DA MARGINALIDADE À INCLUSÃO: A SOCIALIZAÇÃO POR INTERMÉDIO DA EDUCAÇÃO

Autores

  • Mônica de Mattia UNOESC
  • Paulino Eidt UNOESC

Resumo

O presente artigo pretende ser uma problematização teórica sobre uma área pouco pesquisada na educação brasileira: a educação no presídio. Parte-se do princípio que a educação deve ser o meio para a (re)inserção social, pois obedece às demandas legais referentes aos direitos de acesso à escolarização, ao mesmo tempo que visa aos propósitos da ruptura com o processo de exclusão/marginalidade. As práticas socioeducativas são desenvolvidas constantemente e têm proporcionado a motivação e autoestima dos presos. O processo de ressocialização ainda é desafiador, pois, embora os presidiários acreditem nessa possibilidade, isto depende de um trabalho de conscientização na sociedade para que o preconceito não determine a vida do ex-presidiário tão logo adquira a liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Mattia, M. de, & Eidt, P. (2011). DA MARGINALIDADE À INCLUSÃO: A SOCIALIZAÇÃO POR INTERMÉDIO DA EDUCAÇÃO. Colóquio Internacional De Educação, 1(1). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/coloquiointernacional/article/view/1248

Edição

Seção

Eixo 5. Educação, Diversidade e Justiça Social