Caracterização físico-química de frutos nativos da região Sul do Brasil

  • Alexandra Goede de Souza Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
  • Ana Caroline Fassina Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
  • Fátima Rosangela de Souza Saraiva Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
  • Laércio de Souza Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
Palavras-chave: Frutos nativos. Vitamina C. Sólidos solúveis. Acidez tituláve. pH.

Resumo

Os frutos nativos vêm recebendo atenção especial, não apenas por seu uso in natura, mas também pela forma como são processados. Nesse sentido, o objetivo com  este trabalho foi avaliar atributos físico-químicos de sólidos solúveis (SS), acidez titulável (AT), relação SS/AT, pH e conteúdo de vitamina C em frutos de açaí (Euterpe edulis), araçá amarelo e vermelho (Psidium cattleianum), butiá (Butia capitata), guabiroba (Campomanesia xanthocarpa), jabuticaba (Plinia cauliflora) e pitanga (Eugenia uniflora) colhidos no ponto ideal de consumo. Os frutos foram processados e as análises realizadas no laboratório de Fisiologia e Pós-colheita do Instituto Federal Catarinense (IFC) de Rio do Sul. Os teores de AT foram obtidos por titulometria, os SS, por refratômetria digital, a relação entre SS/AT foi calculada pela divisão dos SS, pela AT, o pH foi determinado com pHmetro de bancada em suco extraído dos frutos, e o conteúdo de vitamina C foi determinado pelo método espectrofotométrico, utilizando-se 2,4-denitrofenilhidrazina. Frutos de guabiroba, açaí, butiá e jabuticaba apresentaram os maiores valores de AT e, junto com a pitanga, os maiores valores de SS. A jabuticaba apresentou maior pH, e o butiá e a pitanga os menores. O conteúdo médio de vitamina C foi de 56,14 mg100g-1 de massa fresca (MF), indicando que todos os frutos estudados são importantes fontes dessa vitamina, com destaque para a pitanga, com 76,59 mg100g-1 de MF. Os frutos apresentam características físico-químicas adequadas tanto para o consumo in natura quanto na forma processada.

Palavras-chave: Sólidos solúveis. Acidez titulável. PH. Vitamina C.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Goede de Souza, Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
Professora do Instituto Federal Catarinense – Campus Rio do Sul na área de Fisiologia Vegetal e Pós-colheita.
Ana Caroline Fassina, Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul
Acadêmica do Curso de Graduação em Agronomia do Instituto Federal Catarinense - campus Rio do Sul

Referências

Alves AM, Dias T, Hassimotto NMA, Naves MMV. Ascorbic acid and phenolic content, antioxidant capacity and flavonoids composition of Brazilian Savannah native fruits. J. Food Sci. Technol. 2017; 37(4):564-9. doi:10.1590/1678-457X.26716

Rosso VV. Bioactivities of Brazilian fruits and the antioxidant potential of tropical biome. Food and Public Health. 2013; 1(3):37-51. doi:10.5923/j.fph.20130301.05

Wu SB, Long C, Kennelly E. Phytochemistry and health benefits of jabuticaba, an emerging fruit crop from Brazil. Food Res Int. 2013; 54(1):148-59. doi:10.1016/j.foodres.2013.06.021

Oliveira VB, Yamada LT, Fagg CW, Brandão MGL. Native foods from Brazilian biodiversity as a source of bioactivity compounds. Food Res Int. 2012; 48(1):170-9. doi:10.1016/j.foodres.2012.03.011

Denardin CC et al. Antioxidant capacity and bioactive compounds of four Brazilian native fruits. J Food Drug Anal. 2015; 23(3):387-98. doi:10.1016/j.jfda.2015.01.006

Pereira MC et al. Characterization, bioactive compounds and antioxidant potential of three Brazilian fruits. J Food Drug Anal. 2013; 29(1):19-24. doi:10.1016/j.jfca.2012.07.013

Coradin L, Simisnski A, Reis A. Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: Plantas para o futuro – Região Sul. Brasília: MMA; 2011.

Lopes AS, Mattietto RA, Menezes HC. Estabilidade da polpa de pitanga sob congelamento. Ciência Tecnologia de Alimentos. 2005;25(3):553-9.

Campos RP, Hiane PA, Ramos MIL, Ramos Filho MM, Macedo MLR. Conservação pós-colheita de guavira (Campomanesia sp.). Rev Bras Fruticultura. 2012; 34(1):41-9. doi:10.1590/S0100-29452012000100008

Schotsmans WC, East A, Thorp G, Woolf AB. Feijoa (Acca sellowiana [Berg.] Burret). In Yahia EM, editor. Postharvest biology and technology of tropical and subtropical fruits: cocoa to mango. Cambridge: Woodhead Publishing; 2011. p. 115-133.

Costa GNS, Mendes MF, Araújo IO, Pereira CSS. Desenvolvimento de um iogurte sabor juçaí (Euterpe edulis Martius): avaliação físico-química e sensorial. TECCEN. 2012;5(2):43-58.

Rufino MSM, Alves RE, Brito ES, Pérez-Jiménez J, Saura-Calixto F, Mancini-Filho J. Bioactive compounds and antioxidant capacities of 18 non-traditional tropical fruits from Brazil. Food Chem. 2010; 121(1):996-1002. doi:10.1016/j.foodchem.2010.01.037

Santos MS, Petkowicz CLO, Pereira Netto AB, Wosiack G, Nogueira A, Carneiro EBB. Propriedades reológicas de doce em massa de araçá vermelho (Psidium cattleianum Sabiene). Rev Bras Tecnol Agroind. 2007; 1(2):104-16. doi:10.3895/S1981-36862007000200011

Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo; 2008.

