Estudo comparativo do consumo e custos de concreto e aço para a estrutura de um edifício alto dimensionada com diferentes classes de resistência de concreto

Autores

  • Mileise Luelin Gonçalves
  • Jhulis Marina Carelli Unoesc
  • Maiara Foiato

Palavras-chave:

Concreto armado, Resistência à compressão, Consumo dos materiais, Custo da estrutura

Resumo

Em virtude da elevada formação de centros urbanos com grande concentração demográfica e da maior necessidade de edificações mais esbeltas, se faz necessário, por parte do engenheiro civil, avaliar criteriosamente as condições de estabilidade, levando em consideração a influência que a classe de resistência do concreto tem no comportamento da estrutura e no custo final da edificação. Em virtude disso, analisou-se a variação no consumo de aço e concreto em estruturas dimensionadas com concretos com resistências C30 a C90, adotando o mesmo valor de coeficiente GamaZ, em estruturas com diferentes seções de pilares e vigas, com diferentes seções somente nas vigas, com diferentes seções somente em pilares, além de avaliar os efeitos de punção decorrentes em algumas estruturas. Através desta pesquisa, verificou-se que o consumo de aço foi afetado pela armadura mínima estabelecida pela NBR 6118 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2014) e constatou-se que os concretos do grupo I da NBR 8953 (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2015) são mais viáveis economicamente do que os do grupo II, pois a estrutura que apresentou menor custo foi a C30 do Estudo I.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118 - Projeto de estruturas de concreto - Procedimento. Rio de Janeiro, 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 8953 - Concreto para fins estruturais – Classificação pela massa específica, por grupos de resistência e consistência. Rio de Janeiro, 2015.

CARVALHO, Roberto. Chust.; FIGUEIREDO FILHO, Jasson Rodrigues de. Cálculo e detalhamento de estruturas de concreto armado: segundo a NBR 6118:2014. 2. ed. São Carlos: Editora EdUFCar, 2015.

GARCIA, Raphael Barp. Avaliação da atmosfera marinha em estruturas de concreto na região de Florianópolis – SC. 2008. 193 p. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

HELENE, Paulo R. do Lago. Corrosão em armaduras de concreto. São Paulo: PINI, 1986.

LIMA, Juliana Soares. Verificações da punção e da estabilidade global em edifícios de concreto: desenvolvimento e aplicação de recomendações normativas. 2001. 249 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Estruturas) – Universidade de São Paulo, São Carlos – SP, 2001.

MONCAYO, Winston Junior Zumaeta. Análise de segunda ordem global em edifícios com estrutura de concreto armado. 2011. 211 p. Dissertação (Mestrado em Ciência e Programa de Engenharia Civil) – Universidade de São Paulo, São Carlos – SP, 2011.

PAIXÃO, João Fernando Martins; ALVES, Elcio Cassimiro. Análise de Estabilidade Global em Edifícios Altos. Revista Eletrônica de Engenharia Civil, Espírito Santo, v. 13, n. 1, p. 48-63, 31 ago. 2016. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/reec/article/view/39552. Acesso em: 02 mar. 2019.

SILVA, Carolina Ribeiro da. Punção em lajes de concreto armado com furo e transferência de momento – comparação de normas. 2018. 220 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo – SP, 2018.

ZAMBILO, Lilian Cristina. Estudo comparativo do consumo e custos de concreto e aço para uma estrutura dimensionada com diferentes classes de resistência de concreto. 2018. 126 p. Relatório de Estágio Supervisionado II (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, 2018.

Downloads

Publicado

25-05-2021

Como Citar

Luelin Gonçalves, M., Carelli, J. M., & Foiato, M. (2021). Estudo comparativo do consumo e custos de concreto e aço para a estrutura de um edifício alto dimensionada com diferentes classes de resistência de concreto. Conhecimento Em Construção, 8, 119–148. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/conhecconstr/article/view/27200