Crucifixos em repartições públicas: do exame de constitucionalidade de uma prática administrativa baseada na tradição

  • Leonardo Martins Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Diogo Caldas Leonardo Dantas

Resumo

Resumo: A constitucionalidade da presença de crucifixos nas repartições públicas brasileiras ainda não foi adequadamente avaliada pela literatura jurídica e pelos tribunais. Partindo-se de uma análise da situação concreta e das decisões pertinentes, buscou-se encontrar o fundamento normativo de tal prática e da argumentação jurídica usada pelos órgãos estatais que avaliaram o caso e chancelaram a prática com fulcro meramente consuetudinário. Fez-se a análise em abstrato das normas constitucionais pertinentes da Constituição Federal (CF) para, então, proceder-se à análise da constitucionalidade da determinação administrativa da presença de crucifixos. Trata-se, em suma, de se responder, fundamentadamente, se e em que medida se está diante de uma intervenção estatal no direito fundamental à liberdade de crença, e se tal intervenção restaria justificada constitucionalmente, caso em que o art. 5°, VI, da Constituição Federal não teria sido violado. Conclui-se pela ausência de uma justificação constitucional e consequente verificação da violação do direito fundamental decorrente do mesmo art. 5°, VI. Palavras-chave: Constituição Federal. Direitos fundamentais. Liberdade de crença. Crucifixos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Martins, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (1994), mestre (LL.M.) em Jurisdição Constitucional pela Humboldt-Universität zu Berlin (1997), Alemanha e doutor (doctor iuris) em Direito Constitucional pela Humboldt-Universität zu Berlin (2001), Alemanha. Pós-doutoramentos pelo Hans-Bredow-Institut (Pesquisa em Regulação da Comunicação Social) junto à Univ. de Hamburg, Alemanha (2004) e pelo Erich Pommer Institut (Direito e Economia da Com. Social) como Fellow da Fundação Alexander v. Humboldt (2010) e mais duas vezes pela Humboldt-Universität zu Berlin (2011 e 2013-14). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Foi Professor Visitante na Humboldt-Universität zu Berlin (de 2001 a 2012). 
Diogo Caldas Leonardo Dantas
Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) (2015). Especialista em Direito Constitucional pela UFRN (2012). Graduado em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2011). Advogado.

Referências

ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Trad. de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros, 2008.

BARBALHO, Alexandre. Textos Nômades: política, cultura e mídia. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2008.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2004.

BASTOS, Celso Ribeiro; MARTINS, Ives Gandra. Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 1989, v. 2.

______; MEYER-PFLUG, Do Direito Fundamental à Liberdade de Consciência e de Crença. In: PIOVESAN, Flávia; GARCIA, Maria (org.). Coleção Doutrinas Essenciais: Direitos Humanos – Direitos Civis e Políticos. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011, v. 2.

BAUMAN, Zygmunt. Ensaios Sobre o Conceito de Cultura. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BOYER, Véronique. Passado Português, Presente Negro e Indizibilidade Ameríndia: o caso de Magazão Velho, Amapá. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, vol. 28, n. 2, p. 11-29, 2008.

CANOTILHO, J. J. Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7 ed. Coimbra: Editora Almedina, 2000.

CARVALHO FILHO. Manual de Direito Administrativo. 11 ª ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.

COUTO, Reinaldo. Patrimônio Cultural Artístico. In: MAMEDE, Gladston; FRANCA FILHO, Marcílio Toscano; RODRIGUES JÚNIOR, Otávio Luiz (Org.). Direito da Arte. São Paulo: Atlas, 2015, p. 189-208.

CUCHE, Denys. A Noção de Cultura nas Ciências Sociais. Trad. Viviane Ribeiro. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração (EDUSC), 1999.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 27ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2014.

DIMOULIS, Dimitri. Manual de Introdução ao Estudo do Direito. 4 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

______; MARTINS, Leonardo. Teoria Geral dos Direitos Fundamentais. 5 ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Atlas, 2014.

EAGLETON, Terry. A Idéia de Cultura. Trad. Sandra Castello Branco. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

FAORO, Raymundo. Os Donos do Poder: formação do patronato político brasileiro. 6 ed. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1984, v. 1.

FREITAS, Juarez. O Controle dos Atos Administrativo e os Princípios Fundamentais. 4ª ed. refundida e ampliada. São Paulo: Malheiros, 2009.

GABLE, Eric. What heritage does and does not to identity: some answers from an ethnographic perspective. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 51-70, jan/jun, 2005.

GIUMBELLI, Emerson. A Presença do Religioso no Espaço Público: modalidades no Brasil. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, vol. 28, n. 2, p. 80-101, 2008.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n. 23, p. 15-36, jan/jun, 2005.

______. Autenticidade, Memória e Ideologias Nacionais: o problema dos patrimônios culturais. In: GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Antropologia dos Objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro, 2007, p. 117-138.

HERSKOVITS, Melville J. Man and his Works: antropologia cultural. Trad. Maria José de Carvalho e Hélio Bichels. 8 ed. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1963a, t. I.

______. Man and his Works: antropologia cultural. Trad. Maria José de Carvalho e Hélio Bichels. 8 ed. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1963b, t. II.

HESSE, Konrad. Elementos de Direito Constitucional da República Federal da Alemanha. Trad. Luís Afonso Heck. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editor, 1998.

