Doces em massa elaborados com polpa de frutos tropicais e mesocarpo do maracujá amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa): características físico-químicas e sensoriais

Autores

  • Crislane Cristina Baima Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus Codó
  • Izaias Santos Marques Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus Codó
  • Dalva Muniz Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus Caxias
  • Daniel Dantas Campelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus Codó
  • Eva Michelly de Carvalho Santana Nobre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – Campus Codó
  • Cecília Teresa Muniz Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.18593/eba.24983

Palavras-chave:

Novos produtos, Pectina, Polpa de fruta, Resíduos Agroindustriais

Resumo

As frutas são essenciais para uma dieta saudável, pois oferecem um aporte considerável de fibras, vitaminas e minerais, além de outros nutrientes. Contudo, são necessários métodos de conservação para elevar sua vida útil, e a elaboração de doces se apresenta como uma boa opção. A indústria de frutas gera muitos resíduos orgânicos como cascas, sementes e talos. As cascas de maracujá, por exemplo, podem ser mais bem aproveitadas, pois o mesocarpo é rico em pectina, substância que é utilizada na fabricação de doces e geleias. Objetivou-se com este estudo elaborar doces em massa de maracujá, acerola e cajá a partir do mesocarpo de maracujá amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa). As formulações foram desenvolvidas no IFMA, Campus Codó. Foram realizadas análises físico-químicas, da composição centesimal e testes sensoriais com 120 consumidores. Os doces apresentaram características físico-químicas e composição nutricional satisfatórias. Quanto à análise sensorial, a formulação elaborada com polpa de acerola obteve melhores médias para impressão global, assim como no teste do ideal, porém todas as formulações obtiveram notas acima da média central para todos os atributos avaliados. Conclui-se que o uso do mesocarpo do maracujá amarelo e polpa de frutas tropicais é viável para elaboração de doces em massa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Faraoni AS, Ramos AM, Guedes DB, Oliveira ADN, Lima THFD, Sousa PHMD. Desenvolvimento de um suco misto de manga, goiaba e acerola utilizando delineamento de misturas. Cienc. Rural [Internet]. 2012; 42(5): 911-7. doi: 10.1590/S0103-84782012005000014

Souza AGC, Silva SEL, Souza MG. Produção de mudas frutíferas. Embrapa Amazônia Ocidental-Circular Técnica (INFOTECA-E). 2002; 1(15): 1-6.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). Instrução Normativa nº 12, de 4 de setembro de 2003. Regulamento Técnico para fixação dos padrões de Identidade e Qualidade Gerais para o Suco Tropical e dá outras providências. Diário Oficial da União, 9 de setembro de 2003 [acesso em 2020 nov. 13]; 174: 2-5. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/inspecao/produtos-vegetal/legislacao-1/biblioteca-de-normas-vinhos-e-bebidas/instrucao-normativa-no-12-de-4-de-setembro-de-2003.pdf

Gontijo GM. Cultivo do maracujá: informações básicas. 1.ed. Brasília: Emater-DF; 2017.

Rossi AD, Rossi FS, Silva JR. Análise Setorial. Produção de Sucos Tropicais: Maracujá. Vera Cruz: AFRUVEC; 2001.

Mendes AMS, Oliveira AR, Teixeira, AHC, Bastos DC, Batista DC, Angelotti F, et al. A cultura da acerola. 3.ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Embrapa; 2012.

Sacramento CK, Souza FX. Cajá. In: Santos-Serejo JA, Dantas JLL, Sampaio CV, Coelho YS, editores. Fruticultura tropical: espécies regionais e exóticas. 1.ed. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; 2009. p. 85-105.

Silva FT. Manual de produção artesanal de doce em massa. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CTAA; 1997.

Kopf C. Técnicas do processamento de frutas para a agricultura familiar. Guarapuava: Unicentro; 2008.

Dias MV, Borges SV, Oliveira LF, Nascimento RM, Camilloto GP. Aproveitamento do albedo do maracujá na elaboração de doce em massa e alterações com o armazenamento. Alim e Nutr. 2011; 22(1): 71-8.

Amaral DA, Pereira MLS, Ferreira CC, Gregório EL. Análise sensorial de geleia de polpa e de casca de maracujá. HU Rev. 2012; 38(3-4): 181-6.

