Guia áudio tátil em resina de poliéster: uma proposta de modelo de material didático voltado à educação de cegos

Palavras-chave: Deficientes visuais, Audio-tátil, QR-Code, YouTube, Tutorial

Resumo

Este artigo é a descrição do desenvolvimento de uma metodologia, que se aproxima de um tutorial, para reprodução de materiais que podem ser utilizados como recurso didático em disciplinas cujo o enfoque seja morfologia macroscópica, como Paleontologia ou Anatomia Animal ou Vegetal e Geologia. O processo utiliza borracha de silicone e resina de poliéster para reprodução de peças, e uma interface, via QR-Code, que remete o usuário a uma narração dos conteúdos postada na plataforma digital YouTube. O objetivo foi criar uma abordagem que permita duplicar peças de valor didático, que normalmente não poderiam ser disponibilizadas para manipulação dos estudantes, com maior enfoque na educação para cegos, em que o “tocar significa ver” e que a manipulação é essencial, sendo que a metodologia permite adicionar marcas na textura da peça, como o Alfabeto em Braille. Para tornar o material definitivamente inclusivo, foi propsoto ligar o objeto de interesse a uma plataforma digital, e neste caso, o YouTube via QR-code, em que é postado uma narrativa em áudio. Assim é possível o seu uso em estudos domiciliares ou em metodologias de ensino presencial em que o aluno é o protagonista. Como resultado foi obtido uma cópia de qualidade de um material, normalmente muito caro ou por outros motivos inacessível, cujo os insumos são de baixo custo e adquiridos facilmente, além de poder ser confeccionado nas instalações de um laboratório escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Orientações para professores de estudantes cegos. Ministério da Educação. Núcleo de Políticas de Inclusão [Internet]. 2012 [acesso em 2019 abr 12]. Disponível em: https://www.ufrb.edu.br/nupi/images/documentos/Orientaes%20para%20professores%20de%20Estudantes%20Cegos.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010: Características Gerais da População, religião e pessoas com deficiência [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. [acesso em 2019 maio 8]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf

Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Censo oftalmológico: As condições de saúde ocular no Brasil [Internet]. São Paulo: CBO; 2019. [acesso em 2020 jul 14]. Disponível em: www.cbo.com.br/novo/publicacoes/condicoes_saude_ocular_brasil2019.pdf

Ormelezi EM. Inclusão educacional e escolar da criança cega congênita com problemas na constituição subjetiva no desenvolvimento global: uma leitura psicanalítica em estudos de caso [tese de doutorado]. [São Paulo]: Universidade de São Paulo; 2006.

Brito PR, Veitzman S. Causas de cegueira e baixa visão em crianças. Arq. Bras. Oftamol. [Internet]. 2000 fev [acesso em 2019 maio 8];63(1):49-54. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/abo/v63n1/13605.pdf

Almeida TS, Araújo FV. Diferenças experienciais entre pessoas com cegueira congênita e adquirida: uma breve apreciação. Rev. Interfaces [Internet]. 2013 Jun [acesso em 2019 maio 8];1(3):1-21. Disponível em: https://interfaces.leaosampaio.edu.br/index.php/revista-interfaces/article/view/24/0.

Silva, LGS. Orientações para atuação pedagógica junto a estudantes com deficiência visual. Orientações para atuação pedagógica junto a estudantes com deficiência: intelectual, auditiva, visual, física. Natal: WP Editora; 2010.

Lima EC. A inclusão da criança com deficiência visual na escola regular [Internet]. 2016 maio [acesso em 2019 maio 8]. Disponível em: https://www.fundacaodorina.org.br/blog/artigo-a-inclusao-da-crianca-com-deficiencia-visual-na-escola-regular/.

Glat R, Ferreira, JR. Panorama Nacional da Educação Inclusiva no Brasil: Relatório de consultoria técnica. In: Banco Mundial [Internet]. 2003 [acesso em 2020 jul]. Disponível em: https://repositorio.ipsantarem.pt/bitstream/10400.15/1626/1/SG_Disserta%c3%a7%c3%a3o%20ANA%20LEAL%20.pdf

Nunes S, Lomônaco JFB. O estudante cego: preconceitos e potencialidades. Rev. Semestral da Associação Brasileira de Psicol. Esc. Educ. [Internet]. 2010 jan-jun [acesso em 2019 maio 8];4(1):55-64. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pee/v14n1/v14n1a06

Silva AVF, Rodrigues RDR. Confecção e utilização de materiais didáticos em resina para deficientes visuais no ensino de ciências e biologia [trabalho de conclusão de curso de graduação]. [Curitiba]: Universidade Federal do Paraná; 2016.

