Avaliação da qualidade microbiológica de queijos coloniais comercializados em feira livre na cidade de Fraiburgo, SC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/eba.28120

Palavras-chave:

Contaminação, Salmonella, Escherichia coli, Estafilococos

Resumo

O queijo colonial de leite cru é um produto artesanal geralmente comercializado em feiras livres. Portanto, além das condições instáveis de produção, existem outras variantes que afetam sua qualidade sanitária até chegar ao ponto de venda. Devido ao risco potencial de doenças transmitidas por alimentos, o risco de contaminação microbiana é alto, assim o comércio informal de leite e produtos lácteos tem efeitos relacionados na saúde pública. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade microbiológica de queijos coloniais comercializados em feira livre na cidade de Fraiburgo/SC, de forma a verificar se tais produtos obedecem aos parâmetros exigidos na legislação vigente. Durante o período de seis meses (de novembro de 2020 a abril de 2021), foram coletadas mensalmente três amostras de queijo colonial adquiridos em três diferentes produtores na feira livre do município de Fraiburgo, localizado no Meio-Oeste de Santa Catarina. Após coletadas, as amostras foram conduzidas até o setor microbiológico do Laboratório Terranálises (Fraiburgo/SC), onde foram realizadas as análises de Escherichia coli (E. coli), contagem de estafilococos coagulase positiva e pesquisa de Salmonella spp. Com base nos resultados obtidos pode-se afirmar que as 38,89% (7/18) das amostras de queijo colonial não se encontram em acordo com os padrões microbiológicos legais vigentes, sendo que 27,78% (5/18) das amostras estavam em não-conformidade com o padrão de E. coli e 33,3% (6/18) não estavam conforme com o limite máximo aceito para estafilococos coagulase positiva. Contudo, nenhuma das amostras obteve presença para Salmonella spp. Assim, é necessário investir no uso adequado de boas práticas de fabricação em tais produtos, bem como fiscalizar as feiras livres para obediência às normas sanitárias na manipulação higiênica dos alimentos, e capacitar os produtores em relação a forma correta de armazenamento e transporte de seus produtos, para assim garantir sua qualidade desde o campo até a venda ao consumidor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Silva JFQ, Filizola LRS, Maia MMD, Sena MJ. Utilização de coliformes termotolerantes como indicadores higiênico-sanitários de queijo Prato comercializado em supermercados e feiras livres de Recife PE, Brasil. Medicina Veterinária [Internet]. 2008 [acesso em 2021 maio 10]; 1(2):21-25. Disponível em: http://journals.ufrpe.br/index.php/medicinaveterinaria/article/view/713.

Radaelli IM, Pasinato TL. Legislação na produção e comercialização de queijo colonial de leite cru: a importância para a socioeconomia da região oeste de Santa Catarina. SIEPE [Internet]. 2º de setembro de 2020 [acesso em 2021 maio 10]; e25652. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/siepe/article/view/25652.

Carvalho MM. A agroindústria familiar rural e a produção de queijos artesanais no município de Seara, Estado de Santa Catarina – um estudo de caso [dissertação]. Marechal Cândido Rondon: Centro de Ciências Agrárias: Universidade Estadual do Oeste do Paraná; 2015. 53p.

Mattiello CA, Silveira SM, Carli F, Cunha Júnior A, Alessio DRM, Pelizza A et al. Rendimento industrial, eficiência de fabricação e características físico-químicas de queijo colonial produzido de leite com dois níveis de células somáticas. ArqBrasMedVetZootec. 2018; 70(6):1916-24.

Correia M. Características microscópicas de queijos prato, mussarela e mineiro comercializados em feiras livres da Cidade de São Paulo. Rev. Saúde Pública. 1997; 31(3):296-301.

Silva Júnior ACS, Malcher EST, Silva ASS, Nascimento JF, Barroso BS. Perfil de resistência a antimicrobianos de Staphylococcus aureus isolados de queijo manteiga comercializado em feira pública da cidade de Macapá, AP. Rev. Hig. Alimentar. 2017; 31(274):115-9.

Sobrinho PSC, Faria CAM, Pinheiro JS, Almeida HG, Pires CV, Santos AS. Bacteriological Quality of Raw Milk Used for Production of a Brazilian Farmstead Raw Milk Cheese. Foodborne Pathogens and Disease. 2012; 9(2):138–144.

Leite MMD, Lima MG, Reis RB. Ocorrência de Staphylococcus aureus em queijo Minas tipo Frescal. Rev. Hig. Alimentar. 2005; 19(132):89-93.

International Organization for Standardization. ISO/TC 6579-1: Microbiology of the food chain – Horizontal method for the detection, enumeration and serotyping of Salmonella – Part 1: Detection of Salmonella spp. Geneva: ISO; 2017. 48 p.

International Organization for Standardization. ISO/TC 16649-2: Microbiology of food and animal feeding stuffs – Horizontal method for the enumeration of beta-glucuronidase-positive Escherichia coli – Part 2: Colony-count technique at 44 degrees C using 5-bromo-4-chloro-3-indolyl beta-D-glucuronide. Geneva: ISO; 2001. 8 p.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT NBR ISO 6888-1: Microbiologia de alimentos para consumo humano e animal – Método horizontal para enumeração de estafilococos coagulase positiva (Staphylococcus aureus e outras espécies). Rio de Janeiro: ABNT; 2019. 20 p.

Delamare APL, Andrade CCP, Mandelli F, Almeida RC, Echeverrigaray S. Microbiological, Physico-Chemical and Sensorial Characteristics of Serrano, an Artisanal Brazilian Cheese. Food and Nutrition Sciences. 2012; 1(3):1068-75.