Strohecker R, Henning HM. Análises de vitaminas: métodos comprovados. Madrid: Paz Montolvo; 1967.

Canteri MG, Althaus RA, Virgens Filho JS, Giglioti EA, Godoy CV. SASM - Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft - Knott, Tukey e Duncan. Rev Bras Agrocomputação. 2011; 1(2):18-24.

Silva NA, Rodrigues E, Mercadante AZ, Rosso VV. Phenolic compounds and carotenoids from four fruits native from the Brazilian Atlantic forest. J Agric Food Chem. 2014; 62(22):5072-84.

Schwartz E, Fachinello JC, Barbieri RL, Silva JB. Avaliações de populações de Butia capitata de Santa Vitória do Palmar. Rev Bras Fruticultura. 2010; 32(2):736-45. doi:10.1021/jf501211p

Lima JSS, Castro JMC, Sabino LBS, Torres LBV. Physicochemical properties of guabiroba (Campomanesia leneatifolia) and myrtle (Blepharocalyx salicifolius) native to the mountainous region of Ibiapaba-CE, Brazil. Rev Caatinga. 2016; 29(3):753-7.

Melo APC, Selequini A, Veloso VRS. Caracterização física e química de frutos de araçá (Psidium guineense Swartz). Comunicata Scientiae. 2013; 4(1):91-5.

Amarante CVT, Argenta LC, Basso C, Suzuki A. Composição mineral de maçãs ‘Gala’ e ‘Fuji’ produzidas no sul do Brasil. Pesq. Agropec. Bras. 2012;47(4):550-60. doi:10.1590/S0100-204X2012000400011

Oliveira AL, Brunini MA, Salandini CAR, Bazzo FR. Caracterização tecnológica de jabuticabas ‘Sabará’ provenientes de diferentes regiões de cultivo. Rev Bras Fruticultura. 2003; 25(3):397-400. doi:org/10.1590/S0100-29452003000300009

Gordon A et al. Chemical characterization and evaluation of antioxidant properties of açaí fruits (Euterpe oleraceae Mart.) during repining. Food Chemistry. 2012; (2):256-63. doi:10.1016/j.foodchem.2011.11.150

Chitarra MIF, Chitarra AB. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: FAEPE; 2005.

Brunini MA, Oliveira AL, Salandini CAR, Bazzo FR. Influência da embalagem e temperatura no armazenamento de jabuticabas (Myrciaria jabuticaba (Vell) Berg) cv “Sabará”. Ciênc Tecnol Aliment. 2004; 24(3):378-83. doi:10.1590/S0101-20612004000300013

Ministério da Agricultura e do Abastecimento (BR). Instrução Normativa n.01 de 07 de janeiro de 2000. Aprova o regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de frutas. Diário Oficial da União, Poder executivo. Brasília, DF: Ministério da Agricultura e do Abastecimento; 2000.

Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. Campinas: NEPA/UNICAMP; 2011.

Faria JP, Almeida F, Silva LCR, Vieira RF. Caracterização da polpa do coquinho-azedo (Butia capitata var. capitata). Rev Bras Fruticultura. 2008; 30(3):827-9. doi:10.1590/S0100-29452008000300045

Giacobbo CL, Zanuzo M, Chim J, Fachinello JC. Avaliação do teor de vitamina C em diferentes grupos de araçá-comum. Rev Bras Agrociência. 2008; 14(1):155-9. doi:10.18539/cast.v14i1.1899

Donadio LC, Moro FV, Servidone AA. Frutas brasileiras. São Paulo: Novos Talentos; 2004.

Barcia MT, Jacques AC, Pertuzatti PB, Zambiazi, R. C. Determinação de ácido ascórbico e tocoferóis em frutas por CLAE. Ciênc Alimen. 2010; 31(2):381-90.

Couto MAL, Canniatti–Brazaca SG. Quantificação de vitamina C e capacidade antioxidante de variedades cítricas. Ciênc Tecnol Alimen. 2010; 30(1):15-9. doi:10.1590/S0101-20612010000500003

Oliveira DS, Aquino PP, Ribeiro SMR, Proença RPC, Pinheiro-Sant’ana HM. Vitamina C, carotenoides, fenólicos totais e atividade antioxidante de goiaba, manga e mamão procedentes da Ceasa do estado de Minas Gerais. Acta Sci., Health Sci. 2011; 33(1):89-98. Disponível em: doi:10.4025/actascihealthsci.v33i1.8052

Amarante CVT, Souza AG, Benincá TDT, Steffens CA. Fruit quality of Brazilian genotypes of feijoa at harvest and after storage. Pesq Agropec Bras. 2017; 52(9):734-42. doi:10.1590/s0100-204x2017000900005

Rocha MS, Figueiredo RW, Araújo MAM, Moreira-Araújo RSR. Caracterização físico-química e atividade antioxidante (in vitro) de frutos do cerrado Piauiense. Rev Bras Fruticultura. 2013; 35(4):933-41. doi:10.1590/S0100-29452013000400003

Lee SK, Kader AA. Preharvest and postharvest factor influencing vitamin C content of horticultural crops. Postharvest Biol Technol. 2000; 20(3):207-20. doi:10.1016/S0925-5214(00)00133-2

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução RDC no 269, de 22 de setembro de 2005. Aprova o regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Publicado
28-06-2018
Como Citar
Souza, A. G. de, Fassina, A. C., Saraiva, F. R. de S., & Souza, L. de. (2018). Caracterização físico-química de frutos nativos da região Sul do Brasil. Evidência, 18(1), 81-94. https://doi.org/10.18593/eba.v18i1.16546

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##