Conservação de couve minimamente processada tratada com ácido ascórbico

  • Alexandra Goede de Souza Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
  • Jaqueline Carvalho Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
  • Jéssica Mayumi Anami Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
  • Fátima Rosangela de Souza Saraiva Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
Palavras-chave: Brassica oleracea L. var. acephala. Acidez titulável. pH. Sólidos solúveis.

Resumo

O objetivo neste trabalho foi avaliar a conservação pós-colheita da couve minimamente processada, tratada com ácido ascórbico e refrigerada. As folhas foram lavadas, picadas e submetidas aos tratamentos com imersão em água destilada seguida de armazenamento em temperatura ambiente; imersão em água destilada seguida de armazenamento refrigerado (10±1oC e umidade relativa (UR) de 90±5%); imersão em solução de ácido ascórbico na concentração de 2,5% seguida de armazenamento refrigerado (10±1oC e UR de 90±5%); e imersão em solução de ácido ascórbico na concentração de 5% seguida de armazenamento refrigerado (10±1oC e UR de 90±5%). Na colheita e após oito dias de armazenamento, foram avaliados a perda de massa fresca (MF), os sólidos solúveis (SS), a acidez total titulável (AT), a relação SS/AT, o pH e a murcha e o escurecimento aparentes. As maiores perdas de MF, a maior murcha e escurecimento aparentes, menores teores de SS e relação SS/AT ocorreram no tratamento com armazenamento em temperatura ambiente. A aplicação de ácido ascórbico, independente da dose, seguido do armazenamento com refrigeração, promoveu menor murcha e escurecimento aparente do tecido, mantendo a couve apta para o consumo até o oitavo dia do armazenamento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Goede de Souza, Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
Agronomia, área de fisiologia pós-colheita.
Jaqueline Carvalho, Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
Aluna de Agronomia
Jéssica Mayumi Anami, Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
Aluna de Agronomia
Fátima Rosangela de Souza Saraiva, Instituto Federal Catarinense - Campus Rio do Sul
Agronomia, Laboratorio de Fisiologia e pós-colheita.

Referências

Higdon JV, Delage B, Williams DE, Dashwood RH. Cruciferous vegetables and human cancer risk: epidemiologic evidence and mechanistic basis. Pharmacol Res. 2007; 55(3):224-36. doi.org/10.1016/j.phrs.2007.01.009

Serviço Brasileiro de apoio às Micro e Pequenas Empresas. Catálogo Brasileiro de Hortaliças. Brasília; 2010.

Maciel ME. Uma cozinha brasileira. Estud Hist. 2004; 33(1):25-39.

Podsedek A. Natural antioxidants and antioxidant capacity of Brassica vegetables: a review. LWT – Food Sci Technol. 2007; 40(1):1-11. doi.org/10.1016/j.lwt.2005.07.023

Korus A. Level of vitamin C, polyphenols, and antioxidant and enzymatic activity in three varieties of kale (Brassica oleracea L. var. acephala) at different stages of maturity. Int J Food Prop. 2009; 14(5):1069-80. doi.org/10.1080/10942910903580926

Sikora E, Cieslik E, Leszczynska T, Filipiak-Florkiewicz A, Pisulewski PM. The antioxidant activity of selected cruciferous vegetables subjected to aquatermal processing. Food Chem. 2008; 107(1):55-9. doi.org/10.1016/j.foodchem.2007.07.023

Filgueira FAR. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3a ed. Viçosa: UFV; 2008. 422 p.

.

Aguila JS Del, Sasaki FF, Heiffig LS, Ortega EMM, TRevisan MJ, Kluge RA. Effect of antioxidant in fresh cut radish during the cold storage. Braz Arch Biol Technol. 2008; 51(6):1217-23. doi.org/10.1016/j.jff.2014.04.049

Freddo AR, Cechin FE, Mazaro SM. Conservation of post-harvest leaves of green onion (Allium fistulosum L.) with the use of salicylic acid solution. Braz J Applied Technol Agricult Sci. 2013; 6(3):87-93. doi.org/10.5935/PAeT.V6.N3.10

Kluge RA, Geerdink GM, Tezotto-Uliana JV, Guassi SAD, Zorzeto TQ, Sasaki FFC et al. Qualidade de pimentões amarelos minimamente processados tratados com antioxidantes. Semina: Ciênc Agrár. 2014; 35(2):801-12. doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n2p801

Silva JM, Ongarelli MG, Aguila JS Del, Sasaki FF, Kluge RA. Métodos de determinação de clorofila em alface e cebolinha minimamente processadas. Rev. Iber. Tecnología Postcosecha. 2007; 8(2):53-9.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Compêndio da legislação brasileira de aditivos alimentares. Aprova o uso de produtos como aditivos para alimentos. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 269, de 22 de setembro de 2005. Aprova o regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Santos MP, Oliveira NRF. Ação das vitaminas antioxidantes na prevenção do envelhecimento cutâneo. Disciplinarum Scientia. 2014; 15(1):75-89.

