SÍNDROME DE BURNOUT E QUALIDADE DE VIDA EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE VIDEIRA, SC

  • Lindomar Palmera Unoesc
  • Ezequiel Hofstatter Borga

Resumo

Resumo
O objetivo do estudo foi avaliar o nível da síndrome de burnout e qualidade de vida em enfermeiros e técnicos de enfermagem da Secretaria Municipal de Saúde de Videira, SC. Participaram do estudo, 30 profissionais da área da saúde. O método aplicado foi uso de três questionários, contento perguntas pessoais e laborais. Para investigação da síndrome de burnout, usou-se o questionário MASLACH BURNOUT INVENTORY (MBI), e para aferir a qualidade de vida, o Questionário de WHOLLBREEF. Os principais achados foram prevalência do sexo feminino com 90%. Entre os sujeitos pesquisados, 60% são técnicos de enfermagem e 40% enfermeiros, com maior atividade laborativa na UPA com 76,6%. Em relação ao questionamento de horas que passam sentados, 70% necessitam de até 4 horas na jornada de trabalho diário para ocupações burocráticas. Em relação à síndrome de burnout, os profissionais da saúde, enfermeiros e técnicos, apresentaram nível elevado com média de 66,6%. Em relação à qualidade de vida individual, a média foi de 20,96% considerando assim, a percepção como insatisfeitos. Concluiu-se diante dos resultados, a necessidade de atenção à saúde dessa classe de trabalhadores e possibilidades de futuras investigações.
Palavras-chave: Enfermeiros. Técnicos. Síndrome Burnout. Qualidade de Vida.

Publicado
13-07-2020
Como Citar
Palmera, L., & Hofstatter Borga, E. (2020). SÍNDROME DE BURNOUT E QUALIDADE DE VIDA EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE NA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE VIDEIRA, SC. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc Videira, 5, e24734. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeuv/article/view/24734
Edição
Seção
Área das Ciências da Educação – Artigos