Avaliação parasitológica de alfaces produzidas e comercializadas no município de Campos Novos - Santa Catarina.

Autores

  • Sofia Isadora Gomes Bresola Unoesc
  • Julia Dalla Costa Unoesc
  • Aline Kuhn Sbruzzi Pasquali Professora Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campos Novos

DOI:

https://doi.org/10.18593/eba.24887

Palavras-chave:

Água, Alface, Contaminação, Parasito

Resumo

: As doenças causadas por helmintos e protozoários transmitidas pela alface (Lactuca sativa) possuem grande impacto em saúde pública, sendo consideradas importantes zoonoses. Por isso é importante cuidar da higiene dessa hortaliça previamente ao consumo. O objetivo deste estudo foi avaliar a contaminação por parasitos de importância na saúde pública em amostras de alfaces produzidas e comercializadas na cidade de Campos Novos, Santa Catarina. O estudo foi realizado em duas etapas. Na primeira etapa foram coletadas amostras de alface de supermercados e fruteiras associadas a câmara de dirigentes lojistas da cidade (CDL). Essas alfaces, segundo a descrição da embalagem, eram produzidas de forma hidropônica. Na segunda etapa foram coletadas amostras de alface de escolas municipais e estaduais. As técnicas parasitológicas utilizadas foram Willis Mollay, Dennis Stones e Swanson, Sheater e Faust. Todas as 26 amostras demonstraram ausência de parasitas, sugerido baixo ou nulo grau de contaminação por esses agentes nas hortaliças consumidas no município. Todos os locais onde foram coletadas amostras apresentavam qualidade de alimentos e higiene adequados. É recomendado sempre apresentar os riscos de contaminação à população e salientar a importância da higiene e profilaxia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Melo ACFL, Furtado LFV, Ferro TC, Bezerra KC, Costa DCA, Costa, LA, et al. Contaminação parasitária de alfaces e sua relação com enteroparasitoses em manipuladores de alimentos. Tróp.: Ci. agr. biol. 2011; 5(3): 47.

Alves AS, Cunha AC, Rossignoli PA. Parasitos em alface-crespa (Lactuca sativa L.), de plantio convencional, comercializada em supermercados de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Rev Patol Trop. 2013 abr.-jun.; 42(2): 217-29.

Luz JRD, Câmara HCF, Lima DVP, Silva MHR, Costa ELC, Gentil CK. Avaliação da contaminação parasitária em alfaces (Lactuca sativa) comercializadas em feiras livres na região da Grande Natal, Rio Grande do Norte. Nutrivisa. 2013; 1(2).

Moura LR, Santos T, Viegas ÂA. Pesquisa de parasitos em alface e couve provenientes de feiras da região central e suas mediações na cidade de Anápolis-GO. Rev Educ Saúde. 2015; 3(2).

Sala FC, Costa CP. Retrospectiva e tendência da alfacicultura brasileira. Hortic. Bras. 2012 [acesso em 2018 ago. 31]; 30(2): 187-94. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362012000200002

Nascimento MP, Gonçalves MNL, Viana MWC, Macedo NT, Pinto LC, Ferreira RJ. Avaliação parasitológica da alface (Lactuca sativa L.) comercializada na feira livre de Barro - CE, Brasil. Caderno de Cultura e Ciências. 2016 dez; 15(2).

Chave QS, Silva TC, Nascimento RS, Fortuno JL. Avaliação de métodos para higienização de alface (Lactuca sativa L. Var crispa). In: Anais do 1º Congresso Brasileiro de Microbiologia Agropecuária, Agrícola e Ambiental. 2016. Jaboticabal: CBMAAA. p. 1-9.

Patro R. Alface- Lactuca sativa. [Internet]. Jardineiro.net; 2015 [acesso em 2018 set. 2]. Disponível em: https://www.jardineiro.net/plantas/alface-lactuca-sativa.html

Talvares F. Alface tem elevado grau de contaminação por parasitas em PE [Internet]. Agência Fiocruz de Notícias; 2008 [acesso em 2018 ago. 31]. Disponível em: https://agencia.fiocruz.br/alface-tem-elevado-grau-de-contamina%C3%A7%C3%A3o-por-parasitas-em-pe%20

Silva LP, Silva VS, Ludwig KM, Montenote MC, Silva RMG. Avaliação parasitológica em amostras de alfaces (Lactuca sativa var. crispa) comercializadas no município de Quatá, São Paulo, Brasil. Biosci. J. 2014 jul.-ago; 30(4), 1252-8.

