BULLYING E FILHOS DE PRESIDIÁRIOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES

Autores

  • Letícia Ribeiro Lyra UFFS
  • Gabrielle Cristina Baumer UFFS

Resumo

Esta comunicação faz parte de um projeto de pesquisa financiado pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) e tem como objetivo investigar se os estudantes do ensino fundamental da rede municipal de Chapecó, SC que têm um ou ambos os pais encarcerados sofrem bullying. O bullying caracteriza-se pela agressão intencional, repetitiva, por um prolongado tempo, sem motivação aparente e em que há um desequilíbrio de poder físico, social ou psicológico de um ou mais estudantes em relação a outro indivíduo/grupo. As atitudes são evidenciadas pela intimidação, humilhação e/ou discriminação por meio de ações verbais, morais, sexuais, psicológica, físicas e virtuais. Os filhos dos encarcerados podem ser uma das vítimas do bullying em razão de “carregarem” o estigma que herdaram ou adquiriram pela convivência social e familiar à vida criminosa dos pais, portanto, devem ser lembrados de sua condição. Como etapa inicial do estudo, utilizou-se a pesquisa bibliográfica com buscas de textos que abordassem os conceitos de bullying, estigma, eugenia, preconceito e violência escolar. Em seguida, estes textos foram fichados, constituindo uma coletânea da temática. Este projeto de pesquisa ainda está em andamento, porém, entende-se que possa subsidiar discussões tanto para a formação de professores quanto para a política de inclusão social e escolar. Também servirá para pesquisas futuras, uma vez que se observou que a bibliografia sobre bullying com filhos de apenados ainda é escassa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

Lyra, L. R., & Baumer, G. C. (2011). BULLYING E FILHOS DE PRESIDIÁRIOS NO ENSINO FUNDAMENTAL: ALGUMAS REFLEXÕES. Colóquio Internacional De Educação, 1(1). Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/coloquiointernacional/article/view/1242

Edição

Seção

Eixo 5. Educação, Diversidade e Justiça Social