Práticas adotadas para o descarte de resíduos de medicamentos e saneantes domissanitários por alunos da educação básica

  • Lenita Agostinetto Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC)
  • Victória Gabriela Corrêa Coelho CEDUP, Lages, SC
  • Helen Souza de Oliveira CEDUP, Lages, SC
  • Jheniffer Rodolfi Bianchini CEDUP, Lages, SC
  • Gustavo Waltrich da Silva CEDUP, Lages, SC
  • Vitor Alegre de Lima CEDUP, Lages, SC
  • Victor Godoy CEDUP, Lages, SC
  • Rafaela Dexcheimer Alves CEDUP, Lages, SC
  • Luiz Carlos Koslowski Trombetta CEDUP, Lages, SC
  • Sabrina Moraes Alves CEDUP, Lages, SC
  • Ana Emilia siegloch Siegloch UNIPLAC, Lages, SC.
Palavras-chave: Descarte de resíduos, Medicamentos, Produtos domissanitários

Resumo

Este estudo teve como objetivo levantar informações sobre as práticas adotadas pelos alunos de Ensino Médio do Curso técnico em Saneamento Ambiental e Biotecnologia do Cedup Renato Ramos da Silva de Lages, SC para o descarte dos resíduos de medicamentos e saneantes domissanitários em suas residências. O estudo foi desenvolvido por estudantes de iniciação científica do Ensino Médio (PIBIC/EM). Para a coleta de dados foi aplicado um questionário semiestruturado aos alunos do respectivo curso durante o período de suas aulas na Instituição. Observou-se que 63% não têm conhecimento sobre o procedimento correto de descarte dos resíduos de medicamentos e 55,6% ainda fazem o descarte dos medicamentos vencidos em lixeira comum. Com relação aos produtos domissanitários, 90,1% dos participantes desconhecem a forma de descarte desses resíduos em suas residências, apesar do uso frequente (83,8%). Já quanto relação aos resíduos de inseticidas, raticidas e repelentes, cerca de 50% dos participantes descartam os resíduos na lixeira comum e 44% desconhecem a forma de descarte desses produtos. No geral, este estudo mostrou que os estudantes do Ensino Médio do Curso técnico em Saneamento Ambiental e Biotecnologia não descartam adequadamente os resíduos de medicamentos e saneantes domissanitários gerados em seu domicílio. Dessa forma, enfatiza-se a importância da inserção do tema sobre gestão de resíduos nos cursos de formação básica.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade RM, Ferreira JA. A gestão de resíduos sólidos urbanos no Brasil frente às questões da globalização. REDE – Rev. Eletrônica do Prodema. 2011;6(1):7-22. Disponível em: http://www.revistarede.ufc.br/rede/article/view/118

Mucelin CA, Bellini M. Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Soc. Nat. 2008;20(1):111-24. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sn/v20n1/a08v20n1

Falqueto E, Kligerman DC, Assumpção RF. Como realizar o correto descarte de resíduos de medicamentos? Ciênc. Saúde Colet. 2010;15(2):3283-93. doi:10.1590/S1413-81232010000800034

BRASIL. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. 2010 ago 3. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm

Graciani FS, Ferreira GLBV. Descarte de medicamentos: panorama da logística reversa no Brasil. Espacios. 2014;35(5):1-11. Disponível em: http://www.revistaespacios.com/a14v35n05/14350411.html

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Diário Oficial [da] União. 2004 dez 10.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 222, de 28 de março de 2018. Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. 2018 mar 29.

Conselho Nacional Do Meio Ambiente. Resolução nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e disposição final dos resíduos de serviços de saúde e dá outras providências. Diário Oficial [da] União. 2005 maio 4; Seção 1. p. 63-5.

Piazza, GA, Pinheiro IG. Logística reversa e sua aplicação na gestão dos resíduos dos medicamentos domiciliares. Rev. Estudos Ambientais. 2014;16(2):48-56. Disponível em: http://proxy.furb.br/ojs/index.php/rea/article/view/4753/2998

Brasil. Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976. Dispõe sobre a Vigilância Sanitária a que ficam sujeitos os Medicamentos, as Drogas, os Insumos Farmacêuticos e Correlatos, Cosméticos, Saneantes e Outros Produtos, e dá outras Providências. Diário Oficial [da] União. 1976 set 24.

Mello MGS, Rozemberg B, Castro JSM. Domissanitários ou domitóxicos? A maquiagem dos venenos. Cad. Saúde Colet. 2015;23(2):101-8. doi:10.1590/1414-462X201400050074

Fanhani HR, Correa MI, Lourenço EB, Fernandes ED, Billó VL, Lorenson L, et al. Avaliação domiciliar da utilização de medicamentos por moradores do Jardim Tarumã, município de Umuarama, PR. Arquivos de Ciênc. Saúde Unipar. 2006;10(3):127-31. doi:10.25110/arqsaude.v10i3.2006.615

Bellan N, Pinto TJA, Kaneko TM, Moretto LD, Santos Junior N. Critical analysis of the regulations regarding the disposal of medication waste. Braz. j. pharm. sci. 2012;48(3). doi:10.1590/S1984-82502012000300018

