Avaliação da influência da altura de lançamento na resistência à compressão do concreto

  • Paulo Roberto Trombetta
  • Jackson Antônio Carelli
Palavras-chave: Concreto, Altura de lançamento, Resistência à compressão

Resumo

As principais causas dos problemas em estruturas de concreto, como redução da durabilidade e resistência mecânica, são provenientes de falhas no processo de concretagem, por exemplo, nas etapas de lançamento ou adensamento do concreto. Neste estudo foram avaliados resultados de variação de resistência à compressão quando um concreto é lançado de alturas elevadas. Para tanto, foram definidas cinco alturas diferentes (1,5, 2,0, 2,5, 3,0 e 3,5 m) de lançamento de concreto, moldando-se três corpos de prova prismáticos de cada ponto de lançamento. Os corpos de prova tinham dimensões de 30 cm de largura, 15 cm de espessura e 50 cm de altura. Para a concretagem se utilizou um único traço de concreto, fazendo com que a altura fosse o principal fator de influência nos resultados. Para o teste de resistência à compressão foram extraídos testemunhos da base dos corpos de prova prismáticos. Observou-se nos resultados que, para a altura de lançamento de 1,5 m, os valores de resistência à compressão foram ligeiramente superiores que nos demais casos, o que indica que o lançamento do concreto de alturas mais elevadas pode resultar na perda de resistência à compressão. Os resultados das amostras do concreto lançado de 2,50 m tiveram uma divergência significativa em relação aos demais casos, indicando a ocorrência de algum problema, mas que não pode ser identificado. Verificou-se visualmente nos testemunhos extraídos a ausência de vazios oriundos de falhas de concretagem.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5738 – Procedimento para moldagem e cura de corpos de prova. Rio de Janeiro, 2015a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5739 – Ensaios de compressão de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7680 – Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto. Rio de Janeiro, 2015b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR NM 67 – Concreto: Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone. Rio de Janeiro, 1998.

ITAMBÉ. Apostila de ensaios de concretos e agregados. 3. ed. Curitiba: [S. n.], 2011.

MEHTA, P. Kumar; MONTEIRO, Paulo J. M., Concreto: Microestrutura, Propriedades e Materiais. São Paulo: Editora Ibracon, 2008.

NEVILLE, A. M.; BROOKS, J. J. Tecnologia do Concreto. Porto Alegre: Bookman Editora, 2013. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=cqY5AgAAQBAJ&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false. Acesso em: 5 set. 2015

RIBEIRO, Rosemeri. Proteja seu Concreto. Itambé, 18 dez. 2007. Disponível em: http://www.cimentoitambe.com.br/proteja-seu-concreto-3/. Acesso em: 5 set. 2015

VASCONCELOS, Ananda et al. Boas práticas na concretagem de pilar. [S. l.: s. n.], 2011. Disponível em: http://docslide.com.br/documents/boas-praticas-na-concretagem-pilar.html. Acesso em: 5 set. 2015
Publicado
22-08-2019
Como Citar
Trombetta, P. R., & Carelli, J. A. (2019). Avaliação da influência da altura de lançamento na resistência à compressão do concreto. Conhecimento Em Construção, 6, 49-60. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/conhecconstr/article/view/21834