Incorporação de pó de casca de ovo de galinha em misturas de solo-cimento

Autores

  • Gilberto Regalin Júnior Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Fabiano Alexandre Nienov Universidade do Oeste de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.18593/cc.v9.30067

Palavras-chave:

Estabilização, Solo-Cimento, Pó de casca de ovo de galinha

Resumo

O solo é um dos elementos mais importantes dentro da engenharia, visto que ele serve como suporte para as construções. Desse modo, torna-se evidente o conhecimento das características na determinação da capacidade de suporte. Quando o solo por si só não consegue atender aos esforços impostos, cabe a necessidade do seu melhoramento, o que possibilita ganho de resistência. Nesse contexto, a casca de ovo de galinha, insumo composto basicamente por carbonato de cálcio, traz consigo características benéficas para o uso em melhoramento de solo. Sendo assim, o presente estudo avalia o uso de biochares (cinza ou carvão vegetal), feitos por meio da incineração de cascas de ovos de galinha em diferentes temperaturas, juntamente com solo argiloso e cimento, em teores variados. Para isso, determinou-se a resistência à compressão simples de corpos de prova cilíndricos e o índice de atividade pozolânica, esse último com incorporação de biochares, que foram produzidos a 400, 500 e 600 oC. Os traços adotados tiveram substituição de solo por biochar nos teores de 4%, 6%, 8%, 10% e 12%, e adição de cimento sob a massa total de 8%. De modo geral, o aumento do teor de substituição de solo por biochar provocou o ganho de resistência à compressão simples, na tendência de 18,1%. Além disso, o traço com 12% de substituição do solo por biohcar, obtido com incineração a 500 oC, e 8% de adição de cimento sobre a massa total demonstrou um ganho de resistência de 29,7% em relação ao traço composto somente por solo e 8% de adição de cimento, demonstrando assim benefícios no uso do resíduo. Enquanto isso, o índice de atividade pozolânica não foi superior a 90% em nenhum dos casos, o que não caracteriza os biochares como sendo materiais pozolânicos. Entretanto, observa-se que o acréscimo da temperatura de incineração das cascas de ovos no preparo do biochar trouxe consigo o aumento de até 9% do índice de atividade pozolânica. Sendo assim, a utilização das cinzas de cascas de ovos em misturas com solo argiloso e cimento traz consigo um potencial benéfico, tanto pelo ganho de resistência, como pelo reaproveitamento de um resíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Eva Clícia de Jesus et al. Características físicas de ovos de galinhas nativas comparadas a linhagem de postura. Archivos de Zootecnia, v. 68, n. 261, p. 82-87, 2019.

ALZAIDY, Mohammed N. J., Experimental study for stabilizing clayey soil with eggshell powder and plastic wastes. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON SUSTAINABLE ENGINEERING TECHNIQUES, 2., 2019, Bagdá. Anais [...]. Bagdá, 2019. Disponível em: https://iopscience.iop.org/article/10.1088/1757-899X/518/2/022008/pdf. Acesso em: 08 jun. 2021.

AMARAL, Mateus Carvalho et al. Soil–cement bricks incorporated with eggshell waste. Waste and Resource Management, v.166, ed. WR3, p. 137-141, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1680/warm.12.00024. Acesso em: 08 jun. 2021.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5752 - Materiais pozolânicos - Determinação do índice de desempenho com cimento Portland aos 28 dias. Rio de Janeiro, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6457 - Amostras de solo - Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização. Rio de Janeiro, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6459 - Solo - Determinação do limite de liquidez. Rio de Janeiro, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6502 - Rochas e solos - Teminologia. Rio de Janeiro, 1995.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7180 - Solo - Determinação do limite de plasticidade. Rio de Janeiro, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7181 - Solo - Análise granulométrica. Rio de Janeiro, 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7182 - Solo - Ensaio de compactação. Rio de Janeiro, 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7215 - Cimento Portland - Determinação da resistência à compressão de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro, 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12653 - Materiais pozolânicos - Requisitos. Rio de Janeiro, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PROTEÍNA ANIMAL - ABPA. Relatório Anual 2020. São Paulo, 2020.

