Escorpiões de importância médica no Estado da Paraíba, Brasil

Palavras-chave: Paraíba, Tityus, Escorpião

Resumo

Entre os agentes tóxicos que podem ameaçar a saúde do homem, os escorpiões são os que mais provocam acidentes em território paraibano. Para o ministério da saúde, quatro espécies do gênero Tityus possuem importância médica no Brasil, devido à sua capacidade de adaptação em ambientes urbanos, reprodução partenogenética e a toxicidade de sua peçonha. O objetivo desse trabalho foi apresentar as espécies de escorpião que possuem importância médica no estado da Paraíba. Trata-se de uma revisão de literatura, descritiva e qualitativa, com base em documentos obtidos nos bancos de dados Scielo, Lilacs, Repositório UnB, Fiocruz e Ministério da Saúde. Foram considerados os documentos publicados no período de 2014 a 2019. Também foram coletados dados de intoxicação disponibilizados pelo SINITOX referentes ao período de 2009 a 2013. Duas espécies são responsáveis pelos acidentes escorpiônicos: T. serrulatus e T. stigmurus, sendo este último considerado o principal agente etiológico no estado. No período de 2009 a 2013, a Paraíba foi o estado da região Nordeste que mais notificou a ocorrência de acidentes envolvendo escorpiões, com 11.243 casos. O maior número de notificações ocorreu em 2012 (2.467) e o menor em 2013 (1.946). Os acidentes escorpiônicos são a principal causa de intoxicações no estado, enquanto no Brasil os medicamentos são os principais responsáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Acidentes por animais peçonhentos: o que fazer e como evitar [Internet]. 2019 [citado 2019 dez 10]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/acidentes-por-animais-peconhentos

Kotviski BM, Barbola IDF. Aspectos espaciales del escorpionismo en Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2013 sept;29(9):1843-58.

Brasil. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico. Portal Brasil. 2019 mar.

Quadros RMD, Varela AR, Cazarin MG, Marques SMT. Scorpion envenomations notified by sinan in the mountainous region of Santa Catarina, Brazil, 2000-2010. Revista Eletrônica de Biologia. 2014;97-98.

Carvalho LS, Brescovit AD, Souza CAR, Raizer J. Checklist of the scorpions (Arachnida, Scorpiones) from Mato Grosso do Sul State, Brazil. Iheringia. 2017 fev;107:8-10. (Série Zoologia).

Ministério da Saúde. Acidentes por animais peçonhentos - Escorpião [Internet]. 2017 [citado 2019 dez 10]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/acidentes-por-animais-peconhentos-escorpiao/

Ministério da Saúde. Animais peçonhentos - Escorpião [Internet]. 2017 [citado 2019 dez 10]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/animais-peconhentos-escorpiao

Pereira AS, Shitsuka DM, Parreira FJ, Shitsuka R. Metodologia da Pesquisa Científica. 1a ed. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2018.

Campos N, Pereira JCC, editors. Cadernos Técnicos de Saúde. 5a ed. São Paulo: Faculdade da Saúde e Ecologia Humana; 2018.

Pulchinelli A. Opinião: Acidentes por escorpiões [Internet]. 2019 [citado 2019 dez 9]. Disponível em: https://www.unifesp.br/reitoria/dci/releases/item/4096-acidentes-por-escorpioes

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2009 [citado 2018 out 7]. Disponível em: http://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/filse//tab01_nordeste_2009.pdf

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2010 [citado 2018 out 7]. Disponível em: http://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/files//nd1.pdf

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2011 [citado 2018 out 7]. Disponível em: http://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/files//NE%20Tabela%201.pdf

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [ Internet]. 2012 [citado 2018 out 7]. Disponível em: http://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/files//NO%20Tabela%201%201012.pdf

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas [Internet]. 2013 [citado 2018 out 7]. Disponível em: http://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz/files//NO%20tabela1_2013.pdf

Silva CFRD. Perfil epidemiológico dos acidentes por animais peçonhentos no Município de Campos dos Goytacazes/RJ [trabalho de conclusão de curso de graduação]. [local, editora, unknown]; 2018. p. 18-19.

Meschial WC, Martins BF, Reis LMd, Ballani TdSL, Barboza CL, Oliveira MLFD. Internações Hospitalares de Vítimas de Acidentes por Animais Peçonhentos. Rev Rene. 2013;14(2):311-9.

