Avaliação do potencial de desenvolvimento in vitro de sementes de calendula officinalis em meio de cultura MS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18593/eba.25134

Palavras-chave:

Calêndula, Micropropagação, Corante alimentício, Germinação

Resumo

Callendula officinalis é uma planta herbácea pertencente à família Asteraceae, a qual é capaz de apresentar atividades antioxidante e antibacteriana contra variados microrganismos. A técnica de micropropagação in vitro da espécie é alternativa para obter-se plantas com melhor qualidade e uniformidade, com produção de plantas sadias e com crescimento rápido. Com base nisso, este estudo busca avaliar o potencial de desenvolvimento in vitro, de sementes de Calendula officinalis, avaliando fatores como germinação, estabelecimento e crescimento. As sementes utilizadas foram colhidas de plantas matrizes cultivadas em propriedade privada na cidade de Iomerê-SC/Brasil em março/2019, sendo transportadas até o laboratório da UNOESC. Após o preparo do meio de cultivo MS, as sementes foram lavadas, desinfestadas e posicionadas no meio de cultivo em tubos. Dez tubos continham corante artificial alimentício rosa e outros 10 não possuíam adição do corante, foram mantidas no escuro por 7 dias a 25ºC, decorrido tempo, transferidas para fotoperíodo de 16 horas. Após 36 dias, realizou-se a multiplicação in vitro em vidros com meio MS sem adição de corante e mantido nas mesmas condições. As sementes de calêndula apresentaram baixo desenvolvimento in vitro, sendo que as que desenvolveram são oriundas do meio de cultivo MS com adição do corante artificial alimentício rosa, atingido em 43 dias de cultivo uma média de 4 cm de comprimento. Apesar do corante artificial ter apresentado resultado positivo no desenvolvimento dos explantes, demais estudos são necessários para aprimorar técnicas mecânicas e químicas que auxiliem na germinação in vitro de sementes de calêndula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos LMO, Oliveira LA, Tibulo EPS, Lima CP. Análise de amostras de flores de Calêndula (Calendula officinalis L., Asteraceae) comercializadas na grande Curitiba. J. Appl. Pharm. Sci. 2015; 36(2): 251-8.

Embrapa. Calêndula [Internet]. Corumbá: Embrapa Pantanal; 2006. [acesso em 2018 nov 11]. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/812746/calendula

Grandi TSM. Tratado das plantas medicinais: mineiras, nativas e cultivadas. Belo Horizonte: Adequatio Estúdio; 2014.

Chaleshtori SH, Kachoie MA, Pirbalouti AG. Phytochemical analysis and antibacterial effects of Calendula officinalis essential oil. Biosci. Biotechnol. Res. Commun. 2016; 9(3): 517-22.

Bevilacqua CB, Reiniger LRS, Golle DP, Rosa FC. Desinfestação superficial, germinação e regeneração in vitro a partir de sementes de calêndula. Cienc Rural. 2011; 41(5). doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782011000500004

Nogueira JS, Costa FHS, Vale PAA, Luis ZG, Pereira JES. Micropropagação de bambu em largaescala: princípios, estratégias e desafios. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia; 2017.

Carvalho ACPP, Torres AC, Braga EJB, Lemos EEP, Souza FVD, Peters JA, et al. Glossário de cultura de tecidos de plantas. Plant Cell Culture & Micropropagation. 2011. 7(1): 30-60.

Murashige T, Skoog F. A revised medium for rapid growth and bio assays with tobacco tissue cultures. Physiologia plantarum. 1962; 15(3): 473-97.

Alexa IC, Pavăl P, Nicuţă D, Bran P, Patriciu OI, Grosu L, et al. Effects of hormones addition for in vitro plant development of calendulla officinalis. Scientific Study & Research. Chemistry & Chemical Engineering, Biotechnology, Food Industry. 2015; 16(1): 75-9.

Guerra M, Nodari RO, Fraga HPF, Vieira LN, Fritsche Y. Biotecnologia I. 2016 [acesso em 2019 maio 16]. Disponível em: http://lfdgv.paginas.ufsc.br/files/2014/08/Apostila-Biotec-2016.1-Final.pdf.

Oliveira HS, Lemos OF, Miranda VS, Moura HCP, Campelo MF, Santos LRR. Estabelecimento e multiplicação in vitro de brotos no processo de micropropagação de cultivares de bananeira (Musa spp.). Embrapa Amazônia Oriental. 2011; 41(9): 369-76.

Bevilacqua CB. Germinação e cultivo in vitro de Calendula officinalis L [dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2009.

Gonzaga APD. Germinação e micropropagação de Lychinophora pohlii Sch. Bip. (Asteraceae) [dissertação]. Diamantina: Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri; 2013.

Monfort, LEF, Pinto JEBP, Bertolucci SKV, Rossi ZTT, Lima AF, Silva ST, et al. Micropropagação e germinação de sementes in vitro de atroveran. Rev. Ceres. 2015; 62(2): 215-23.

Machado DFM. Estudo da germinação e do efeito de Trichoderma spp. No crescimento de Pochnatia polymorpha (Less.) Cabrera [dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2012.

Martínez, MHP, Guimarães DT, Silva MMA, Ferreira LT. Desinfestação e germinação in vitro de sementes de mandacaru sem espinho. In: Anais do Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Ciências, 2016. Campina Grande; 2016.

Downloads

Publicado

21-12-2020

Como Citar

Ansiliero, R. ., Candiago, N. T. ., Minotto, E. ., Almeida, C. A. de ., & Baratto, C. M. . (2020). Avaliação do potencial de desenvolvimento in vitro de sementes de calendula officinalis em meio de cultura MS. Evidência, 20(2), 103–110. https://doi.org/10.18593/eba.25134

Edição

Seção

Biociências

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)