Diversidade de invertebrados edáficos ao redor do reservatório de uma pequena central hidrelétrica no Sul do Brasil

Autores

  • Wanessa Scopel
  • Victor Wilson Botteon https://orcid.org/0000-0002-2660-3796
  • Mayara Ribeiro de Araújo
  • Eduardo Luiz Scopel
  • Margarida Flores Roza-Gomes
  • Peterson Fernando Schaedler

DOI:

https://doi.org/10.18593/eba.28131

Palavras-chave:

Biodiversidade, Impacto ambiental, Pitfall traps, Números de Hill

Resumo

Visando atender à crescente demanda de energia elétrica, tem-se investido consideravelmente na construção de usinas hidrelétricas no Brasil. O impacto ambiental causado por esses empreendimentos tem sido significativos, especialmente sobre a fauna terrestre. Para avaliar a diversidade de invertebrados edáficos, realizou-se um estudo em área próxima ao reservatório da pequena central hidrelétrica de Flor do Sertão, Santa Catarina, Brasil, contemplando três distâncias (5, 15 e 30 metros) da região alagada. Durante os meses de dezembro de 2010 a junho de 2011 foram realizados levantamentos de invertebrados edáficos com armadilhas de solo do tipo Pitfall. A diversidade de invertebrados coletados em cada distância foi comparada e calculada pelos números de Hill. A dinâmica durante o período de coleta foi estudada pelo exponencial do índice Shannon e inverso do índice de Simpson, e correlacionadas variáveis climáticas à diversidade de invertebrados. Foram coletados 14.074 indivíduos de 24 grupos taxonômicos (Ordem). As análises em função do tamanho e cobertura amostral mostraram poucas diferenças na diversidade de invertebrados entre as distâncias. Valores de riqueza e diversidade de grupos comuns são semelhantes para todas as distâncias. Há tendência de redução na dinâmica de diversidade de indivíduos comuns, com um acentuado declínio em junho. A diversidade de invertebrados do solo apresentou alta correlação com as temperaturas e não houve correlação com a pluviosidade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva Jr NJ, Silva HLR, Costa MC, Buononato MA, Tonial MLS, Ribeiro RS, et al. Avaliação preliminar da fauna silvestre terrestre do vale do rio Caiapó, Goiás: Implicações para a conservação da biodiversidade regional. Rev EVS – Revista Ciências Ambient e Saúde. 2007; 34(6):1057-94.

Leão LL. Considerações sobre impactos socioambientais de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs): modelagem e análise [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2008.

Aneel. Levantamento de estudos de inventário aprovados em 2006 revela potencial hidrelétrico de 6 mil megawatts. Informativo semanal. 2007; 254.

Lavelle P, Dangerfield M, Fragoso C, Eschenbrenner V, Lopez-Hernandez D, Pashanasi B, et al. The relationship between soil macrofauna and tropical soil fertility. Biol Manag Trop soil Fertil. 1994;137-69.

Lavelle P. Diversity of soil fauna and ecosystem function. Biol Int. 1996;33(3.16).

Nunes LAPL, Araújo Filho JA, Queiroz Menezes RÍ. Diversidade da fauna edáfica em solos submetidos a diferentes sistemas de manejo no semi-árido nordestino. Sci Agrar. 2009;10(1):43-9.

Losey JE, Vaughan M. The economic value of ecological services provided by insects. Bioscience. 2006;56(4):311-23.

Dirzo R, Young HS, Galetti M, Ceballos G, Isaac NJB, Collen B. Defaunation in the anthropocene. Science (80- ). 2014;345(6195):401-6.

Berude M, Galote JK, Pinto PH, Amaral A. A mesofauna do solo e sua importância como bioindicadora. Enciclopédia Biosf. 2015;11(22).

Leivas FWT, Carneiro E. Utilizando os hexápodes (Arthropoda, Hexapoda) como bioindicadores na biologia da conservação: avanços e perspectivas. Estud Biol. 2012;34(83).

