Precarização: palavra feminina

  • Patricia Tuma Martins Bertolin Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Nereida Salette Paulo da Silveira
Palavras-chave: Trabalho da mulher, Indústria têxtil, Precarização

Resumo

Este artigo decorreu de pesquisa financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e aplicada a uma unidade produtiva de uma grande empresa do setor têxtil (fiação e tecelagem), situada no interior de São Paulo, entre 2010 e 2014. A proposta consistiu em investigar a precarização do trabalho das mulheres no “chão de fábrica”, em suas diversas manifestações (como informalidade, baixos salários, baixo grau de proteção pelo Estado, fraca representatividade sindical, longas jornadas ou jornadas parciais e excessivo controle do empregador no processo produtivo), ouvidas as vozes das operárias, buscando compreender as razões da maior exposição das mulheres à precarização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Tuma Martins Bertolin, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutora em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo; Pós-Doutora pela Fundação Carlos Chagas; Professora do Curso de Graduação em Direito e do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito Político e Econômico da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Nereida Salette Paulo da Silveira

[1] Doutora em Administração de Empresas na Linha de Gestão Humana e Social pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Possui bacharelado em Psicologia pela Faculdades Metropolitanas Unidas (1984) e especialização em Administração de Negócios e Recursos Humanos pela FGV. Mestrado (2006) e doutorado (2010) em Administração de Empresas. Tem 22 anos de experiência na área de Administração de Recursos Humanos em empresas multinacionais de grande porte. Desde 2005 atua como pesquisadora e professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie nos seguintes temas: diversidade, gênero, mulheres nas organizações, diversidade etária, diversidade sócio-econômica, cultura e inclusão.

Referências

ABRAMO, Lais W. A inserção da mulher no mercado de trabalho: uma força de trabalho secundária? 2007. Tese (Doutorado em Sociologia) – Departamento de Sociologia, Faculdade de Sociologia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2007.

ABRAMO, Lais W. “Um olhar de gênero: visibilizando precarizações ao longo das cadeias produtivas”. In: ABRAMO, Lais; ABREU, A. R. de Paiva (org.). Gênero e Trabalho na Sociologia Latino-Americana. São Paulo: ALAST, 1998.

ARNOLD, Dennis; BONGIOVI, Joseph R. Precarious, informalizing, and flexible work: transforming concepts and understandings. American Behavioral Scientist, p. 1-20, 2012.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. 239 p.

BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins; CARVALHO, Suzete. “A segregação ocupacional da mulher: será a igualdade jurídica suficiente para superá-la?” In: ANDREUCCI, Ana Claudia Pompeu Torezan; BERTOLIN, Patrícia Tuma Martins (org.). Mulher, Sociedade e Direitos Humanos. São Paulo: Rideel, 2010.

BLAY, Eva Alterman. Trabalho Domesticado: a mulher na indústria paulista. São Paulo: Ática, 1978.

BOHLE, Philip et al. Working hours, work-life conflict and health in precarious and “permanent” employment. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. Supl., p. 19-25, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Dor relacionada ao trabalho: lesões por esforços repetitivos (LER): distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/dor_relacionada_trabalho_ler_dort.pdf. Acesso em: 10 out. 2015.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha; LOMBARDI, Maria Rosa. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n. 110, p. 67-104, jul. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742000000200003&script=sci_arttext. Acesso em: 15 jul. 2015.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha; RICOLDI, Arlene Martinez. Revendo estereótipos: o papel dos homens no trabalho doméstico. Estudos Feministas, v. 20, n. 1, p. 259-287, 2012.

DEDECCA, Claudio Salvadori. Sobre tempos e gênero na sociedade brasileira. In: LIMA, Maria Ednalva Bezerra de et al. (org.). Transformando a relação de trabalho e cidadania: produção, reprodução e sexualidade. São Paulo: CUT/BR, 2007.

EYDOUX, Anne; MATH, Antoine; PERIVIÉR, Hélène. European labour markets in times of crisis: a gender perspective. Revue de l'OFCE, n. 133, 2014. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-de-l-ofce-2014-2-page-7.htm. Acesso em: 26 nov. 2019.

GHERARDI, Silvia; POGGIO, Barbara. “Creating and recreating gender order in organizations”. Journal of World Business, v. 36, i. 3, p. 245-259, Autumn 2001. Avalaible from: http://ac.els-cdn.com/S1090951601000542/1-s2.0-S1090951601000542-main.pdf?_tid=241f8b78-89b8-11e3-8381-00000aab0f26&acdnat=1391091152_5bf8779399e1740ee9e9cba7655f4441. Access on: 18 dez. 2013.

