O CARÁTER SIMBÓLICO DA CIRCULAÇÃO DO SANGUE: UMA REFLEXÃO SOBRE A EXPLORAÇÃO DAS INFORMAÇÕES GENÉTICAS DE POVOS INDÍGENAS -- THE SYMBOLIC CHARACTER OF BLOOD CIRCULATION: A REFLECTION ON THE EXPLORATION OF THE GENETIC INFORMATION ABOUT INDIGENOUS PEOPLE

Autores

  • Christine Noiville Diretora de Pesquisa do CNRS. Diretora do Centre Droit, Sciences et Techniques, UMR 8103 de Droit Comparé, Université Panthéon-Sorbonne (Paris 1).
  • Florence Bellivier Professora da Université Paris Ouest - Nanterre La Défense.
  • Rosalice Fidalgo Pinheiro Professora da Universidade Federal do Paraná e do Programa de Mestrado em Direito do Centro Universitário Autônomo do Brasil. Bolsista pós-doutoranda da CAPES nº 5255-2014/7, no Centre Droit, Sciences et Techniques, UMR 8103 de Droit Comparé, Université Panthéon-Sorbonne (Paris 1). Os aspectos relativos ao direito brasileiro são o resultado de pesquisa pós-doutoral realizada por esta coautora no Centre Droit, Sciences et Techniques, UMR 8103 de Droit Comparé, Université Panthéon-Sorbonne (Paris 1).

DOI:

https://doi.org/10.18593/ejjl.v17i2.10128

Resumo

Neste artigo teve-se por objetivo refletir sobre o caráter simbólico da circulação do sangue e a exploração de informações genéticas de povos indígenas. Para esse fim, compararam-se dois casos, colocando em jogo a coleta de sangue irregular. O primeiro, a respeito do povo Yanomami, foi objeto de um acordo internacional, realizado entre o Ministério Público Federal e universidades norte-americanas, o que resultou no repatriamento das amostras de sangue ao Brasil. O segundo, a respeito do povo Karitiana, deu lugar a uma ação civil pública, proposta pelo Ministério Público Federal, que resultou em uma indenização ordenada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região por dano moral sofrido pelos índios. Os dois casos convidam a examinar três questões sensíveis: a vulnerabilidade dos povos indígenas em face ao princípio do consentimento livre e esclarecido, exigido para a coleta do material genético; a insuficiência do princípio da gratuidade e o desafio da repartição de benefícios, quando se trata de explorar as informações genéticas humanas; e as recompensas comparadas da indenização financeira e da restituição das amostras em face às aspirações igualitárias dos povos indígenas em questão.

Palavras-chave: Coleta de sangue. Consentimento livre e esclarecido. Contrato de repartição de benefícios. Dano moral. Povos indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

¬¬¬BARBOZA, H. H. Responsabilidade por danos morais derivados de pesquisas genéticas com povos indígenas ou comunidades locais. In: Genoma humano : aspectos éticos, jurídicos e científicos da pesquisa genética no contexto amazônico. Belém: Centro Universitário do Pará, CESUP, 19-20 mai 2005, p. 83-89.

BELLIVIER, F.; NOIVILLE, C. Contrats et vivant. Le droit de la circulation des ressources biologiques. Paris : LGDJ, 2006.

___. Les biobanques. Paris: PUF, 2009.

BONNARD, J. Méthodes de travail de l’étudiant en droit. Paris : Hachette, 5ª edição, 2011.

BRASIL, Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Apelação Cível nº 2002.41.00.004037-0/RO, jul. 17 out. 2007, Desembargadora Selene Maria de Almeida.

___. Tribunal Superior de Justiça. Recurso Especial nº 598.281, julgado em 02 de maio de 2006, relator Ministro Luiz Fux.

DINIZ, D. Avaliação ética em pesquisa social: o caso do sangue Yanomami. Revista Bioética, São Paulo, nº 15 (20), p. 284-297, 2007.

