Utilização de argila residual recuperada como meio adsorvente de óleo de fritura para produção de biodiesel

  • Beatriz Fernanda Bonfim de Souza Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Michel Rocha Baqueta Universidade Estadual de Campinas
  • Bruno Cesar Circunvis
  • Paulo Henrique Março
  • Ailey Aparecida Coelho Tanamati
Palavras-chave: Argila clarificante, Clarificação, Ativação térmica

Resumo

Para que os óleos atinjam qualidade sensorial desejada, eles passam por etapas de refino. A clarificação é uma dessas etapas, em que são usadas argilas clarificantes as quais aderem pigmentos indesejados naturais do óleo, tornando-o visualmente mais atraente para os consumidores. O problema está no descarte incorreto destinado a essas argilas, que são dispostas em aterros sanitários causando danos ao meio ambiente. Da mesma forma, óleos residuais de fritura trazem problemas quando descartados em pias e ralos, comprometendo os lençóis freáticos. Assim, uma solução para esse inconveniente seria a produção de biodiesel, já que este é produzido mediante óleos e gorduras, mesmo em estado de deterioração desde que atingidos os padrões físico-químicos de qualidade. Os objetivos do trabalho foram ativar termicamente a argila residual, purificar o óleo residual nessa argila recuperada e produzir via transesterificação ácida o biodiesel do óleo residual e do óleo purificado. Todas as análises físico-químicas foram realizadas de acordo com metodologias oficiais, e os espectros obtidos por meio do infravermelho próximo (NIR) foram tratados mediante Análise dos Componentes Principais (PCA). Foram realizadas análises físico-químicas após a ativação térmica da argila, obtendo-se resultados de umidade de 1,07%, acidez de 0,16 g ácido oleico.100g-1 e peróxidos 19,01 meq.kg-1. Para os insolúveis em éter não foram obtidos valores significativos, além de, por meio da técnica de NIR, ficar nítida a diferença existente entre a argila residual recuperada e a argila virgem. De posse dos resultados, os valores de acidez no óleo purificado e no óleo residual se mantiveram dentro dos padrões estipulados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), porém o índice de peróxidos ficou acima dos valores recomendados, evidenciando que o óleo se encontrava em processo de deterioração. Conclui-se que ativar termicamente a argila proveniente do processo industrial com o óleo residual é uma boa alternativa para a sua reutilização, pois contribui para que esse material não seja perdido e possivelmente descartado de forma incorreta, e, ainda, traz vantagens com relação à produção de biocombustível por meio de transesterificação ácida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michel Rocha Baqueta, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Bruno Cesar Circunvis

Graduado em Ciências Biológicas pela Uningá, mestre em Genética e melhoramento vegetal pela Universidade Estadual de Maringá.

Paulo Henrique Março

Docente na Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Ailey Aparecida Coelho Tanamati

Docente na Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Referências

Amaral L, Jaigobind SJ, Jaigobind AGA. Dossiê técnico-óleo de soja. Curitiba: Instituto de Tecnologia do Paraná; 2006.

Nelson DL, Cox MM. Princípios de bioquímica de Lehninger. 6a ed. Porto Alegre: Artmed; 2014. 1328 p.

Moreira ML, Rodrigues RM, Oliveira MPH, Lima A, Soares SRR, Batistela RV, et al. Influência de diferentes sistemas de solvente água-etanol sobre as propriedades físico-químicas e espectroscópicas dos compostos macrocíclicos feofitina e clorofila. Quim. Nova. 2010;44(2):258-62.

Patricio JS, Hotza D, Noni Junior A. Argilas adsorventes aplicadas à clarificação de óleos vegetais. Cerâmica. 2014;60(354):171-78. doi:10.1590/S0366-69132014000200002

Streit MN, Canterle LP, Canto MW, Heckthruer LHH. As Clorofilas. Ciênc. Rural. 2005;35(3):748-55.

Oliveira CG. Proposta de modelagem transiente para a clarificação de óleos vegetais – experimentos cinéticos e simulação do processo industrial [dissertação]. Florianópolis: Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina; 2001.

Baraúna OS. Processo de adsorção de pigmentos de óleo vegetal com argilas esmectitas ácido-ativadas [tese]. Campinas: Faculdade de Engenharia Química, Universidade Estadual de Campinas; 2006.