GHERARDI, Silvia; POGGIO, Barbara. “Pratiche di conciliazione: tra fluidità del lavoroe trappole di genere”. Convegno Nazionale ed Europeo Che “genere” di conciliazione? Famiglia, lavoro e Genere: equilibri i squilibri, Torino, Italia, 2003.

GIDDENS, Anthony. The constitution of society: Outline of the theory of structuration. Berkeley: Universtity of California Press, 1984.

GUIRALDELLI, Reginaldo. Adeus à divisão sexual do trabalho: desigualdade de gênero na cadeia produtiva da confecção. Sociedade e Estado, v. 27, n. 3, p. 709-732, 2012.

HIRATA, Helena. A crise mundial e o impacto da reestruturação produtiva na divisão sexual do trabalho. In: COSTA, Albertina et al. (org.). Divisão Sexual do Trabalho, Estado e Crise do Capitalismo. Recife: SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

HIRATA, Helena. A Precarização e a Divisão Internacional e Sexual do Trabalho. Sociologias, v. 11, n. 21, p. 24-41, jan./jun. 2009.

HIRATA, Helena. Tendências recentes da precarização social e do trabalho: Brasil, França, Japão. Caderno CRH, Salvador, v. 24, 2011. Edição especial. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010349792011000400002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 out. 2016.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios. 2010. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/93/cd_2010_caracteristicas_populacao_domicilios.pdf. Acesso em: 18 set. 2015.

IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira – 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=291983. Acesso em: 18 set. 2015.

KAMADA, Fabiana Larissa. A Regulamentação do Trabalho Doméstico à Luz da Teoria Feminista: da invisibilidade ao reconhecimento. 2013. 170 p. Dissertação (Mestrado em Direito Político e Econômico) – Faculdade de Direito, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2013.

MELO, Hildete Pereira de; CONSIDERA, Claudio Monteiro; DI SABBATO, Alberto. Os afazeres domésticos contam. Economia e Sociedade, v. 16, n. 3, p. 435-454, Dez. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-06182007000300006&lng=en&nrm=is. Acesso em: 27 set. 2015.

NASCIMENTO, Sara Diniz. Precarização do trabalho feminino: a realidade das mulheres no mundo do trabalho. Temporalis, v. 14, n. 28, p. 39-56, jul./dez. 2014.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. Corpos saudáveis e corpos doentes na nova organização social do trabalho. In: ROCHA, Maria Isabel Baltar da (org.). Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. Campinas: ABEP; NEPO/UNICAMP: CEDEPLAR/UFMG; São Paulo: Editora 34, 2000.

POSTHUMA, Anne Caroline; LOMBARDI, Maria Rosa. Mercado de trabalho e exclusão social da força de trabalho feminina. São Paulo em perspectiva, v. 11, n. 1, 1997.

RIZEK, Cibele Saliba; LEITE, Márcia de Paula. Dimensões e Representações do Trabalho Fabril Feminino. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, 1998.

SALIM, Celso Amorim. Doenças do trabalho: exclusão, segregação e relações de gênero. São Paulo em perspectiva, v. 17, n. 1, p. 11-24, 2003.

SEADE. Mercado de Trabalho Feminino no Estado de São Paulo 1994 – 1998. São Paulo: Fundação SEADE, 2000. p. 28.

SEWELL JUNIOR, Willian. Theory of Structure: Duality, Agency, and Transformation. The American Journal of Sociology, Chicago, v. 98, n. 1, p. 1-29, July 1992.

SOUZA, Lorena Francisco de Souza; RATTS, Alecsandro. Raça e gênero sob uma perspectiva geográfica: espaço e representação. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 28, p. 143-156, n. 1, 2008.

VOSKO, Leah F. Precarious employment: understanding labour market insecurity in Canada. McGill-Queen's Press-MQUP, 2006.

YOUNG, Marisa C. Gender Differences in Precarious Work Settings. Relations Industrielles, v. 65, n. 1, p. 74-97, Winter 2010.

Publicado
12-12-2019
Como Citar
Bertolin, P. T. M., & Silveira, N. S. P. da. (2019). Precarização: palavra feminina. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 20(2), 355-376. https://doi.org/10.18593/ejjl.17363
Seção
Direitos Fundamentais Sociais