Diagnóstico das condições de saneamento básico da comunidade de São Roque, Lacerdópolis, SC

  • Nathaniel D'Agostini UNOESC
  • Lucas Quiocca Zampieri
Palavras-chave: Saneamento Básico, Permeabilidade, Compostagem, Wetlands construídos

Resumo

Em se tratando da atual situação da saúde das pessoas e da qualidade do meio ambiente a nível mundial, destaca-se o reconhecimento da importância do saneamento básico. Abrangendo principalmente o abastecimento de água, resíduos sólidos, esgotamento sanitário e drenagem urbana, esse tema tem repercutido muito nos últimos anos. Em função disso, através de políticas ambientais, leis, tecnologias e hábitos humanos, busca-se melhorar continuamente as diretrizes do saneamento básico. Este trabalho foi elaborado por meio de pesquisa e visitas realizadas na comunidade de São Roque em Lacerdópolis, SC. Entrevistando os moradores que residem no local, obteve-se os dados necessários para diagnosticar as condições de saneamento presentes na comunidade, a qual possui 38 habitantes. Além das entrevistas, dentre os objetivos do trabalho, realizou-se ensaios de permeabilidade no solo em campo em dois pontos escolhidos e fez-se a caracterização dos mesmos possibilitando a classificação do solo. Verificou-se a potabilidade da água, perante os requisitos microbiológicos da bibliografia, em cinco pontos diferentes de coleta, podendo assim alertar os responsáveis de possíveis não conformidades. Foram identificados os resíduos sólidos e sua destinação, além da disposição dos tratamentos de esgoto existentes, verificando se estão compatíveis. Como complemento da pesquisa, ainda foram propostas soluções coletivas tanto para compostagem dos resíduos orgânicos quanto para o esgotamento sanitário por meio de wetlands construídos. Após finalizar os ensaios de permeabilidade, verificou-se valores entre 3,44 x 10-5 e 8,91 x 10-5 cm/s para o solo 1 e 2,60 x 10-3 cm/s até 1,31 x 10-4 cm/s para o solo 2. Conforme a granulometria e a classificação dos solos, facilitou o entendimento do comportamento dos solos. Se apresentando como silto argiloso, o solo 2 resultou em coeficientes de permeabilidade maiores que o solo 1, classificado como argila. Com os resultados da pesquisa, conseguiu-se avaliar a qualidade microbiológica da água, a capacidade dos tratamentos de esgoto existentes, quantificar o lixo gerado em uma das residências, além de pré-dimensionar um local para depósito do lixo reciclável e calcular um pátio de compostagem coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Henrique Bolacel. Avaliação da condutividade hidráulica no laboratório e no campo em um solo siltoso da central de tratamento de resíduos da Caturrita. 2005. 153 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA. Ensaios de permeabilidade em solos: Orientações para execução em campo. 4. ed. São Paulo: ABGE, 2013. 69 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6459 – Solo – Determinação do limite de liquidez. Rio de Janeiro, 2016a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7180 – Solo – Determinação do limite de plasticidade. Rio de Janeiro, 2016b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7181 – Solo – Análise granulométrica. Rio de Janeiro: ABNT, 2016c.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229 – Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro, 1993.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004 – Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13969 – Tanques sépticos – Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos – Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro, 1997.

'CADA REAL INVESTIDO EM SANEAMENTO ECONOMIZA R$4 NA SAÚDE', DIZ MINISTRO. Globo News, 19 out. 2011. Disponível em: http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2011/10/cada-real-investido-em-saneamento-economiza-r4-na-saude-diz-ministro.html. Acesso em: 6 ago. 2017.

CAPUTO, Homero Pinto. Mecânica dos Solos e Suas Aplicações. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1996. 234 p.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES. DNER –ME 093: Solos – determinação da densidade real. Rio de Janeiro, 1994.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual de saneamento. 3. ed. Brasília, DF: FNS, 2006. 408 p.

GOOGLE MAPS. “Lacerdópolis, SC”. 2017. Disponível em: https://www.google.com/maps/@-27.2297359,-51.5749943,291m/data=!3m1!1e3.html. Acesso em: 8 ago. 2017.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Manual para implantação de compostagem e de coleta seletiva no âmbito de consórcios públicos. Brasília, DF: MMA, 2010. 69 p.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n. 2.914, de 12 de dezembro de 2011. Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília, DF: MS, 2011.

PAZZETTO, Morgane Brogni. Estudo de Permeabilidade de Solos Argilosos Disponíveis para Recuperação de Áreas Degradadas pela Mineração de Carvão no Sul de Santa Catarina. 2009. 98 p. Trabalho de Conclusão de Curso – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, 2009. Disponível em: http://www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/00003E/00003EA7.pdf. Acesso em: 1 set. 2017.

PINTO, Juliane dos Santos. Estudo da condutividade hidráulica de solos para disposição de resíduos sólidos na região de Santa Maria. 2005. 154 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2005.

TSUTYIA, Milton T. Abastecimento de água. 3. ed. São Paulo: Departamento de Engenharia Hidráulica e Sanitária da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2006. 643 p.

Publicado
27-05-2020
Como Citar
D’Agostini, N., & Zampieri, L. Q. . (2020). Diagnóstico das condições de saneamento básico da comunidade de São Roque, Lacerdópolis, SC. Conhecimento Em Construção, 7(1), 45-64. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/conhecconstr/article/view/23846