A FORMAÇÃO ÉTICA DO JORNALISTA EM UMA SOCIEDADE LÍQUIDO-MODERNA

Resumo

O tema central do presente trabalho remeteu ao questionamento do papel social do jornalista ao exercer sua função profissional e, por meio deste, analisou-se se é possível com todos os empecilhos da função fazer com que a ética exista na prática diária do jornalismo. Trouxe por objetivo compreender a formação ético profissional do jornalista no contexto da sociedade moderna líquida sob a luz da obra de Zygmunt Bauman. A metodologia adotada foi a pesquisa de campo orientada por uma perspectiva teórica Crítica e nos procedimentos técnicos se utilizou da pesquisa Documental em que foi verificado os Projetos Pedagógicos Curriculares de quatro Faculdades de Jornalismo da região Oeste de Santa Catarina, bem como o Código de Ética do Jornalista Brasileiro. Os resultados obtidos apontam que as disciplinas de Ética das faculdades de Jornalismo e o Código de Ética do Jornalista são frágeis para a formação e atuação da ética profissional em uma sociedade líquida em constante movimento. Os desvios éticos que o jornalista encara no cotidiano precisariam ser entendidos como corriqueiros no mercado de trabalho, conquanto não aceitáveis, seria preciso desenvolver uma desnaturalização ao antiético ainda na formação acadêmica.

Publicado
13-08-2020
Como Citar
Cossa, M., & Iop, E. (2020). A FORMAÇÃO ÉTICA DO JORNALISTA EM UMA SOCIEDADE LÍQUIDO-MODERNA. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc Xanxerê, 5, e25054. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeux/article/view/25054
Edição
Seção
Área das Ciências Sociais – Artigos