Lucas SDM, Scalco A, Feldhaus S, Drunkler DA, Colla E. Padrão de identidade e qualidade de queijos colonial e prato, comercializados na cidade de Medianeira – PR. Rev. Inst. Latic. “Cândido Tostes”. 2012; 67(386):38-44.

Silveira Júnior JF, Oliveira DF, Braghini F, Edenes MSL, Bravo CEC, Tonial IB. Caracterização físico-química de queijos coloniais produzidos em diferentes épocas do ano. Rev. Inst. Latic. “Cândido Tostes”. 2012; 67(386):67-80.

Cabral JS, Dias CR, Argenta NSS, Rodrigues JA, Freitas K, Guedes FF et al. Avaliação do queijo colonial da mesorregião metropolitana de Porto Alegre quanto às suas características físico-químicas. In: Anais do 3º Colóquio Ulbra de Extensão, Pesquisa e Ensino. 2017 Jun 21. Canoas, Brasil.

Guedes F, Cardoso J, Cabral J, Bresolin B, Dias C. Caracterização físico-química do queijo colonial produzido na mesorregião do centro oriental Riograndense. In: Anais do 57° Congresso Brasileiro de Química 2017 Out 23-27. Gramado, Brasil.

Ministério da Saúde. Instrução Normativa nº60/2019. Estabelece as listas de padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União. 2019 Dez 23; 249(seção 1):133.

Silva JG. Características físicas, físico-químicas e sensoriais de queijo de minas artesanal da Canastra [master’s thesis]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2007. 210 p.

Casaril KBPB, Bento CBP, Henning K, Pereira M, Dias VA. Qualidade microbiológica de salames e queijos coloniais produzidos e comercializados na região sudoeste do Paraná. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável. 2017; 7(2):77-85.

Ressutte JB, Stella TR, Pozza MSS, Madrona GS. Análise microbiológica de queijo tipo colonial produzido a partir de leite cru e pasteurizado. In: Anais do 6º Simpósio de Segurança Alimentar. 2018 Mai 15-18. Gramado, Brasil.

Nero LA, Mattos MR, Beloti V, Barros MAF, Ortolani MBT, Franco BDGM. Autochthonous Microbiota of Raw Milk With Antagonistic Activity AgainstListeria Monocytogenes and Salmonella Enteritidis. Journal of Food Safety. 2009; 29: 261–270.

Ribeiro JL. Potencial Tecnológico, Probiótico e Antagonista da Microbiota Lática de Leite de Búfalas [tese]. Brasília: Universidade de Brasília/ Faculdade de Agronomia e Veterinária; 2019. 109 p.

Melo FD, Dalmina KA, Pereira MN, Ramella MV, Neto AT, Vaz EK, Ferraz SM. Avaliação da Inocuidade e Qualidade Microbiológica do Queijo Artesanal Serrano e Sua Relação com as Variáveis Físico Químicas e o Período de Maturação. Acta Scientiae Veterinariae.2013; 41: 1-7.

Tamankievies GP, Zampieron M. Caracterização da maturação do queijo colonial de leite cru produzido em São Miguel do Oeste – SC [undergraduate thesis]. São Miguel do Oeste: Instituto Federal de Santa Catarina; 2019. 30 p.

Mascitti A, Grecellé C, Silva L, Brasil J, Lunge VR. Avaliação da qualidade microbiológica de queijos coloniais produzidos no Rio Grande do Sul. In: Anais do 23º Salão de Iniciação Científica e Tecnológica. 2017. Canoas, Brasil.

Amaral JW, Souza SMO, Ribeiro JL, Poggiani SSC, Ferreira MA. Avaliação da qualidade de queijos de produção informal. Segur. Aliment. Nutr. 2020; 27(1):1-6.

Lages LZ, Gandra TKV, Alves PIC, Gandra EA. Análise microbiológica de queijos coloniais comercializados em feiras no município de Pelotas – RS, Brasil. In: Anais 4ª Semana Integrada UFPel. 2018. Pelotas, Brasil.

Zavaschi CD. Avaliação da qualidade de queijo colonial, mel e melado fornecidos na alimentação escolar do município de Francisco Beltrão-PR [undergraduate thesis]. Franscisco Beltrão: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2016. 58 p.

Almeida PMP, Franco RM. Avaliação bacteriológica de queijo tipo minas frescal com pesquisa de patógenos importantes à saúde pública: Staphylococcus aureus, Salmonella sp. e coliformes fecais. Revista Higiene Alimentar. 2003; 17(11):79-85.

Benincá T. Queijo colonial artesanal no vale do Taquari/RS: numa perspectiva social, sanitária e microbiológica [master’s thesis]. São Francisco de Paula: Universidade Estadual do Rio Grande Do Sul; 2021. 87 p.

Tavares AB, Cavalcanti EANLD, Timm CD, Lima HG, Cereser ND. Queijo artesanal produzido no sul do Rio Grande do Sul: avaliação físico-química, microbiológica e suscetibilidade a antimicrobianos de isolados de Staphylococcus coagulase positiva. Ciência Animal Brasileira. 2019; 20:1-10.

Downloads

Publicado

21-10-2021

Como Citar

Paim, S. M., & Baratto, C. M. (2021). Avaliação da qualidade microbiológica de queijos coloniais comercializados em feira livre na cidade de Fraiburgo, SC. Evidência, 21(1), 9–18. https://doi.org/10.18593/eba.28120

Edição

Seção

Biociências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)