HOEBEL, E. Adamson. A natureza da cultura. In: SHAPIRO, Harry L (org.). Homem, Cultura e Sociedade. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1966, p. 208-222.

HOLANDA, Sergio Buarque de (direção). História Geral da Civilização Brasileira: A época colonial – Do descobrimento à expansão territorial. 5 ed. São Paulo: Difel, 1976, t. 1, v.1.

______. História Geral da Civilização Brasileira: A época colonial – Administração, economia e sociedade. 3 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973, t. 1, v. 2.

______. Raízes do Brasil. 26 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KEESING, Felix M. Antropologia Cultural. Trad. José Veiga. 2 ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1972a, v. 1.

______. Antropologia Cultural. Trad. Waltensir Dutra. 2 ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1972b, v. 2.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 8 ed. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2012.

KAPLAN, David; MANNERS, Robert A. Teoria da Cultura. 2ª ed. Trad. Zilda Kacelnik. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

LEITE, Fábio Carvalho. O Laicismo e Outros Exageros Sobre a Primeira República no Brasil. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, vol. 31, n. 1, p. 32-60, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves. Antropologia: uma introdução. 2ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 1989.

MARMELSTEIN, George. Curso de Direitos Fundamentais. 4 ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MARTINS, Leonardo (org.). Cinquenta Anos de Jurisprudência do Tribunal Constitucional Federal Alemão. Coletânea original: Jurgen Schwabe. Montevideo: Konrad Adenauer Stiftung, 2005.

______. Direito Processual Constitucional Alemão. São Paulo: Atlas, 2011.

______. Liberdade e Estado Constitucional: leitura jurídico-dogmática de uma complexa relação a partir da teoria liberal dos direitos fundamentais. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 25 ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

MENDES, Gilmar Ferreira; BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. 3 ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2000, t. IV.

MIRANDA, Pontes de. Comentários à Constituição de 1946. Rio de Janeiro: Henrique Cahen Editor, 1947, v. 3.

NORONHA, Ibsen. Considerações sobre Direito, Arte e Religião. In: MAMEDE, Gladston; FRANCA FILHO, Marcílio Toscano; RODRIGUES JÚNIOR, Otávio Luiz (Org.). Direito da Arte. São Paulo: Atlas, 2015, p. 87-116.

NOVELINO, Marcelo. Manual de Direito Constitucional. 8. Ed. rev. e atual. São Paulo: Método, 2013.

NOWAK, John E.; ROTUNDA, Ronald D. Principles of Constitutional Law. St. Paul: West, 2007.

PIEROTH, Bodo; SCHLINK, Bernhard. Direitos Fundamentais. Trad. António Francisco de Sousa e António Franco. São Paulo: Saraiva, 2012.

QUERINO, Ana Célia; LEHFELD, Lucas de Souza. Os direitos culturais na ordem constitucional: uma análise das Emendas Constitucionais 42/2003, 48/2005 e 71/2012. In: Revista de Direito Constitucional e Internacional. São Paulo, vol. 90, p. 201-214, jan.-mar., 2015.

RIBEIRO, Darcy. O Povo Brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia de Letras, 1995.

RIBEIRO. René. Antropologia da Religião e Outros Estudos. Recife: Editora Massangana, 1982.

ROCHA, Cristina; VÁSQUEZ, Manuel A. O Brasil na Nova Cartografia Global da Religião. In: Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, vol. 34, n. 1, p. 13-37, jun., 2014.

ROTMAN, Mônica; CASTELLS, Alícia Norma González de. Patrimônio e cultura: processos de politização, mercantilização e construção de identidades. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; ECKERT, Cornélia; BELTRÃO, Jane Felipe (org.). Antropologia e Patrimônio Cultural: Diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letras, 2007, p. 57-79.

SALAINI, Cristian Jobi; GRAEFF, Lucas. A respeito da materialidade do patrimônio imaterial: o caso do INRC Porongos. In: Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 17, n. 36, p. 171-195, jul/dez, 2011.

SANTOS JÚNIOR, Aloísio Cristovam dos. A interferência do judiciário nos assuntos internos das organizações religiosas: quais os limites?. In.: Espaço Jurídico, Joaçaba, v. 11, n. 1, p. 37-62, jan./jun. 2010.

SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 10 ed. rev., atual. e ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2010.

______; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de Direito Constitucional. 1 ed. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2012.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 33 ed. São Paulo: Editora Malheiros, 2009.

SILVA, Virgílio Afonso da. Direito Fundamentais: conteúdo, essencial, restrições e eficácia. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

TAVARES, André Ramos. Paradigmas do Judicialismo Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2012.

TITIEV, Mischa. Introdução a Antropologia Cultural. Trad. João Pereira Neto. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1963.

TYLOR, Edward B. Researches into the Development of Mythology, Philosophy, Religion, Language, Art and Custom. New York: Henry Hold and Company, 1883.

VELHO, Gilberto. Patrimônio, negociação e conflito. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; ECKERT, Cornélia; BELTRÃO, Jane Felipe (org.) Antropologia e Patrimônio Cultural: Diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letras, 2007, p. 249-261.

Publicado
20-12-2016
Como Citar
Martins, L., & Dantas, D. C. L. (2016). Crucifixos em repartições públicas: do exame de constitucionalidade de uma prática administrativa baseada na tradição. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 17(3), 885-912. https://doi.org/10.18593/ejjl.v17i3.10247