Efetividade da reabilitação vestibular nas doenças labirínticas

  • Luana Curzel da Cunha UNOESC
  • Thais Gomes de Almeida UNOESC
  • Maria Esther Duran Traverso UNOESC
  • Nedi Mello dos Santos Magagnin
  • Geovana Téo Zamprogna Unoesc
  • Patricia Heller Unoesc
  • Adarly Kroth UNOESC-JBA

Resumo

Desde os primórdios a população sofre com sintomas como tontura, náuseas e vertigem, os quais estão relacionados com patologias que afetam o sistema vestibular, como a doença de Merniere e a Vertigem Posicional Paroxística Benígna (VPPB), patologia que ocasiona diversas alterações no equilíbrio e postura de seus portadores. O tratamento medicamentoso é o mais utilizado, mas muitos estudos vêm demonstrando a eficácia da reabilitação vestibular no tratamento das VPPB. Neste estudo teve-se como objetivo analisar a eficácia do tratamento fisioterapêutico das VPPB em uma clínica do Norte do Rio Grande do Sul. O estudo foi realizado com base na análise dos prontuários dos pacientes com diagnóstico de VPPB que realizaram sessões de reabilitação vestibular. Foram avaliados idade, gênero, tipo de VPPB, manobra utilizada, número de sessões, comorbidades associadas, profissão, medicação e sintomas. A amostra foi constituída por 321 prontuários. Os resultados demonstraram a prevalência de indivíduos do sexo feminino (66%), com idade média de 55 anos e que realizam atividade laborativa; destes, 20% relatavam vertigem como queixa principal. O principal tipo de VPPB foi de canal posterior. Entre as técnicas terapêuticas mais utilizadas verificou-se que a manobra de Epley foi a mais utilizada em uma única sessão. A reabilitação vestibular é eficaz como tratamento, devido a seus resultados significativos durante uma única sessão. Estudos relacionados ao tema ainda não escassos, demostrando a necessidade de mais estudos nessa área.

Palavras-chave:  Sistema vestibular. Reabilitação. Labirintite.

Referências

AGUIAR, Ana Ide et al. Aspectos clínicos e terapêuticos da Vertigem Postural Paroxística Benigna (VPPB): um estudo de revisão. Rev. Ciência em Movimento, n. 23, 2010.

ALVARENGA, G. A.; BARBOSA, M. A.; PORTO, C. C. Vertigem posicional paroxística benigma sem nistagmo: diagnóstico e tratamento. Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 77, n. 6, p. 799-804, 2011.

BITTAR, R. S. M. et al. Prevalência das alterações metabólicas em pacientes portadores de queixas vestibulares. Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 69, n. 1, p. 64-68, jan./fev. 2003.

DORIGUETO, R. S.; GANANÇA, M. M.; GANANÇA, F. F. Quantas manobras são necessárias para abolir o nistagmo na vertigem posicional paroxística benigna? Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 71, n. 6, p. 769-775, nov./dez. 2005.

GANANÇA, F. F. et al. Interferência da tontura na qualidade de vida de pacientes com síndrome vestibular periférica. Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 70, n. 1, p. 94-101, jan./fev. 2004.

GANS, R. E.; HARRINGTON-GANS, P. Efficacy of benignal paroxysmal positional vertigo (BPPV) with repositioning maneuver and Semont liberatory maneuver in 376 patients. Semin in Hear, v. 23, i. 2, p. 129-142, 2002.

GAZZOLA, J. M. et al. O envelhecimento e o sistema vestibular. Rev. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 18, n. 3, p. 39-48, jul./set. 2005.

GAZZOLA, J. M. et al. Clinical evaluation of elderly people with chronic vestibular disorder. Rev. Bras. Otorrinolaringol., v. 72, n. 4, p. 515-522, 2006.

HERDMAN, S. J. Reabilitação vestibular. 2. ed. São Paulo: Manole, 2002.

KORN, G. et al. Manobra de Epley repetida em uma mesma sessão na vertigem posicional paroxística benigna. Rev. Bras. Otorrinolaringol., São Paulo, v. 73 n. 4, p. 1-12, 2007.

MAIA, R. A.; DINIZ, F. L.; CARLESSE, A. Manobras de reposicionamento no tratamento da vertigem paroxística posicional benigna. Braz J Otorhinolaryngol., São Paulo, v. 67, n. 5, Sep. 2001.

MANSO, A. et al. Achados à prova calórica e canal semicircular acometido na vertigem posicional paroxística benigna. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol., v. 14, n. 1, p. 91-97, 2009.

MARCHIORI, L. L. de M. et al. Manobra de Epley na Vertigem Posicional Paroxística Benigna: Relato de Série de Casos. Arq. Int. Otorrinolaringol. / Intl. Arch. Otorhinolaryngol., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 151-155, 2011.

MOREIRA, D. A. et al. Estudo do Handicap em Pacientes com Queixa de Tontura, Associada ou Não ao Sintoma Zumbido. Arq. Int. Otorrinolaringol./Intl. Arch. Otorhinolaryngol., São Paulo, v. 10, n. 4, p. 270-277, 2006.

MUNARO, G.; SILVEIRA, A. F. da. Avaliação vestibular na vertigem posicional paroxística benigna típica e atípica. Rev. CEFAC, v. 11, Supl. 1, p. 76-84, 2009.

PEREIRA, L. da S. Reabilitação vestibular em paciente com vertigem posicional paroxística benigna (vppb) com apenas uma intervenção fisioterapêutica: relato de caso. Revista Movimenta, v. 3, n. 2, 2010.

POWERS, S. K.; HOWLEY, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 3. ed. São Paulo: Manole, 2000.

PURVES, D. et al. Neurociências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

RESENDE, C. R et al. Reabilitação vestibular em pacientes idosos portadores de vertigem posicional paroxística benigna. Braz J Otorhinolaryngol., v. 69, n. 4, p. 34-38, jul./ago. 2003.

SILVA, A. L. dos S. et al. Vertigem Posicional Paroxística Benigna: comparação de duas recentes diretrizes internacionais. Braz J Otorhinolaryngol., v. 77, n. 2, p. 191-200, 2011.

Publicado
08-05-2018
Como Citar
Cunha, L. C. da, Almeida, T. G. de, Traverso, M. E. D., Magagnin, N. M. dos S., Zamprogna, G. T., Heller, P., & Kroth, A. (2018). Efetividade da reabilitação vestibular nas doenças labirínticas. Fisioterapia Em Ação - Anais eletrônicos, 41-50. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/fisioterapiaemacao/article/view/16910
Edição
Seção
Artigos