AZEVÊDO, André Luis Cairo. Estabilização de solos com adição de cal: um estudo a respeito da reversibilidade das reações que acontecem após a adição de cal. 2010. Dissertação (Mestrado em Geotecnia) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2010. Disponível em: http://www.repositorio.ufop.br/handle/123456789/2281. Acesso em: 08 jun. 2021.

BASHIR, Amal S. M.; MANUSAMY, Yamuna. Characterization of Raw Egg Shell Powder (ESP) as A Good Bio-filler. Journal of Engineering Research and Technology, v. 2, ed. 1, p. 56-60, 2015. Disponível em: https://journals.iugaza.edu.ps/index.php/JERT/article/view/1637/1569. Acesso em: 08 jun. 2021.

BERALDO, Antonio Ludovico; NAGUMO, César Hideo. Compósito casca de ovo e argamassa de cimento Portland. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, 2004, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, 2004. Disponível em: https://www.ipen.br/biblioteca/cd/ictr/2004/ARQUIVOS%20PDF/01/01-012.pdf. Acesso em: 08 jun. 2021.

CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos solos e suas aplicações: fundamentos. 6. ed., rev. ampl. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. ME 093 - Solos -determinação da densidade real. Rio de Janeiro, 1994.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM. PRO 003 - Coleta de amostras deformadas de solo. Rio de Janeiro, 1994.

GOULARTE, Cristina Lemos; PEDREIRA, Celso Luis da Silva. Estabilização química de solo com adição de cimento ou cal como alternativa de pavimento. Associação Brasileira de Mecânica dos Solos, Rio Grande, 2009. Disponível em: https://docplayer.com.br/storage/62/47616873/1623158751/ujlvJzO5S3gKfeWkiB2bGg/47616873.pdf. Acesso em: 08 jun. 2021.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010.

MTALLIB, Musa Osiregbhemhe Abdul; RABIU, A. Effects of eggshells ash (ESA) on the setting time of cement. Nigerian Journal of Technology, v. 28, n. 2, p. 29-38, 2009. Disponível em: https://www.ajol.info/index.php/njt/article/view/123436. Acesso em: 08 jun. 2021.

OKONKWO, Ugochukwu N.; ODIONG, Inyeneobong Cletus; AKPABIO, E. E. The effects of eggshell ash on strength properties of cement-stabilized lateritic. International Journal of Sustainable Construction Engineering & Technology, v. 3, p. 18-25, 2012.

PRIETTO, Pedro Domingos Marques. Estudo do comportamento mecânico de um solo artificialmente cimentado. 1996. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/149702/000189066.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 08 jun. 2021.

RAUSCHKOLB, Guilherme. Estudo para utilização de resíduo gerado pela fabricação de celulose e papel no melhoramento do solo. 2018. Relatório de Estágio Supervisionado II (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, 2018.

ROJAS, José Waldomiro Jiménez. Estabilização de solo. Caçapava do Sul: Universidade Federal do Pampa, 2015. (Coleção Ciências do Pampa). Disponível em: http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/engenhariasanitariaeambiental/files/2015/09/Caderno-1-Estabilização-de-Solos.pdf. Acesso em: 08 jun. 2021.

SARTORI, Guilherme. Estudo de estabilização de solos para fins de pavimentação na região de Campo Mourão. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2015. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/6672/1/CM_COECI_2015_2_13.pdf. Acesso em: 08 jun. 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-06

Como Citar

Regalin Júnior, G., & Nienov, F. A. (2022). Incorporação de pó de casca de ovo de galinha em misturas de solo-cimento. Conhecimento Em Construção, 9, 221–242. https://doi.org/10.18593/cc.v9.30067