Aedes aegypti – Distribuição espacial e variação temporal de criadouros no Oeste catarinense

Palavras-chave: Aedes aegypti, Dengue, Arbovirose, Vetores de doenças

Resumo

Este artigo é um estudo ecológico retrospectivo, de análise descritiva, que avalia a distribuição espacial de criadouros do vetor Aedes aegypti e a sua correlação com características ambientais e climáticas da região Oeste de Santa Catarina. Seu objetivo foi analisar a distribuição espacial dos criadouros por meio do mapeamento e correlação com variáveis climáticas e ambientais no intervalo de tempo entre 2009 e 2017, por meio do mapeamento de criadouros com larvas de Ae. Aegypti pelo programa Google Maps, correlacionando as médias de temperatura e de precipitação. Foi constatada uma relação positiva entre o aumento da temperatura e o número de focos, além de estabelecer que nessa região as altas médias pluviométricas podem influenciar a disseminação do mosquito, mas isso não pôde ser confirmado no presente estudo. Concluiu-se que a temperatura foi um fator determinante na disseminação do vetor, sendo superior à variável precipitação na região analisada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ministério da Saúde. Dengue – Instruções para Pessoal de Combate ao Vetor: Manual de Normas Técnicas. Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde – Ascom/Pre/FUNASA [Internet]. 2001 abr [acesso em 2018 jul 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/funasa/man_dengue.pdf

World Health Organization. Dengue: Guidelines for Diagnosis, Treatment, Prevention and Control. [Internet]. 2009 [cited 2019 July 2]. Available from: https://www.who.int/tdr/publications/documents/dengue-diagnosis.pdf

Tauil PL. Urbanização e Ecologia do Dengue. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2001;Supl: [acesso em 2019 jul 2];99-102. Disponível em:

https://www.scielosp.org/pdf/csp/2001.v17suppl0/S99-S102/pt

Ibanez-Bernal S, Briseño B, Mutebi JP, Argot E, Rodriguez G, Martinez-Campos C, et al. Firstrecord in America of Aedesalbopictus naturally infected with dengue vírus during the 1995 out break at Reynosa, Mexico. Med Vet Entomol. [Internet]. 1997 [cited 2019 July 2];11:305-9. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1365-2915.1997.tb00413.x

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Epidemiológica. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue [Internet]. 2009 [acesso em 2018 jul 12]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_prevencao_controle_dengue.pdf

Bhatt S, Gething PW, Brady OJ, Messina JP, Farlow AW. The global distribution and burden of dengue. Nature [Internet]. 2013 [cited 2019 July 2];496:504-7. Available from: https://www.nature.com/articles/nature12060.pdf

Dal Magro L, Bonifácio BH, Barancelli GLS, Schmidt CL, Schabat FM, Lutinski JA. Incidence of Dengue fever in the city of Chapecó, west of Santa Catarina state, Brazil. Periódico Científico do Núcleo de Biociências – NBC [Internet]. 2017 [cited 2019 Oct 2]; 7(14):98-108. Available from: https://www.metodista.br/revistas-izabela/index.php/bio/article/viewFile/1471/890

Welter L. O espaço geográfico do oeste catarinense e sua cartografia ambiental [dissertação] [Internet]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2006. [acesso em 2018 jul 9]. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-20062007-145400/pt-br.php

Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Zoneamento agroecológico e socioeconômico do Estado de Santa Catarina [Internet]. 1999 [acesso em 2018 jul 12]. Disponível em: http://ciram.epagri.sc.gov.br/images/documentos/ZonAgroecoMapas.pdf

Google Maps [Internet]. [acesso em 2018 jul 12]. Disponível em: https://www.google.com/maps/d/u/0/edit?hl=pt-BR&mid=1k-a7rwL5ug90T6azjOW6ukdb6zIinwsG&ll=-27.094203495700633%2C-52.9206134623862&z=11

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Classificação e Caracterização dos Espaços Rurais e Urbanos do Brasil – Uma Primeira Aproximação [Internet]. 2017 [acesso em 2019 jul 2];(11). Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100643.pdf

Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina – DIVE/SC. Boletim Epidemiológico – Vigilância entomológica do Aedes aegypti e situação epidemiológica da dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina [Internet]. 2017 [acesso em 2018 jul 21]. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/boletim2017/boletimDengue26/boletimDengue26.pdf

Instituto Oswaldo Cruz. Dengue – Vírus e Vetor [Internet]. [acesso em 2019 fev 26]. Disponível em: http://www.ioc.fiocruz.br/dengue/

Gubler, DJ. Dengue and Dengue Hemorrhagic Fever. Clin. Microbiol. Rev. [Internet]. 1998 [cited 2019 July 2];11(3):480-96. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC88892/

