Composição química e mobilização de reservas em sementes de Psidium cattleianum Sabine (Myrtaceae)

  • Romell Alves Ribeiro Dias
  • Luciana Magda Oliveira UDESC/CAV
  • Emerson Couto Rocha
Palavras-chave: Curva de embebição. Degradação de reservas. Germinação.

Resumo

Objetivou-se este estudo quantificar os componentes químicos e acompanhar a mobilização de reservas ao longo da germinação de sementes de Psidium cattleianum Sabine (Myrtaceae). Os frutos foram coletados de seis matrizes, localizadas em Lages, SC, e após o beneficiamento, foi determinada, para a semente, a composição química total, utilizando as porcentagens de proteínas, cinzas, lipídeos, carboidratos totais e umidade. Para os estudos relacionados à mobilização de reservas durante a germinação, inicialmente foi realizada a curva de embebição das sementes para a seleção dos pontos a serem utilizados (0, 6, 36, 120, 240 e 528 horas de embebição) com o objetivo de analisar as concentrações de proteína solúvel, açúcar solúvel e lipídeos totais. A composição química total das sementes de P. cattleianum é formada por carboidratos (55,78%), proteínas (13,30%) e lipídios (12,42%). O teor de água das sementes é de 17,49%, e 1,01% das sementes era composto por cinzas. As reservas de proteína solúvel, lipídeo e açúcar solúvel foram utilizadas durante a fase germinativa como fonte de energia e substrato para estruturas celulares. As sementes de P. cattleianum degradaram predominantemente lipídeos durante a germinação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Borges EEL. Comportamento bioquímico e fisiológico de sementes florestais nativas durante a embebição [tese de doutorado] [São Carlos, SP]: Universidade Federal de São Carlos; 2003.

Pontes AP, Borges EEL, Borges, RCG, Soares CPB. Mobilização de reservas em sementes de Apuleia leiocarpa (Vogel) J. F.Macbr. (garapa) durante a embebição. Rev Árvore 2002; 26(5):593-601.

Ziegler P. Carbohydrate degradation during germination. In: Kigel J, Galili G, editores. Seed development and germination. New York: Marcel Dekker; 1995. p. 447-74.

Bewley JD, Black M. Seeds: Physiology of development and germination. 2a ed. New York: Plenum Press; 1994. 445 p.

Buckeridge MS, Aidar, MPM, Santos HP, Tiné MA. Acúmulo de Reservas. In: Ferreira AG, Borghetti F, editores. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed; 2004. 324 p.

Carvalho NM, Nakagawa J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4a ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

Association of Official Seed Analysts. Seed vigour testing handbook [Handbook on seed testing. Contribuition, 32]. 1983. 88 p.

Lorenzi H. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e cultivos de plantas arbóreas do Brasil. 2a ed. São Paulo: Nova Odessa; 2002.

Climate-Data. 2015. [acesso em 2015 ago. 24]. Disponível em: http://pt.climate-data.org/

Governo do Estado de Santa Catarina. 2013. [acesso em 2017 jul. 16]. Disponível em: http://www.sc.gov.br

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA/ACS; 2009. 399 p.

Pregnolatto W, Pregnolatto NP, coordenadores. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1. 3. ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 1985. p. 25-26, 42-45.

Brasil. Ministério da Saúde. Farmacopéia Brasileira. 4a ed. São Paulo: Atheneu, 1988.

Bradford MM. A rapid and sensitive method for the quantification of microgram quantities of protein utilizing the principle of protein-dye binding. Anal Biochem. 1976; 72:248-54.

Silva DJ. Análise de alimentos -métodos químicos e biológicos. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa; 1990. 165 p.

Buckeridge MS, Dietrich SMC. Galactomannan from Brazilian legume seeds. Rev Bras Bot. 1990; 13:109-12.

Clegg KM. The application of the anthrone reagent to the estimation of starch in cereals. J Sci Food Agric. 1956; 3:40-4.

Kays EJ. Postharvest physiology of perishable plan products. New York: V.N. Reinhold; 1991.

Marcos Filho J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ; 2005. 495 p.

Suda NKC, Giorgini JF. Seed reserve composition and mobilization during germination and initial seedling development of Euphorbia heterophylla. Rev. Bras. Fisiol. Veg. 2000; 12(3):226-45.

Mayer AM, Poljakoff-Mayber A. The germination of seeds. Exeter: Pergamon Press; 1975.

Hammer MF, Murphy JB. Lipase activity and in vivo triacylglycerol utilization during Pinus edulis seed germination. Plant Physiol Biochem. 1994; 32(6):861-7.

Stone SL, Gifford DJ. Structural and biochemicalchanges in Loblolly pine (Pinus taeda) seeds during germination and early seedling growth. ll. Storage triacylglicerols and carbohydrates. Int J Plant Sci. 1999; 160(4):663-71.

Corte VB, Borges EEL, Pontes CA, Leite ITA, Ventrella MC, Mathias AA. Mobilização de reservas durante a germinação das sementes e crescimento das plântulas de Caesalpinia peltophoroides Benth. (Leguminosae-Caesalpinoideae). Rev. Árvore 2006; 30:941-9.

Publicado
13-12-2018
Como Citar
Dias, R., Oliveira, L., & Rocha, E. (2018). Composição química e mobilização de reservas em sementes de Psidium cattleianum Sabine (Myrtaceae). Evidência - Ciência E Biotecnologia, 18(2), 199-212. https://doi.org/10.18593/eba.v18i2.19635