Bound JP, Voulvoulis N. Household Disposal of Pharmaceuticals as a Pathway for Aquatic Contamination in the United Kingdom. Environ. Health Perspect. 2005;113(12):1705-11. doi:10.1289/ehp.8315

Amarante JAS, Rech TD, Siegloch AE. Avaliação do gerenciamento dos resíduos de medicamentos e demais resíduos de serviços de saúde na Região Serrana de Santa Catarina. Eng. Sanitária Ambiental. 2016;22(2):1-10. doi:10.1590/S1413-41522016150080

Maia M, Giordano F. Estudo da situação atual de conscientização da população de Santos a respeito do descarte de medicamentos. Rev. Ceciliana. 2012;4(1):24-28. Disponível em: http://www.unisanta.br/revistaceciliana

Alencar TOS, Machado CSR, Costa SCC, Alencar BR. Descarte de medicamentos: uma análise da prática no Programa Saúde da Família. Ciênc. Saúde Colet. 2014;19(7):2157-66. doi:10.1590/1413-81232014197.09142013

Soares FGN, Nascimento FG, Piedade MC, Vieira AI. Descarte de medicamentos: análise desta prática por moradores da cidade de Cruz Alta, Estado do Rio Grande do Sul. Rev. di@logus. 2015;4(1):1-21. Disponível em: http://revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/Revista/article/view/2813/538

Shaaban H, Alghamdi A, Alhamed N, Alziadi A, Mostafa A. Environmental Contamination by Pharmaceutical Waste: assessing Patterns of Disposing Unwanted Medications and Investigating the Factors Influencing Personal Disposal Choices. J Pharmacol Pharm Res. 2018;1(1):1-7. Available from: http://www.thebiomedica.org/articles/jppr.003.pdf

Zorpas A, Dimitriou M, Voukkali I. Disposal of household pharmaceuticals in insular communities: social attitude, behaviour evaluation and prevention activities. Environ. Sci. Pollut. Res. 2018;25(27):26725-35. doi:10.1007/s11356-017-9551-y

Glassmeyer ST, Hinchey EK, Boehme SE, Daughton CG, Ruhoy IS, Conerly O, et al. Disposal practices for unwanted residential medications in the United States. Environ. int. 2009;35(3):566-72. doi:10.1016/j.envint.2008.10.007

Mazzolli M, Ehrhardt-Brocardo NCM. Ocupação irregular em áreas de recarga do Aquífero Guarani e vegetação ripária em Lages-SC. Geosul. 2012;28(55):163-80. doi:10.5007/2177-5230.2013v28n55p164

Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento. Brasília, 2017. Disponível em: http://app4.cidades.gov.br/snisweb/src/Sistema/index

Heberer, T. Occurrence, fate, and removal of pharmaceutical residues in the aquatic environment: a review of recent research data. Toxicol. Lett. 2002;131(1-2):5-17. doi:10.1016/S0378-4274(02)00041-3

Locatelli MAF, Sodré FF, Jardim WF. Determination of antibiotics in Brazilian surface waters using liquid chromatography – electrospray tandem mass spectrometry. Arch. Environ. Contam. Toxicol. 2011;60(3):385-93. doi:10.1007/s00244-010-9550-1

Silva AAR, Passos RS, Simeoni LA, Neves FAR, Carvalho E. Use of sanitizing products: safety practices and risk situations. J. pediatr. 2014;90(2):149-54. doi:10.1016/j.jped.2013.08.011

Duavi WC, Gama AF, Morais PCV, Oliveira AHB, Nascimento RF, Cavalcante RM. Contaminação de ambientes aquáticos por “Agrotóxicos Urbanos”: O caso dos rios Cocó e Ceará, Fortaleza – Ceará, Brasil. Quím. nova. 2015;38(5). doi:10.5935/0100-4042.20150055

Hess SC, Soldi A. Riscos associados aos pesticidas domésticos piretroides. In: Hess SC. Ensaios sobre poluição e doenças no Brasil. São Paulo: Outras Expressões; 2018. p. 189-10.

Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamento: Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina. Relatório anual de 2015. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina: Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina; 2016.

Souza ROL, Seixas Filho JT, Miranda MG, Carvalho Neto FM. O impacto dos Produtos Domissanitários na Saúde da População do Complexo do Alemão – Rio de Janeiro. Química e Sociedade. 2015;37(2):93-7. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc37_2/04-QS-43-14.pdf

Beirens TM, Van Beeck EF, Dekker R, Brug J, Raat H. Unsafe storage of poisons in homes with toddlers. Accid. anal. prev. 2006;38(4):772-6. doi:10.1016/j.aap.2006.02.007

Publicado
18-12-2019
Como Citar
Agostinetto, L., Corrêa Coelho, V. G., Souza de Oliveira, H., Rodolfi Bianchini, J. ., Waltrich da Silva, G. ., Alegre de Lima, V., Godoy, V. ., Dexcheimer Alves, R. ., Koslowski Trombetta, L. C., Moraes Alves, S., & Siegloch, A. E. siegloch. (2019). Práticas adotadas para o descarte de resíduos de medicamentos e saneantes domissanitários por alunos da educação básica. Evidência, 19(2), 185-202. https://doi.org/10.18593/eba.v19i2.23084