FRANÇA, Conselho de Estado, Ácordão nº 349717, 23 jul. 2014. Disponível em: http://www.aca-europe.eu/WWJURIFAST_WEB/DOCS/BE02/BE02002239.pdf. Acesso em; 22 mar. 2016.

GEDIEL, J. A. P. Le statu juridique du corps humain : le droit brésilien, in : BAUDOUIN, J.-L (et a.). Le droit de la santé. Aspects nouveaux. Paris-Bruxelles : LB2V-Bruylant. Coleção Travaux de l’Association Henri Capitant, t. 59 (Journées suisses, 2009), p. 95-108, 2012.

___. Os transplantes de órgãos e a invenção moderna do corpo. Curitiba: Moinho do Verbo, 2000.

GEERTZ, C. O saber local. Novos ensaios em antropologia interpretativa. Tradução de Vera Mello Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 1998.

HERMITTE, M. Á. Le sang et le droit. Essai sur la transfusion sanguine, Seuil, 1996.

LE ROBERT MICRO. Dictionnaire de la langue française. Paris: Dictionnaires Le Robert, 1998.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: MAUSS, M. Sociologia e antropologia. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MAZOUZ, A. Le prix du corps humain, G. Loiseau (dir.), thèse université Paris 1 Panthéon-Sorbonne, soutenue le 10 décembre 2014.

MAZZONI, C. M. Le don, c’est le drame. Le don anonyme et le don despotique. Revue Trimestrielle de Droit Civil, Paris: Dalloz, n. 4, p. 701-712, oct./dec. 2004.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM RORAIMA. Em cerimônia, índios Yanomami enterram sangue repatriado dos Estados Unidos. Roraima, 07 abril 2015. Disponível em: http://www.prrr.mpf.mp.br/noticias/07-04-15-em-cerimonia-indios-yanomami-enterram-sangue-repatriado-dos-estados-unidos/ Acesso em: 22 mar. 2016.

PELLEGRINO, S. Imagens e substâncias como vínculos de pertencimento : as experiências Wajãpi e Yanomami. Tese (doutorado)em Antropologia, Universidade São Paulo, 2008.

SÁ, M. de F. F. de; MOUREIRA, D. L. Bancos de amostras biológicas humanas (biobancos) e a realidade normativa brasileira. In: IACOMINI, Vanessa (coord.). Biodireito e genoma humano: perspectivas jurídicas. Curitiba: Juruá, 2013.

SCHIOCCHET, T. Acesso e exploração de informação genética humana: da doação à repartição de benefícios. Tese (doutorado). Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-graduação em Direito. Curitiba, 2010.

SURVIVAL, Brésil : Restitution d’échantillons de sang prélevés sur les Yanomami il y a près de 50 ans. France, 15 abril 2015. Disponível em: http://www.survivalfrance.org/actu/10736. Acesso em: 22 mar. 2016.

THÉODULE, M. L. Le sang Yanomami. La Recherche, nov. 2003. Disponível em: http://www.larecherche.fr/savoirs/portfolio/sang-yanomami-01-11-2003-86897. Acesso em: 22 mar. 2016.

VELDEN, F. F. V. Por onde o sangue circula: os Karitiana e a intervenção biomédica. Dissertação de mestrado. Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2004.

VIOLA, R. O papel da responsabilidade civil na tutela coletiva. TEPEDINO, G.; FACHIN, L. E. (coord.). Diálogos sobre direito civil, vol. II. Rio de Janeiro: Renovar, 2008, p. 383-405, p. 398.

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Noiville, C., Bellivier, F., & Pinheiro, R. F. (2016). O CARÁTER SIMBÓLICO DA CIRCULAÇÃO DO SANGUE: UMA REFLEXÃO SOBRE A EXPLORAÇÃO DAS INFORMAÇÕES GENÉTICAS DE POVOS INDÍGENAS -- THE SYMBOLIC CHARACTER OF BLOOD CIRCULATION: A REFLECTION ON THE EXPLORATION OF THE GENETIC INFORMATION ABOUT INDIGENOUS PEOPLE. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 17(2), 547–562. https://doi.org/10.18593/ejjl.v17i2.10128