A HERMENÊUTICA AMBIENTAL E A RESPONSABILIZAÇÃO PELO DANO MORAL AMBIENTAL OBJETIVO / THE ENVIRONMENTAL INTERPRETATION AND THE RESPONSABILITY FOR THE MORAL OBJECTIVE ENVIRONMENTAL DAMAGE

  • Márcia Rodrigues Bertoldi Universidade Federal de Pelotas
  • Carla Pinheiro Freitas

Resumo

Resumo: O princípio da responsabilidade impõe um imperativo moral, no sentido de que se deve agir de modo que os direitos estabelecidos sejam compatíveis com a permanência de uma autêntica vida humana na Terra. É com a intenção de atar firmemente a efetiva responsabilização pelo dano ambiental ao imperativo moral em seu viés preventivo e repressivo que este trabalho se põe em marcha. Os modos de vida humanos individuais e coletivos das sociedades ocidentais evoluem no sentido de uma progressiva deterioração do meio ambiente. É a relação da subjetividade com sua exterioridade que se encontra comprometida. Se não houver uma rearticulação dos três registros fundamentais da ecologia – subjetivo, social e ambiental –, podemos, infelizmente, pressagiar a escalada de todos os perigos que envolvem a sociedade atual. Em lugar da relação harmônica e sustentável com o meio ambiente, as sociedades de consumo introduziram a ideia da subjetividade que constrói o mundo que a circunda. A relação do sujeito com o mundo no qual se encontra deve ser sua principal preocupação. Para isso, torna-se imprescindível um envolvimento com a efetiva proteção do meio ambiente, caso se queira manter a vida na Terra para as presentes e futuras gerações. A implementação de uma hermenêutica jurídica eminentemente ambiental é o caminho jurídico para a efetiva proteção do chamado bem ambiental, considerando-se as especificidades do bem em comento. Na esteira dessa hermenêutica, o dano moral ambiental objetivo encontra respaldo, e o seu agente pode ser responsabilizado.

Palavras-chave: Hermenêutica ambiental. Risco ambiental. Dano moral ambiental objetivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Rodrigues Bertoldi, Universidade Federal de Pelotas
Doutora em Direito pela Universitat de Girona. Professora e pesquisadora na Universidade Federal de Pelotas. Email: marciabertoldi@yahoo.com
Carla Pinheiro Freitas
Doutora em Direito pela PUC-SP. Psicóloga formada pela mesma instituição. Pesquisadora da Faculdades ALFA. Email: cpinheirofreitas@yahoo.com.br

Referências

ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 7ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

BECK, Ulrich. Risikogesellschaft. Auf dem Weg in eine andere Moderne. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1996.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE, José Rubens Morato. Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

DE PIERRO, Bruno. Visões Múltiplas. In: Pesquisa Fapesp. São Paulo: Ed. Fapesp, Ed.210, agosto 2013.

DRAI, Raphael/HARICHAUX, Michele. Bioéthique et Droit. Paris: PUF, 1988.

DINIZ, Maria Helena. O estado atual do biodireito. 2ª ed. São Paulo: Ed. Saraiva, 2002;

FOUCAULT. Michel. Les Mots et Les Choses. Paris: Galimard. 2010.

GUATTARI, Félix. As Três Ecologias. 14ª Ed. Campinas: Ed. Papirus, 2003.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. Processo Constitucional e Direitos Fundamentais. 6ª Ed. São Paulo: RCS Editora, 2009.

JONAS, Hans. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização

tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto. Ed. PUC-RIO, 2006.

LEITE, José Rubens Morato/AYALA, Patryck de Araújo. Direito Ambiental na Sociedade do Risco. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 2002.

LUHMANN, Niklas. Introdução à Teoria dos Sistemas. São Paulo: Vozes, 2007.

MORENO, José Luis Serrano. Ecología y Derecho, 2ª ed. Granada: Editorial Comares, 1992.

MÜLLER, Friedrich. Teoria Estruturante do Direito. 3ª Edição. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.

PADILHA, Norma Sueli. Fundamentos Constitucionais do Direito Ambiental Brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier Editora, 2010.

RICOEUR, Paul. Le conflit des interprétations. Paris: Éditions Points, 2013.

SANTOS, Boaventura de Souza. Semear outras soluções. Rio de Janeiro: Editora

Civilização Brasileira, 2005.

STRAUS, Leo. História da Filosofia do Direito. Barueri, SP: Manole, 2005.

Publicado
28-08-2015
Como Citar
Bertoldi, M. R., & Freitas, C. P. (2015). A HERMENÊUTICA AMBIENTAL E A RESPONSABILIZAÇÃO PELO DANO MORAL AMBIENTAL OBJETIVO / THE ENVIRONMENTAL INTERPRETATION AND THE RESPONSABILITY FOR THE MORAL OBJECTIVE ENVIRONMENTAL DAMAGE. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 16(2), 441-458. https://doi.org/10.18593/ejjl.v16i2.4034
Seção
Direitos Fundamentais Civis