DEFENSORIA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO E SUA CLIENTELA

  • André Filipe Pereira Reid dos Santos, Doutor, Professor da FDV-ES

Resumo

O objetivo do artigo é conhecer melhor a Defensoria Pública do Rio de Janeiro a partir do cruzamento de olhares entre os defensores públicos e os seus assistidos. Para isso, foram feitas pesquisas de campo com esses dois grupos. O resultado ao qual chegamos é de que a Defensoria Pública no Brasil goza de um baixo status social, que hoje, no Rio de Janeiro, é uma carreira jurídica que tende a experimentar um processo de feminização, e que pela proximidade/identificação com os pobres, os defensores públicos estão conscientes dos principais problemas sociais brasileiros. Por esta proximidade com os pobres, os defensores públicos do Rio de Janeiro se veem com a missão de defendê-los, desempenhando, ao mesmo tempo uma atividade profissional missionária e assistencial.  Por sua vez, os assistidos reforçam, nos próprios defensores públicos, esse senso de missão social à medida que esperam que estes façam ainda mais e melhor do que têm feito.

Palavras-chave: Defensoria Pública. Acesso à justiça. Desigualdade social.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Filipe Pereira Reid dos Santos, Doutor, Professor da FDV-ES
Sociólogo, Doutor em Humanidades e Professor do Programa de pós-Graduação Stricto Sensu em Direitos e Garantias Fundamentais da Faculdade de Direito de Vitória (FDV).
Publicado
10-10-2012
Como Citar
Santos, Doutor, Professor da FDV-ES, A. F. P. R. dos. (2012). DEFENSORIA PÚBLICA DO RIO DE JANEIRO E SUA CLIENTELA. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 14(1), 107-126. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/espacojuridico/article/view/1994
Seção
Direitos Fundamentais Civis