Saúde e doença: o novo despertar a partir das constelações familiares

  • Marilda Saccol UNOESC

Resumo

Este artigo traz à luz algumas reflexões acerca da saúde e da doença a partir de uma revisão bibliográfica do trabalho com as constelações familiares, criado pelo terapeuta alemão Bert Hellinger, cuja prática não possui mais de 30 anos no mundo e menos de 10 no Brasil. Nas constelações familiares, há duas leis básicas que emergem: da vida e dos relacionamentos. Nessas leis existe uma compreensão espiritual, conhecida também como o caminho fenomenológico do conhecimento. A família é um sistema equivalente ao nosso corpo físico, mas por termos mobilidade e liberdade perdemos a noção de que fazemos parte de algo maior e temos uma função dentro do sistema. Neste estudo teve-se como objetivo compreender como os emaranhamentos familiares ligados ao destino de nossos ancestrais familiares contribuem para o surgimento de doenças e, até mesmo, a morte. A presença de fatores emocionais inconscientes nos indivíduos, muitas vezes, não permite que os laços de amor se desfaçam, e por permanecer leal a um sistema surge a doença ou a morte como solução. Diante da pesquisa evidenciou-se que as constelações familiares, mediante o movimento de intervenção terapêutica, permitem acesso a informações inconscientes, liberando os bloqueios das relações intergeracionais e intrageracionais. Os resultados desta revisão permitiram conhecer melhor a relação da saúde e doença e o trabalho prático das constelações familiares no auxílio destas, por meio de uma visão integral e profunda da realidade humana, transcendendo as dimensões psicofísicas e tocando a dimensão espiritual inerente à natureza humana e à vida.

Palavras-chave: Constelações familiares. Saúde. Doença.

Referências

BOSZORMENYI-NAGY, Ivan. Psicologia e memória. New York: Brunner/Mazel Trade, 1987.

CHIOZZA, Luis A. Os sentimentos ocultos em doenças. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

DAHLKE, Rudiger. A doença como linguagem da alma: os sintomas como oportunidades de desenvolvimento. São Paulo: Cultrix, 2007.

DETHLEFSEN, Thorwald. A doença como caminho. uma visão da cura como ponto de mutação em que um mal se deixa transformar em bem. São Paulo: Cultrix, 2007.

FRANKE, Ursula. Quando fecho os olhos vejo você. As constelações familiares no atendimento individual. Patos de Minas: Atman, 2006.

HAUSNER, Stephan. Constelações familiares e o caminho da cura. São Paulo: Cultrix, 2008.

HELLINGER Bert. Histórias de amor. Minas Gerais: Atman, 2007a.

HELLINGER Bert. O amor do espírito. São Paulo: Atman, 2012.

HELLINGER Bert. Ordens do amor. São Paulo: Cultrix, 2007b.

HELLINGER Bert. Ordens do amor: um guia para o trabalho com constelações familiares. São Paulo: Cultrix, 2003.

HELLINGER, Bert. Simetria oculta. São Paulo: Cultrix, 2006.

MANNÉ, Joy. As constelações familiares em sua vida diária. São Paulo: Cultrix, 2008.

NEUHAUSER, Johannes. Para que o amor dê certo. São Paulo: Cultrix, 2006.

SCHNEIDER, Jakob Robert. A prática das constelações familiares. Tradução Newton A. Queiroz. Patos de Minas: Atman, 2007.

SCHUTZENBERGER, Anne Ancelin. Ay, mis ancestros. Buenos Aires: Omeba, 2002.

Publicado
14-11-2018
Como Citar
Saccol, M. (2018). Saúde e doença: o novo despertar a partir das constelações familiares. Pesquisa Em Psicologia - Anais eletrônicos, 209-218. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/pp_ae/article/view/17602