Síndrome do X frágil: breve revisão e relato de caso

  • Laiamma Ribeiro do Amaral Faculdade Patos de Minas
  • Hugo Christiano Soares Melo Faculdade Patos de Minas
Palavras-chave: Síndrome do X-Frágil. Síndrome de Martin-Bell. Revisão. Registros Médicos

Resumo

A Síndrome do X Frágil é considerada a maior causa de retardo mental herdado, e a segunda causa genética mais comum de deficiência mental. Ela atinge todos os grupos étnicos e raças, porém tem pouca prevalência. Estima-se que a cada 1000 crianças nascidas vivas do sexo masculino, uma seja portadora da Síndrome, e que a cada 2000 crianças nascidas vivas do sexo feminino, uma seja afetada. Embora não sejam específicas, inúmeras alterações físicas e cognitivas podem ser relacionadas à Síndrome, como a deficiência mental, o dismorfismo facial e as alterações comportamentais. O objetivo com este estudo foi revisar brevemente a literatura disponível acerca da Síndrome do X Frágil e apresentar um relato de caso sobre uma criança recém-nascida diagnosticada com a doença. Para isso, bases de dados nacionais foram consultadas, e a confecção do relato clínico foi aprovada por um comitê de ética para descrever a sintomatologia inicial, os exames clínicos e a evolução da paciente com Síndrome do X Frágil a fim de auxiliar no diagnóstico de outros indivíduos que possam ter a Síndrome. É necessário que o diagnóstico da Síndrome seja feito o mais rápido possível em razão de que ela não tem cura, e o tratamento consiste em melhorar a qualidade e prolongar a vida do paciente afetado. O aconselhamento genético é indicado na maioria dos casos para evitar e prevenir novas aparições da Síndrome.

Palavras-chave: Síndrome de Martin-Bell. Revisão. Registros médicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Veiga MF, Toralles MBP. A expressão neurológica e o diagnóstico genético nas síndromes de Angelman, de Rett e do X-Frágil. Jornal de Pediatria. 2002;78:S55–62. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0021-75572002000700009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

França DCC, Maria DMC, Corrêa IPC, Aburad ATT, Aguiar SMHCÁ de. SÍNDROME DO X FRÁGIL. REVISTA FAIPE. 10 de junho de 2017 [citado 4 de novembro de 2017];1(1):1–5. Disponível em: http://revistafaipe.lifesistemas.com.br/index.php/RFAIPE/article/view/1

Rodrigueiro DA. Síndrome do cromossomo X frágil: análise intrafamilial das características clínicas, psicológicas, fonoaudiológicas e moleculares [Tese de doutorado]. [Botucatu - SP]: Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências de Botucatu; 2006. Disponível em: www2.ibb.unesp.br/posgrad/teses/genética_do_2006_debora_rodrigueiro.pdf

Volpato S, Anrain BC, Lanzzarin C, Bizzotto JF, Cachoeira SF, Frey MG, et al. SINDROME DO X FRÁGIL: UM BREVE REFERENCIAL TEÓRICO. Ação Odonto. 2013;1(1):109–16. Disponível em: https://editora.unoesc.edu.br/index.php/acaodonto/article/view/3863

Franco V. Síndrome do X frágil: pessoas, contextos & percursos [Internet]. 1ª ed. Évora: Edições Aloendro; 2013. 189 p. Disponível em: https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/9926/1/livro_sxf.pdf

Boy R, Correia PS, Llerena JC, Machado-Ferreira M do C, Pimentel MMG. Síndrome do X frágil: estudo caso-controle envolvendo pacientes pré e pós-puberais com diagnóstico confirmado por análise molecular. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. 2001;59(1):83–8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0004-282X2001000100017&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Laboratório Gene. X-Frágil Citogenético (Cariótipo) - Exames realizados pelo Laboratório Gene. Laboratório Gene. 2015. Disponível em: http://www.laboratoriogene.com.br/exames/x-fragil-citogenetico-cariotipo/

Centro de pesquisa sobre o genoma humano e células-tronco. Síndrome do cromossomo X frágil [Internet]. Projeto Genoma. Disponível em: http://www.genoma.ib.usp.br/pt-br/servicos/consultas-e-testes-geneticos/doencas-atendidas/sindrome-do-cromossomo-x-fragil

Gómez MKA, Acosta AX. Aspectos gerais da Síndrome do X-Frágil: principal causa hereditária de retardo mental. Revista de Ciências Médicas e Biológicas. 2007;6(2):197–203. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/4350

Castillo M, Mercedes M ª, Ejarque Doménech I, García Moreno A, Portilla A, Miguel L. Síndrome del cromosoma X frágil. Revista Clínica de Medicina de Familia. 2017;10(1):54–7. Disponível em: http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1699-695X2017000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=es

Amaral COF do, Sollitto KC, Santos TMD dos, Parizi AGS, Oliveira A de, Straioto FG. Características físicas e bucais em pacientes portadores da Síndrome do X-Frágil. Revista da Associacao Paulista de Cirurgioes Dentistas. 2012;66(2):128–35. Disponível em: http://revodonto.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0004-52762012000200007&lng=es&nrm=iso&tlng=pt

Rosso TRF, Dorneles BV. Contagem numérica em estudantes com síndromes de X-Frágil e Prader-Willi. Revista Brasileira de Educação Especial. 2012;18(2):231–44. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-65382012000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

Hessl D, Grigsby J. Fragile X-associated tremor/ataxia syndrome: another phenotype of the fragile X gene. The Clinical Neuropsychologist. 2016;30(6):810–4. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/13854046.2016.1186661

Stegani FC. Desafios na avaliação genético-molecular de pacientes com suspeita da síndrome do x-frágil atendidos na rede pública de saúde do estado de Goiás [Dissertação de mestrado]. [Goiania - GO]: Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 2011. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/2335

Christofolini DM, Pinheiro FS, Bianco B, Melaragno MI, Ramos MA de P, Brunoni D, et al. Síndrome de tremor e ataxia associada ao X frágil: rastreamento por PCR em amostra de idosos. Arq Bras Ciên Saúde. 30 de abril de 2009;34(1):22–6. Disponível em: https://www.portalnepas.org.br/abcs/article/view/141

Bailey DB, Raspa M, Bishop E, Holiday D. No Change in the Age of Diagnosis for Fragile X Syndrome: Findings From a National Parent Survey. Pediatrics. 2009;124(2):527–33. Disponível em: http://pediatrics.aappublications.org/content/124/2/527.

Modesto AM, Aguiar M de FM, Barbosa H, Vilela SSL, Santos M, Ferrari I, et al. Síndrome do X frágil: relato de caso em dois irmãos. J Pediatr (Rio J). 1997;73(6):419–22. Disponível em: http://www.jped.com.br/Redirect.aspx?varArtigo=572

Queiroz MA de. Avaliação de pré-mutação por PCR na síndrome do X frágil [Dissertação de mestrado]. [Florianópolis - SC]: Universidade Federal de Santa Catarina; 2006. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/88478

Floriani MA, Boas MRV, Rosa RFM, Trevisan P, Dorfman LE, Rosa RCM, et al. Relato de um paciente com a síndrome do X frágil identificada de forma inesperada por meio do cariótipo. J Bras Patol Med Lab. 2017;53(2):108–9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1676-24442017000200108&lng=en&nrm=iso&tlng=en

Publicado
19-12-2017
Como Citar
Amaral, L. R. do, & Soares Melo, H. C. (2017). Síndrome do X frágil: breve revisão e relato de caso. Evidência, 17(2), 135-150. https://doi.org/10.18593/eba.v17i2.16146