Uso de microcorrentes na cicatrização tecidual

Autores

  • Jovani Antônio Steffani UNOESC
  • Adarly Kroth Unoesc
  • Nádia Aparecida Lorencete
  • Fernanda Maurer D'Agostini

Resumo

Este trabalho experimental consistiu na avaliação dos efeitos do uso de microcorrentes em queimaduras de terceiro grau em ratos Wistar. A amostra foi composta por 100 animais que foram subdivididos em dois grupos, o primeiro grupo constituído por 50 ratos, que após a lesão por queimadura de terceiro grau recebeu aplicação de microcorrentes em um total de 15 sessões. O segundo grupo também constituído por 50 ratos, após a indução da lesão, permaneceu sem aplicação (grupo controle). O tratamento consistiu em utilizar a corrente elétrica (5 vezes por semana – 15 minutos cada sessão – forma bipolar de 80 microampères). Os resultados foram avaliados por meio de análises histológicas qualitativas e paquimétricas. O grupo de animais submetidos à aplicação de microcorrentes apresentou resposta cicatricial de forma mais rápida e ordenada, e menor resposta inflamatória em comparação com a resposta cicatricial do grupo de animais em que as microcorrentes não foram aplicadas (controle).

Palavras-chave: Queimaduras. Estimulação elétrica. Cicatrização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jovani Antônio Steffani, UNOESC

Professor Mestre Titular dos Cursos de Comunicação Social da Unoesc.

Adarly Kroth, Unoesc

Acadêmica formada em Comunicação Social – Habilitação em Publicidade e Propaganda pela Unoesc Campus Joaçaba em 2010.

Downloads

Publicado

29-03-2012

Como Citar

Steffani, J. A., Kroth, A., Lorencete, N. A., & D’Agostini, F. M. (2012). Uso de microcorrentes na cicatrização tecidual. Evidência, 11(1), 43–50. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/evidencia/article/view/1462