Schemes CM, Schemes CM, Rodrigues AD. Prevalência de parasitos em alfaces (Lactuca sativa) de supermercados de uma cidade no sul do Brasil. Rev Saúde. 2015; 9(3-4).

Pires DR, Thomé S, Coelho PSJ, Santos H, Azevedo LA, Frechette MF, et al. Avaliação parasitológica de alfaces (Lactuca sativa) comercializadas no município do Rio de Janeiro (RJ). Semin., Ciênc. Biol. Saúde. 2014 jan.-jun; 35(1) 35-48.

Almeida EMSM, Rodrigues KM, Gonçalves JS, Ramos GNP, Morais AMB. Análises parasitológicas em folhas de alface comercializadas em supermercados da cidade de Patos–PB. Temas em Saúde. 2016; 16(3).

Quadros RM, Marques SMT, Favaro DA, Pessoa VB, Arruda AAR, Santini J. Parasitos em alfaces (Lactuca sativa) de mercados e feiras livres de Lages - Santa Catarina. Rev Cienc Saúde. 2008; 1(2); 78-84.

Hoff G, Silva AS, Monteiro SG. Avaliação do parasitismo e comparação de técnicas de análise fecal em suínos de granjas da região oeste do estado de Santa Catarina. Revista da FZVA. 2005; 12(1); 106-115.

De Carli GA. Parasitologia clínica: seleção de métodos e técnicas de laboratório para o diagnóstico das parasitoses humanas. 2.ed. São Paulo: Aheneu; 2007.

Soares B, Cantos GA. Detecção de estruturas parasitárias em hortaliças comercializadas na cidade de Florianópolis, SC, Brasil. Rev. Bras. Ciênc. Farm. 2006 jul.-set; 42(3).

Matioli CS, Pinto JM, Furla, RA, Folegatti MV. Produção de alface hidropônica: um estudo de viabilidade técnico-econômica. Piracicaba: CENA-ESALQ/USP; 1996.

Campos AA, Rodrigues JM, Mesquita MM. Pesquisa de parasitas em alfaces de uma feira em Goiânia. 2015.

Mesquita DR, Silva JP, Monte NDP, Sousa RLT, Silva RVS, Oliveira SS, et al. Ocorrência de parasitos em alface-crespa (Lactuca sativa L.) em hortas comunitárias de Teresina. Rev Patol Trop. 2015 jan.-mar; 44(1): 67-76.

Maltez DS. Manual das Doenças Transmitidas por Alimentos. Giardia Lamblia/Giardíase [Internet]. 2002. [acesso em 2018, set. 3]. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-transmitidas-por-agua-e-alimentos/doc/parasitas/giardiase.pdf.

Esteves MAF, Figueirôa OE. Detecção de Enteroparasitas em Hortaliças Comercializadas em Feiras Livres do Município de Caruaru (PE). Rev Baiana de Saúde Públ. 2010; 33: 184-93.

Silva CGM, Andrade SAC, Stamford TLM. Ocorrência de Cryptosporidium spp e outros parasitas em hortaliças consumidas in natura no Recife. Rev Ciência Saúde Coletiva. 2005; 10: 63-9.

Guilherme ALF, Araújo SM, Falavigna DLM, Pupulim ART, Dias MLGG, Oliveira HS, et al. Prevalência de enteroparasitas em horticultures e hortaliças da Feira de Maringá, Paraná. Rev Soc Bras Med Trop. 1999; 32: 287-92.

Coelho LMPS, Oliveira SM, Milman MHSA, Karasawa KA, Santos RP. Detecção de formas transmissíveis de enteroparasitas na água e nas hortaliças consumidas em comunidades escolares de Sorocaba, São Paulo, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2001; 34: 479-82.

Mesquita VLC, Serra CMB, Bastos OMP, Uchoa CMA. Contaminação por enteroparasitas em hortaliças comercializadas nas cidades de Niterói e Rio de Janeiro, Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 1999; 34: 189-94.

Potrich ACG, Pinheiro RR, Schmidt D. Alface hidropônica como alternativa de produção de alimentos de forma sustentável. Enciclopédia Biosfera. 2012; 8(15).

Downloads

Publicado

21-12-2020

Como Citar

Bresola, S. I. G., Dalla Costa, J., & Kuhn Sbruzzi Pasquali, A. (2020). Avaliação parasitológica de alfaces produzidas e comercializadas no município de Campos Novos - Santa Catarina. Evidência, 20(2), 121–128. https://doi.org/10.18593/eba.24887

Edição

Seção

Saúde