Barros YJ, Melo VF, Sautter KD, Buschle B, Oliveira EB, Azevedo JCR, et al. Indicadores de qualidade de solos de área de mineração e metalurgia de chumbo: II-Mesofauna e plantas. Rev Bras Ciência do Solo. 2010;34:1413-26.

Oliveira MA, Gomes CFF, Pires EM, Marinho CGS, Della Lucia TMC. Bioindicadores ambientais: insetos como um instrumento desta avaliação. Rev Ceres. 2014;61:800-7.

Rovedder APM, Eltz FLF, Drescher MS, Schenato RB, Antoniolli ZI. Organismos edáficos como bioindicadores da recuperação de solos degradados por arenização no Bioma Pampa. Ciência Rural. 2009;39:1051-58.

Silveira Neto S, Monteiro RC, Zucchi RA, De Moraes RCB. Uso da análise faunística de insetos na avaliação do impacto ambiental. Sci agrícola. 1995;52:9-15.

Fahrig L. Effects of habitat fragmentation on biodiversity. Annu Rev Ecol Evol Syst. 2003;34(1):487-515.

Carvalho CJB. Padrões de endemismos e a conservação da biodiversidade. Megadiversidade. 2009;5(1-2):77-86.

Niebuhr BBS, Wosniack ME, Santos MC, Raposo EP, Viswanathan GM, Da Luz MGE, et al. Survival in patchy landscapes: the interplay between dispersal, habitat loss and fragmentation. Sci Rep. 2015;5(1):1-10.

Jost L, DeVries P, Walla T, Greeney H, Chao A, Ricotta C. Partitioning diversity for conservation analyses. Divers Distrib. 2010;16(1):65-76.

Cherem JJ. Caracterização do empreendimento e dos estudos faunísticos. In: Cherem JJ, Kammers M, editores. A fauna das áreas de influência da Usina Hidrelétrica Quebra Queixo. Erechim, RS: Habilis; 2008. p. 192.

Coelho SJ, Pereira JAA. A paisagem na área de influência da Usina Hidrelétrica do Funil (UHE-FUNIL), percebida através do EIA-RIMA. Paisag e Ambient. 2010;(28):133-48.

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves JLM, Sparovek G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorol Zeitschrift. 2013;22(6):711-28.

Aquino AM, Aguiar-Menezes EL, Queiroz JM. Recomendações para coleta de artrópodes terrestres por armadilhas de queda (“ Pitfall-Traps”). Embrapa Agrobiol Técnica; 2006.

Borror DJ, Delong DM. Introdução ao estudo dos insetos. São Paulo: Edgard Blücher; 1988.

Amaral ACZ, Rizzo AE, Arruda EP. Manual de identificação dos invertebrados marinhos da região sudeste-sul do Brasil. São Paulo: EdUSP; 2006. vol. 1.

Araújo EA, Ribeiro GA. Impactos do fogo sobre a entomofauna do solo em ecossistemas florestais. Nat Desenvolv. 2005;1(1):75-85.

Hsieh TC, Ma KH, Chao A. iNEXT: an R package for rarefaction and extrapolation of species diversity (H ill numbers). Methods Ecol Evol. 2016;7(12):1451-56.

Chao A, Gotelli NJ, Hsieh TC, Sander EL, Ma KH, Colwell RK, et al. Rarefaction and extrapolation with Hill numbers: a framework for sampling and estimation in species diversity studies. Ecol Monogr. 2014;84(1):45-67.

Team RC. R: A language and environment for statistical computing. 2013.

Hammer Ø, Harper DAT, Ryan PD. PAST-palaeontological statistics, ver. 1.89. Palaeontol electron. 2001;4(1):1-9.

Cassagne N, Gauquelin T, Bal-Serin M-C, Gers C. Endemic collembola, privileged bioindicators of forest management. Pedobiologia (Jena). 2006;50(2):127-34.