Ishimoto FY, Harada AI, Branco IG, Conceição WAS, Coutinho M R. Aproveitamento alternativo da casca do maracujá-amarelo (Passiflora edulis f. var. flavicarpa Deg.) para produção de biscoitos. RECEN. 2007; 9(2): 279-92.

Gomes RB, Santos MB, Cardoso RL, Torquato J, Brasil, BA. Elaboração e avaliação físico-químico e sensorial de geleia de maracujá com cenoura. Enciclopédia Biosfera. 2013; 9(16): 2765-70.

Cardoso JR, Silva FIC, Moraes GB, Braga LO, Brito JS. Avaliação da aceitação de doce elaborado com aproveitamento de albedo de maracujá amarelo (Passiflora edulis). Rev Bras Prod Agroindustriais [Internet]. 2013; 2: 123-8. doi: 10.15871/1517-8595/rbpa.v15n2p123-128

Instituto Adolfo Lutz. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. São Paulo: Editora Adolfo Lutz; 2008.

Statistical Analysis System. SAS System for Windows (Statistical Analysis System) Cary, USASAS Institute Inc.; 2006.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução CNNPA nº 12 de 1978. Fixa os padrões de identidade e qualidade para os alimentos (e bebidas) constantes desta resolução. Brasília, DF: Anvisa; 1978. [acesso em 2018 jan. 11]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/394219/Resolucao_CNNPA_n_12_de_1978.pdf/4f93730f-65b8-4d3c-a362-eae311de5547

Martins R. Doce em Pasta e em Calda. Dossiê Técnico [Internet]. Rio de Janeiro: Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro; 2007. [acesso em: 2018 fev. 21]. Disponível em: http://respostatecnica.org.br/dossie-tecnico/downloadsDT/MjM0

Godoy RCB, Matos ELS, Amorim TS, Sousa Neto MA, Ritzinger R, Waszczynsky N. Avaliação de genótipos e variedades de acerola para consumo in natura e para elaboração de doces. B.CEPPA. 2008; 26(2): 197-204.

Córdova KRV, Gama TMMTB, Winter CMG, Kaskantzis Neto G, Freitas RJS. Características físico-químicas da casca do maracujá amarelo obtida por secagem. Bol do Cent Pesqui Process Aliment [Internet]. 2005; 23(2): 221-30. doi: 10.5380/cep.v23i2.4491

Pinheiro MVS, Penna ALB. Substitutos de gordura: tipos e aplicações em produtos lácteos. Alim e Nutr. 2004; 15(2): 175-86.

Freitas LFM, Menezes CC, Carneiro JDS, Reis RP. Diagnóstico do consumo e processo produtivo de doces de frutas produzidos artesanalmente. Alim e Nutr [Internet]. 2012; 23: 589-95. doi: 10.3395/2317-269x.00241

Lima ICGS. Seriguela (Spondias purpurea L.): propriedades físico-químicas e desenvolvimento de geléia de doce de corte e aceitabilidade desses produtos [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2009.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. Análise sensorial dos alimentos e bebidas: terminologia. 1993.

Carnelocce L, Seibel NF, Prudencio SH, Benassi MDT. Análise descritiva por ordenação: aplicação na caracterização sensorial de biscoitos laminados salgados. Braz J Food Technol [Internet]. 2012; 15(4): 288-99. doi: 10.1590/S1981-67232012005000022.

Folegatti MI, Matsuura FCAU, Cardoso RL, Machado SS, Rocha AS, Lima RR. Aproveitamento industrial do umbu: processamento de geleia e compota. Ciênc Agrotec [Internet]. 2003; 27(6): 1308-14. doi: 10.1590/S1413-70542003000600015

Downloads

Publicado

21-12-2020

Como Citar

Baima Silva, C. C. ., Santos Marques, I. ., Muniz Pereira, D. ., Dantas Campelo, D. ., de Carvalho Santana Nobre, E. M. ., & Muniz Pereira, C. T. (2020). Doces em massa elaborados com polpa de frutos tropicais e mesocarpo do maracujá amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa): características físico-químicas e sensoriais. Evidência, 20(2), 129–140. https://doi.org/10.18593/eba.24983

Edição

Seção

Inovação