Amarante CVT, Steffens CA, Ducroquet JPHJ, Sasso A. Qualidade de goiaba-serrana em resposta a temperatura de armazenamento e ao tratamento com 1-metilciclopropeno. Pesq. Agropec. Bras. 2008; 43(12):1683-9. doi.org/10.1590/S0100-204X2008001200007

Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4a ed. São Paulo, 2008. 1020 p.

Souza AG, Amarante CVT, Steffens CA, Benincá TDT, Padilha M. Postharvest quality of feijoa flowers treated with different preservative solutions and 1-Methylcyclopropene. Rev Bras Fruticultura. 2016; 38(4):e-759. doi.org/10.1590/0100-29452016759

Canteri MG, Althaus RA, Virgens JSV Filho, Giglioti EA, Godoy CV. SASM - Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft - Knott, Tukey e Duncan. Rev Bras Agrocomputação. 2001; 1(2):18-24.

Souza AG, Carvalho J, Anami JM. Refrigeração de ácido ascórbico na conservação de cebolinha-verde minimamente processada. RAC. 2018; 31(2):58-62. doi.org/10.22491/RAC.2018.v31n2.7

Chaves KF, Cruz WF, Silva VRO, Martins ADO, Ramos ALS, Silva MHL. Características físico-químicas e aceitação sensorial de abacaxi ‘Pérola’ minimamente processado adicionado com antioxidantes. T&CA. 2011: 5(1):35-9.

Lima LC, Costa SM, Vieites RL, Damatto ER Júnior. Efeito do ácido ascórbico em melões “Orange Flesh” minimamente processados. Alimentos e Nutrição. 2011; 22(2):291-9.

Evangelista RM, Vieites RL, Castro OS, Rall VLM. Qualidade de couve-chinesa minimamente processada e tratada com diferentes produtos. Ciênc Tecnol Alimen. 2009; 29(2):324-32. doi.org/10.1590/S0101-20612009000200014.

Rebelo AM, Casali EZ, Bertoldi FC. Controle de escurecimento enzimático em chips de yacon. Evidência. 2008; 8(1-2):7-16. doi.org/10.18593/eba.v8i1-2.1869

Pietro J, Mattiuz BH, Mattiuz CFM, Rodrigues TJD. Qualidade de rosas de corte tratadas com produtos naturais. Ciênc Rural. 2012; 42(10):1781-8. doi.org/10.1590/S0103-84782012005000071

Phetsirikoon S, Ketsa S, Van Doorn WG. Chiling injury in Dendrobium inflorescences is alleviated by 1-MCP treatment. Postharvest Biol Technol. 2012; 67(1):144-53. doi.org/10.1016/j.postharvbio.2011.12.016

Carnelossi MAG, Silva EO, Campos RS, Puschmann R. Respostas fisiológicas de folha de couve minimamente processada. Hort Bras. 2005; 23(2):215-20.

Cherut AJ. Changes in non-enzymatic antioxidant and ajmalicine production in Catharanthus roseus with different soil salinity regimes. Botany Research International. 2009;2(1):1-6.

Chitarra MIF, Chitarra AB. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras: UFLA; 2005. 785 p.

Salata AC, Cardoso AII, Evanglista RM, Magro FO. Uso de ácido ascórbico e cloreto de cálcio na qualidade de repolho minimamente processado. Hort bras. 2014; 32(4):391-7. doi.org/10.1590/S0102-053620140000400004

Barret DM, Beaulieu JC, Shewfelt R. Color, flavor, texture and nutritional quality of fresh-cut fruits and vegetables: desirable levels, instrumental and sensory measurement, and the effects of processing. Crit. Rev. Food Sci. Nutr. 2010; 50(5):369-89. doi.org/ 10.1080/10408391003626322.

Publicado
13-12-2018
Como Citar
Souza, A., Carvalho, J., Anami, J., & Saraiva, F. (2018). Conservação de couve minimamente processada tratada com ácido ascórbico. Evidência - Ciência E Biotecnologia, 18(2), 147-160. https://doi.org/10.18593/eba.v18i2.19242

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##