Koopman SJ, Prevots RD, Mann MAV, Dantes HG, Aquino MLZ, Longini Junior IM, et al. Determinants and Predictors of Dengue Infection in Mexico. Am. J. Epidemiol. [Internet]. 1991 [cited 2019 July 2];133(11):1168-78. Available from: https://academic.oup.com/aje/article-abstract/133/11/1168/165838?redirectedFrom=fulltext

Tuladhar R, Singh A, Banjara MR, Gautam I, Dhimal M, Varma A, et al. Effect of meteorological factors on the seasonal prevalence of dengue vectors in upland hilly and lowland Terai regions of Nepal. Parasites &Vectors [Internet]. 2019 [cited 2019 Jan 21];12(42). Available from: https://parasitesandvectors.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s13071-019-3304-3

Costa EAPA, Santos EMM, Correia JC, Albuquerque CMR. Impact of small variations in temperature and humidity on de reproductive activity and survival of Aedesaegypti (Diptera, Culicidae). Rev. Bras. Entomol. [Internet]. 2010 [cited 2019 July 3];54(3):488-93. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0085-56262010000300021

Stolerman LM, Maia PD, Kutz N. Forecasting dengue fever in Brazil: Anassessmentofclimateconditions. PLoS ONE [Internet]. 2019 [cited 2019 Oct 2];14(8). Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6687106/

Ministério da Saúde. Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) para vigilância entomológica do Aedes aegypti no Brasil: Metodologia para avaliação dos índices de Breteau e predial e tipos de recipientes [Internet]. 2013 [acesso em 2018 jul 8]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/levantamento_rapido_indices_aedes_aegypti.pdf

Ong J, Liu X, Rajarethinam J, Yap G, Ho D, Ng LC. A novel entomological index, Aedesaegypti Breeding Percentage, reveals the geographical spread of the dengue vector in Singapore and serves as a spatial risk indicator for dengue. Parasites Vectors [Internet]. 2019 [cited 2019 Jan 21];12(17):1-10. Available from: https://parasitesandvectors.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s13071-018-3281-y

Bezerra J. Densidade Demográfica. Toda Matéria – Conteúdos Escolares [Internet]. 2018 jul [acesso em 2019 fev 26]. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/densidade-demografica/

Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina – DIVE/ SC. Boletim sobre situação da dengue, febre de chikungunya e febre do zika vírus em Santa Catarina [Internet]. 2016 [acesso em 2017 jul 21]. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/index.php/arquivo-noticias/250-boletim-sobre-situacao-da-dengue-febre-de-chikungunya-e-febre-do-zika-virus-em-santa-catarina-atualizado-em-06-01-2016

Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina – DIVE/SC. Boletim Epidemiológico – Situação da dengue, febre do chicungunya e zika vírus em Santa Catarina [Internet]. 2016 [acesso em 2018 jul 21]. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/index.php/arquivo-noticias/493-boletim-epidemiologico-n-37-2016-situacao-da-dengue-febre-do-chikungunya-e-zika-virus-em-santa-catarina-atualizado-em-05-04-2017-se-01-a-52-2016

Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Vigilância e Controle do Aedes aegypti: orientações técnicas para pessoal de campo. Gerência de Vigilância de Zoonoses e Entomologia – GEZOO [Internet]. 2007 [acesso em 2018 jul 21]. Disponível em: http://www.dive.sc.gov.br/conteudos/publicacoes/ManualDengue2018.pdf

Figueiró AC, Sóter AP, Braga C, Hartz ZMA, Samico I. Análise da lógica de intervenção do Programa Nacional de Controle da Dengue. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2010 [acesso em 2019 jul 3];10(1):S93-S106. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292010000500009

Mukherjee D, Das S, Begum F, Mal S, Ray U. The Mosquito Immune System and the Life of Dengue Virus: What We Know and Do Not Know. Pathogens [Internet]. 2019 [cited 2019 July 3];8(77):1-16. Available from: https://www.mdpi.com/2076-0817/8/2/77/htm

Nadjib M, Setiawan E, Putri S, Nealon J, Beucher S, Hadinegoro SR, et al. Economic burden of dengue in Indonesia. PLoS Negl Trop Dis. [Internet]. 2019 [cited 2019 Jan 23]; 13(1). Available from: https://journals.plos.org/plosntds/article?id=10.1371/journal.pntd.0007038

Publicado
06-08-2020
Como Citar
Silva, J. F. S., Kruczewski, B., & D’Agostini, F. M. . (2020). Aedes aegypti – Distribuição espacial e variação temporal de criadouros no Oeste catarinense. Evidência, 20(1), 45-56. https://doi.org/10.18593/eba.24487
Seção
Saúde

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>