Baretta D, Ferreira CS, Sousa JP, Cardoso EJBN. Colêmbolos (Hexapoda: Collembola) como bioindicadores de qualidade do solo em áreas com araucaria angustifolia. Rev Bras Ciência do Solo. 2008;32:2693-99.

Martins CF, Zanella FCV, Quinet YP. Diversidade de artrópodes em áreas prioritárias para conservação da Caatinga. In: Araújo FS, Rodal MJN, Barbosa MRV, editores. Análise das variações da biodiversidade do bioma caatinga: suporte a estratégias regionais de conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente; 2005. p. 446.

Wink C, Guedes JVC, Fagundes CK, Rovedder AP. Insetos edáficos como indicadores da qualidade ambiental. Rev Ciências Agroveterinárias. 2005;4(1):60-71.

Dias MFR, Brescovit AD, Menezes M. Aranhas de solo (Arachnida: Araneae) em diferentes fragmentos florestais no sul da Bahia, Brasil. Biota Neotrop. 2005;5:141-50.

Prieto-Benítez S, Méndez M. Effects of land management on the abundance and richness of spiders (Araneae): a meta-analysis. Biol Conserv. 2011;144(2):683-91.

Pereira RC, Albanez JM, Mamédio IMP. Diversidade da meso e macrofauna edáfica em diferentes sistemas de manejo de uso do solo em Cruz das Almas-BA. Magistra. 2012;24(2):63-76.

Nakamura A, Proctor H, Catterall CP. Using soil and litter arthropods to assess the state of rainforest restoration. Ecol Manag Restor. 2003;4:S20-8.

Riggins JJ, Davis CA, Hoback WW. Biodiversity of belowground invertebrates as an indicator of wet meadow restoration success (Platte River, Nebraska). Restor Ecol. 2009;17(4):495-505.

Quadros AF, Araujo PB. An assemblage of terrestrial isopods (Crustacea) in southern Brazil and its contribution to leaf litter processing. Rev Bras Zool. 2008;25:58-66.

Silva GT. Diversidade de Mollusca nos costões rochosos da Praia da Ribanceira, município de Imbituba, Santa Catarina, Brasil. Santa Catarina: Unesc; 2008.

Jost L. Entropy and diversity. Oikos. 2006;113(2):363-75.

Hill MO. Diversity and evenness: a unifying notation and its consequences. Ecology. 1973;54(2):427-32.

Chiu C-H, Chao A. Distance-based functional diversity measures and their decomposition: a framework based on hill numbers. PLoS One. 2014;9(7):e100014.

Sinclair BJ, Vernon P, Klok CJ, Chown SL. Insects at low temperatures: an ecological perspective. Trends Ecol Evol. 2003;18(5):257-62.

Botteon VW. Perspectivas de uso de insetos bioindicadores ambientais em trabalhos periciais. Brazilian J Forensic Sci Med Law Bioeth. 2016;5(4):383-401.

Magurran AE, Baillie SR, Buckland ST, Dick JM, Elston DA, Scott EM, et al. Long-term datasets in biodiversity research and monitoring: assessing change in ecological communities through time. Trends Ecol Evol. 2010;25(10):574-82.

Chiquetto-Machado PI, Amorim FW, Duarte M. Long-term stability of the hawkmoth fauna (Lepidoptera, Sphingidae) in a protected area of Brazilian Atlantic Rain Forest. J Insect Conserv. 2018;22(2):277-86.

Publicado

2021-12-16

Como Citar

Scopel, W., Botteon, V. W., Araújo, M. R. de, Scopel, E. L., Roza-Gomes, M. F., & Schaedler, P. F. (2021). Diversidade de invertebrados edáficos ao redor do reservatório de uma pequena central hidrelétrica no Sul do Brasil. Evidência, 21(2), 71–84. https://doi.org/10.18593/eba.28131

Edição

Seção

Biociências