Roveda PA. Aprendendo a ver: possibilidade do trabalho pedagógico para o desenvolvimento da eficiência visual em bebês com baixa visão. In: Anais do Décimo terceiro Seminário Internacional de Educação. Agosto 16-18, 2012. Novo Hamburgo; 2012. [acesso em 2019 abr 19]. Disponível em: https://www.feevale.br/Comum/midias/2bc24ff0-c0b9-4597-b874-c425028ecce9/APRENDENDO%20A%20VER%20-%20POSSIBILIDADES%20DO%20TRABALHO%20PEDAG%C3%93GICO%20PARA%20O%20.pdf

Bruno MM. O desenvolvimento integral do portador de deficiência visual – Da intervenção precoce à integração escolar. São Paulo: Laramara; 1993.

Gil M. Deficiência Visual [Internet]. Brasília, DF: MEC: Secretaria de Educação à Distância; 2000;(Cadernos da TV Escola, no. 1). [acesso em 2019 mar 15]. Disponível em: portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/deficienciavisual.pdf

Laplane ALF, Batista CG. Um estudo das concepções de professores de ensino fundamental e médio sobre aquisição de conceitos, aprendizagem e deficiência visual. In: Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Educação Especial. Novembro 11-14, 2003. São Carlos; 2003. p. 14-15.

Santos V. Aulas de Biologia para Deficientes Visuais [Internet]. Brasil Escola. Disponível em: https://educador.brasilescola.uol.com.br/estrategias-ensino/aulas-biologia-para-deficientes-visuais.htm. [acesso em 2018 abr 12].

Cerqueira JB, Ferreira EMB. Recursos didáticos na educação especial. Rev. Benjamim Constant. 2000;6(15):24-8.

Masini EFS. O perceber e o relacionar-se do deficiente visual: orientando professores especializados. Boletim Anped. 1991 jan-dez;143-4.

Orlando TC, Lima AR, Silva AM, Fuzissaki CN, Ramos CL, Machado D, et al. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de biologia celular e molecular no ensino médio por graduandos de Ciências Biológicas. Rev. Ensino Bioquím. 2009;7(1):1-17.

Rupell DT, Mendonça MH, Schadeck RJ. Célula 3D: um recurso didático virtual interativo. In: Décimo segundo Congresso Nacional de Educação. Outubro 26-29, 2015. Curitiba; 2015. [acesso em 2019 maio 8]. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/21596_9662.pdf

Redelease. 7 dicas para trabalhar com resina poliéster [Internet]. 2017 [acesso em 2019 maio 9]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=U4A8BcXq19s

Faz Fácil Artesanato. Resinas e a Resina de Poliéster [Internet]. [acesso em 2019 maio 9]. Disponível em: https://www.fazfacil.com.br/artesanato/resinas-poliester-epoxi/

Página de Downloads [Internet]. [acesso em 2019 maio 9]. Disponível em: http://intervox.nce.ufrj.br/~brailu/downloads.html

Sternberg RJ. Psicologia Cognitiva. 5a ed. Porto Alegre: Cengage CTP; 2000.

Bustos CMS, Fedrizzi B, Guimarães LBM. Percepção dos deficientes visuais: cores x texturas. In: Anais da Primeira Conferência Latino-Americana de construção sustentável; Décimo Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. Julho 18-21, 2004. São Paulo: ANTAC; 2004. [acesso em 2020 jul 14]. Disponível em: http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/111_deficientes%20visuais.pdf

Figueiredo RME, Kato OM. Estudos Nacionais Sobre o Ensino para Cegos: uma Revisão Bibliográfica [Internet]. 2015 [acesso em 2020 ago 17]. Disponível em: file:///C:/Users/Professores/Downloads/revisa%C3%B5%20metodos.pdf

Fernandes SHAA, Healy L. A inclusão de estudantes cegos nas aulas de matemática: explorando área, perímetro e volume através do tato. BOLEMA. 2010;23(37):1111-35.

Zucherato B, Freitas MIC. A construção de gráficos táteis para estudantes deficientes visuais. Rev. Ciênc. Ext. 2011;7(1):24-41.

Santos JAB. Do Braille ao Dosvox: diferenças nas vidas dos cegos brasileiros [tese] [Internet]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 200. [acesso em 2020 jul 13]. Disponível em: file:///C:/Users/Professores/Downloads/5617-18773-1-PB.pdf

Barbosa LMM, Silva AL, Souza MA. O sistema Braille e a formação do professor: o acesso à leitura e a escrita por pessoas cegas. Rev. InFor. [Internet]. 2019 Nov [acesso em 2020 jul 13];5(1):49-71. Disponível em: https://infor.ead.unesp.br/index.php/nead/article/view/InFor4603v5n12019

Publicado
15-09-2020
Como Citar
Tanhoffer, C. M. S. ., Almeida, G. C. de, Costa, C. V. L., & Tanhoffer, E. A. (2020). Guia áudio tátil em resina de poliéster: uma proposta de modelo de material didático voltado à educação de cegos. Evidência, 20(1), 81-94. https://doi.org/10.18593/eba.24827
Seção
Inovação