O PAPEL DO PSICÓLOGO NA ADOÇÃO

  • Natália Bettú Rech
  • Taisa Trombetta DeMarco Unoesc
  • nilva M.O Farias Silva

Resumo

Este estudo envolve o tema o papel do psicólogo no processo de adoção. Aborda a mitologia da adoção, o processo de adoção no Brasil, definição e as etapas da adoção, a adoção heterossexual e homossexual e o papel do psicólogo nesses contextos. A pesquisa possui relevância quanto ao alto índice de abandono de crianças e adolescentes, e a adoção pode vir como forma de amparar o ser social, ao construir sua subjetividade enquanto ser humano, dando-lhes oportunidade de além de terem um lar, serem aceitos, educados, respeitados e, principalmente, amados. Devido ao fato de alguns casais não poderem ter filhos biológicos, a adoção vem ao encontro desse contexto, oferecendo-lhes a rica oportunidade de desempenharem o papel de pai e mãe. Os dados foram obtidos através de pesquisas bibliográficas em fontes diversas e pretendem contribuir com reflexões acerca do tema, revelando, também, a pouca publicação científica nesta área da Psicologia. Palavras-Chave: Adoção. Família. Papel do Psicólogo.

Biografia do Autor

Taisa Trombetta DeMarco, Unoesc
Todas

Referências

ALVARENGA, Lídia Levy; BITTENCOURT, Maria Inês Garcia de Freitas. A

delicada construção de um vínculo de filiação: o papel do psicólogo em

processos de adoção. Porto Alegre, 2013.

BRASIL, CONGRESSO, SENADO. Estatuto da Criança e do Adolescente. 8. ed.

Brasília, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Casal Civil: Subchefia para assuntos

jurídicos. Lei nº 6.898 de 30 de março de 1981. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1980-1988/L6898.htm>. Acesso em:

jun. 2016.

BEVILÁQUA, C. Direito de Família. 1933.

COÊLHO, Bruna Fernandes. Adoção à luz do Código Civil de 1916. Rio

Grande do Sul. [200_?] Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9266>.

Acesso em: 21 jun. 2016.

COSTA, J. F. A face e o verso: Estudos sobre o homoerotismo II. São Paulo:

Escuta, 1995.

D’AGOSTINO, Rosanne. ECA 25 anos depois. 2015. Disponível em:

<http://especiais.g1.globo.com/politica/2015/eca-25-anos-depois/>. Acesso

em: 13 jun. 2017.

DIAS, M. B. Famílias Modernas: (inter) secções do afeto e da lei. Revista

Brasileira de Direito de Família, v.2, n.8, p. 62-69, 2011.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. 8 ed. São Paulo: Editora

Revista dos Tribunais, 2011.

GRANATO, Eunice Ferreira Rodrigues. Adoção: doutrina e prática. Curitiba:

Juruá, 2010.

NETO, Arthur Virmond de Lacerda. História da Homossexualidade – Parte 1 e

Disponível em: <http://www.revistaladoa.com.br/website/artigo.asp>.

Acesso em: 30 jun. 2017.

PEREIRA, C. M.da S. Instituições de Direito Civil: Direito de Família. Rio de

Janeiro: Editora Forense, 1991.

WEBER, L. Pais e Filhos por adoção no Brasil. Curitiba: Juruá Editora, 2010.

Publicado
29-08-2017
Como Citar
Rech, N. B., DeMarco, T. T., & Silva, nilva M. F. (2017). O PAPEL DO PSICÓLOGO NA ADOÇÃO. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc Videira, 2, e15311. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeuv/article/view/15311
Edição
Seção
ACV Artigos