Estudo e Análise dos Índices de Produtividade de um Edifício Comercial e Residencial na Cidade de Joaçaba

  • Thauan Lucas Casarim Unoesc
  • Scheila Lockstein
Palavras-chave: Fôrmas, Armação, Concretagem, Produtividade, Cronograma, Gerenciamento de Projetos

Resumo

Este estudo de caso relata a produtividade da mão de obra para execução das estruturas de concreto armado, em uma edificação comercial e residencial, de 12.143,46m², na Cidade de Joaçaba, SC. O objetivo deste trabalho é obter e analisar os índices de produtividade da mão de obra, seus condicionantes e interferências, além de utilizá-los em um comparativo de cronogramas. Na análise de resultados, pretende-se ainda aplicar os conceitos de gerenciamento de projetos. Os dados em obra foram coletados diariamente, e após o seu processamento através de planilhas, obteve-se valores de homens hora por quantidade de serviço realizada. Para a presente pesquisa adotou-se a Razão Unitária de Produção (RUP) e então mediu-se a produtividade na execução dos serviços, ou seja, a relação entre as entradas (Homens x horas) e as saídas (quantidade de serviço). Após a obtenção dos índices, foi elaborado um cronograma base, utilizando o software Microsoft Project, para comparação com o que foi executado em obra. Em relação aos índices de produtividade dos serviços acompanhados, apenas o serviço de fôrma de pilares ultrapassou o índice médio das Tabelas de Composição de Preços para Orçamentos (2010), os demais serviços ficaram abaixo deste índice. Ressalta-se que quanto menor o valor, mais produtivo será a atividade. No desenvolvimento dos cronogramas, elaborou-se o cronograma base adotando índices de produtividade das atividades através das Tabelas de Composição de Preços para Orçamentos (2010), e tendo as quantidades a serem executadas, com as equipes padrão determinadas, foram encontradas as horas necessárias para a equipe padrão executar determinada atividade. Após a montagem do cronograma, foi executada a comparação e constatou-se que a execução em obra gerou uma economia de tempo de, aproximadamente, 35%. Concluindo, foram aplicados os conceitos do gerenciamento de projetos e demonstrou-se os fatores conflitantes entre as restrições. Com o custo e qualidade como restrições principais do projeto (ou seja, os drivers), as análises precisam ser executadas em cima disso, adaptando as demais restrições, até que todos os requisitos do projeto sejam cumpridos. Nota-se, portanto, que o gerente de projetos deve deter de conhecimento multidisciplinar para organizar, planejar e controlar um projeto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. A produtividade da construção civil brasileira. São Paulo: FGV Projetos, 2012. 34 p.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Estatísticas. Indicadores Industriais. 2017. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/estatisticas/indicadores-industriais/. Acesso em: 14 abr. 2017.

DANTAS, José Diogo Formiga. Produtividade da mão de obra – Estudo de caso: métodos e tempos na indústria da construção civil no subsetor de edificações na cidade de João Pessoa- PB. 2011. 68 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

FARIA, Renato. Planejamento: cronograma físico-financeiro. Revista Equipe de Obra, São Paulo: Pini, 2011. Disponível em: http://equipedeobra.pini.com.br/construcao-reforma/35/artigo213994-1.aspx. Acesso em: 15 abr. 2017.

MELO, Maury. Gerenciamento de Projetos para a Construção Civil. Rio de Janeiro: Brasport, 2010. 491 p.

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos do Gerenciamento de Projetos. 5. ed. Tradução: PMBOK® (Project Management Body of Knowledge) Guide. EUA: Newton Square, 2013.

TABELAS DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS PARA ORÇAMENTOS. 13. ed. São Paulo: PINI, 2010.

Publicado
27-05-2020
Como Citar
Casarim, T. L., & Lockstein, S. (2020). Estudo e Análise dos Índices de Produtividade de um Edifício Comercial e Residencial na Cidade de Joaçaba. Conhecimento Em Construção, 7(1), 101-120. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/conhecconstr/article/view/23895