologia-geral/psicologia-diferencas-de-genero-na-escolha-profissional>. Acesso em: 15 set. 2017.

SILVA, Josefina Pereira; AGUIAR, Oscar Xavier. Equoterapia em crianças com necessidades especiais. Revista Científica Eletrônica de Psicologia, Garça: FAEF, v. 6, n. 11, nov. 2008. Disponível em: <http://faef.revista.inf.br/imagens_arquivos/arquivos_destaque/pMX6nTKTbW28ch4_2013-5-13-12-35-25.pdf>. Acesso em: 20 set. 2016.

SOUSA, Fernando Henrique de; NAVEGA, Marcelo Tavella. Influência de atividades lúdico-desportivas na realização de equoterapia em pacientes neurológicos – ensaio clínico controlado aleatorizado. ConScientiae Saúde, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 587-597, 2012. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/929/92924959009.pdf>. Acesso em: 08 jun. 2017.

SOUZA, Marjane Bernardy; SILVA, Priscilla de L. N. da. Equoterapia no tratamento do transtorno do espectro autista: a percepção dos técnicos. Revista Ciência e Conhecimento, São Jerônimo: ULBRA, v. 9, n. 1, 2015. Disponível em: <http://cienciaeconhecimento.com.br/Arquivos/Edi%C3%A7%C3%A3o%202015/Souza%20BM_912015.pdf>. Acesso em: 25 set. 2016.

WALTER, Gabriele Brigitte. Equoterapia: fundamentos científicos. São Paulo: Atheneu, 2013.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Baretta, R., & Sehnem, S. (2018). O processo psicoterapêutico da equoterapia. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 115-128. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/18850