Cavalcanti JVFL, Abreu CAM, Sobrinho MAM, Baraúna OS, Portela LAP. Preparação e utilização de uma argila esmectítica organofílica como adsorvente de fenol. Quim. Nova. 2009;32(8):2051-57.

Garofalo MN. Regeneração de argilas clarificantes da indústria de refino de óleos vegetais [dissertação]. Florianópolis: Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina; 2011.

Foletto EL, Alves CCA, Porto LM. Regeneração e reutilização de uma argila comercial utilizada na clarificação de óleo vegetal. Cerâm. Ind. 2003;8(1):43-45.

Dabdoub MJ. Biodiesel em casa e nas Escolas: programa coleta de óleos de fritura. Ribeirão Preto: Laboratório de Desenvolvimento de Tecnologias Limpas, Universidade de São Paulo; 2006.

Santos AP, Pinto AC. Biodiesel: uma Alternativa de Combustível Limpo. Quím. Nova Escola. 2009;31(1):58-62.

Dib FH. Produção de biodiesel a partir de óleo residual reciclado e realização de testes comparativos com outros tipos de biodiesel e proporções de mistura em um motogerador [dissertação]. Ilha Solteira: Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; 2010.

Instituto Adolfo Lutz. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz: métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3a ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz; 2005.

American Oil Chemists Society. Official methods and recommended practices of the American Oil Chemists’ Society. 4th ed. Champaign, USA: AOCS; 2003.

Ferrarini H. Determinação de teores nutricionais do milho por espectroscopia no infravermelho e calibração multivariada [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2004.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde. Resolução de Diretoria Colegiada RDC nº 270, de 22 de setembro de 2005. Aprova o “Regulamneto Técnico para óles vegetais, gorduras vegetais e creme vegetal”. Diário Oficial [da] União. 2005 set 23 [Acesso em 2019 jul 14]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br

Sanibal EAA, Mancini Filho J. Alterações físicas, químicas e nutricionais de alimentos submetidos ao processo de fritura. Food Ingr South Am. 2002;1(3):64-71.

Costa Neto PR, Rossi LFS, Zagonel GF, Ramos LP. Produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da transesterificação de óleo de soja usado em frituras. Quim. Nova. 2000;23(4):531-37.

Moretto E, Fett R. Tecnologia de Óleos e Gorduras Vegetais na Indústria de Alimentos. São Paulo: Varela; 1998.

Veloso MCC. Compostos orgânicos voláteis e ácidos graxos em peixes marinhos [tese]. Salvador: Instituto de Química, Universidade Federal da Bahia; 2005.

Lima Lobato AKC, Souza DRQA, Moraes VCML, Costa TSM, Carneiro Júnior JAM, Almeida DF, et al. Caracterização de misturas de óleos de mamona e soja visando à produção de biodiesel. In: Anais do Sexto Congresso de Pesquisa e Desenvolvimento em Petróleo e Gás. Outubro 9-13, 2011. Florianópolis; 2011.

Del Ré P, Jorge N. Comportamento de óleos vegetais em frituras descontínuas de produtos pré-fritos congelados. Ciênc. Tecnol. Aliment. 2006;56-63.

Zheng S, Kates M, Dubé MA, Mclean DD. Biomass Bioenergy. 2006;267-72.

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Portaria nº 255, de 15 de setembro de 2003. Estabelece a especificação do biodiesel puro a ser adicionado ao óleo diesel automotivo para testes em frotas cativas ou para uso em processo industrial específico nos termos da Portaria ANP nº 240, de 25 de agosto de 2003. Diário Oficial [da] União. 2003 set [Acesso em 2019 jul 12]. Disponível em: http://www.anp.gov.br/?id=472

Rossitto CN, Nascimento RB, Jermolovicius LA. Cálculo do rendimento na preparação do biodiesel. São Caetano do Sul: Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia; 2009.

Silva CN. Obtenção de biocombustível a partir da reutilização de óleo vegetal de uso culinário. Santo André: Centro Universitário Fundação Santo André; 2012.

Publicado
17-12-2019
Como Citar
Bonfim de Souza, B. F., Rocha Baqueta, M., Circunvis, B. C., Março, P. H., & Coelho Tanamati, A. A. (2019). Utilização de argila residual recuperada como meio adsorvente de óleo de fritura para produção de biodiesel. Evidência, 19(2), 203-224. https://doi.org/10.18593/eba.v19i2.21427