DEUS É AMOR: ACULTURAÇÃO RELIGIOSA E ETNOCÍDIO ENTRE OS GUARANI KAIOWÁ NA ALDEIA BORORÓ DE DOURADOS, MS

  • Fabíola Renata Caldas UFGD
  • Antonio José Guimarães Brito

Resumo

Tivemos por objetivo no presente trabalho analisar a evangelização realizada pelas missões evangélicas e católicas em povos indígenas, destacando os diferentes métodos utilizados pelas missões, que seriam a transculturação e a inculturação. Outrossim, discutimos o genocídio cultural, também denominado etnocídio, conduta não tipificada como crime, tampouco reconhecida perante o Tribunal Penal Internacional e o Estatuto de Roma, mas que decorre do extermínio do “outro”, por meio da destruição da sua cultura, religião, língua, etc. Ao final, analisamos a atuação dos evangélicos em aldeias de Dourados e seu entorno, dando enfoque ao caso concreto da Igreja Pentecostal Deus é Amor, entre o povo Guarani Kaiowá, na Aldeia Bororó na cidade de Dourados, que sofreu e ainda sofre uma forma de genocídio cultural por meio da transculturação realizada por essa missão evangélica.

Palavras-chave: Missões. Povos indígenas. Etnocídio.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola Renata Caldas, UFGD
Pós-graduanda em Direitos Humanos e Cidadania da UFGD
Antonio José Guimarães Brito
professor adjunto da Faculdade de Direito e Relações Internacionais da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados
Publicado
11-10-2012
Como Citar
Caldas, F., & Guimarães Brito, A. (2012). DEUS É AMOR: ACULTURAÇÃO RELIGIOSA E ETNOCÍDIO ENTRE OS GUARANI KAIOWÁ NA ALDEIA BORORÓ DE DOURADOS, MS. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 14(1), 215-232. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/espacojuridico/article/view/1283
Seção
Direitos Fundamentais Sociais