[1]
M. Šolc, “ Limitando o acesso a terapias não aprovadas: Uma prática paternalista?”, Esp.Jur., vol. 20, nº 2, p. 215-232, dez. 2019.