Gabriel A. PB tem mais de 3 mil casos de picadas de animais peçonhentos. Portal Correio [Internet]. 2018 out 9 [citado 2019 dez 9]. Disponível em: https://portalcorreio.com.br/paraiba-ja-soma-mais-de-3-mil-casos-de-picadas-de-animais-peconhentos-em-2018/

Leal SC. Perfil Epidemiológico e Clínico dos Acidentes Ofídicos e Escorpiônicos Notificados em um Município Paraíbano, em 2013 [trabalho de conclusão de curso de graduação]. [local, editora, desconhecidos]; 2015. p. 21-23.

Prefeitura da Estância de Atibaia. Prefeitura de Atibaia presta orientações sobre como evitar escorpiões em casa [Internet]. 2018 [citado 2020 jul 15]. Disponível em: http://www.prefeituradeatibaia.com.br/noticia/prefeitura-de-atibaia-presta-orientacoes-sobre-como-evitar-escorpioes-em-casa/

Triches CMF. Predição e caracterização de um epitopo conformacional da beta-neurotoxina TS1 do escorpião Tityus serrulatus [dissertação de mestrado]. [local, editora, desconhecidos]; 2017. p. 53-54.

Cocchi FK. Síntese e Caracterização de Pequenos Peptídeos Lineares do Veneno de Tityus serrulatus (Buthidae) [dissertação de mestrado]. [local, editora, desconhecidos]; 2016. p. 47-48.

Guimarães PTC, Pinto MCL, Melo MM. Perfis clínico e hematológico de camundongos submetidos ao envenenamento escorpiônico experimental por Tityus fasciolatus. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. 2011;63(6):1382-90.

Neto BRDS. Medicina e Biomedicina. 2ª ed. Ponta Grossa: Atena; 2019.

Toledo K. Anti-inflamatório pode evitar a morte de vítimas do escorpião amarelo. Agência FAPESP [Internet]. 2016 [citado 2019 dez 8]. Disponível em: http://agencia.fapesp.br/anti-inflamatorio-pode-evitar-a-morte-de-vitimas-do-escorpiao-amarelo/22732/

MS. Biblioteca Virtual em Saúde. Dicas em Saúde: Picadas de insetos e animais peçonhentos - parte 1 [Internet]. 2015 [citado 2019 dez 8]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2101-picadas-de-insetos-e-animais-peconhentos-parte-1

Mesquita FNB, Nunes MAP, Santana RD, Machado Neto J, Almeida KBSD, Lima SO. Scorpion envenomation in sergipe - Brazil. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba. 2015;17(1):15-20.

Santos EMD. Perfil epidemiológico das vítimas de acidentes por animais peçonhentos no Município de Formosa - GO no triênio 2011, 2012 e 2013 [trabalho de conclusão de curso de graduação]. [local, editora, desconhecidos]; 2014. p. 23-24.

Nery AA, Pereira R, Rios MA, Casotti CA. Fatores associados à gravidade do envenenamento por escorpiões. Texto & Contexto Enferm. 2019 jul 4;28.

Silva EMRD. Acidente Escorpiônico no Município de Santarém - PA: características epidemiológicas e trajeto percorrido pelos pacientes até o serviço de saúde [dissertação de mestrado]. [local, editora, desconhecidos]; 2017. p. 43-44.

Ministério da Saúde. Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos. 2a ed. Brasília, DF: Fundação Nacional de Saúde; 2001.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019. Arq Bras Cardiol. 2019 set;113(3):449-500.

Leis B, Chebabo A. Diretrizes Diagnósticas de Acidentes com Animais Peçonhentos. Rio de Janeiro: UFRJ; 2001.

Ministério da Saúde. Animais peçonhentos - Utilização racional de antivenenos [Internet]. 2019 [citado 2019 dez 8]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/component/content/article/42012-

Publicado
19-08-2020
Como Citar
Sousa, V. A. de, Silva, T. T. D. da ., Sousa, F. D. A. de, Marques, A. E. F., & Moreira, B. A. A. . (2020). Escorpiões de importância médica no Estado da Paraíba, Brasil. Evidência, 20(1), 57-68. https://doi.org/10.18593/eba.24714
Seção
Saúde