TURNOVER: análise dos fatores desencadeadores do alto índice de rotatividade nas organizações mercadistas do município de caçador (SC)

  • Angela Maria Tomazi Maria Tomazi Unoesc
  • Taisa Trombetta DeMarco Unoesc

Resumo

O estudo diagnosticou os fatores geradores de índices de rotatividade e seu impacto nas organizações mercadistas do município de Caçador (SC). As informações foram coletadas em 31 estabelecimentos do segmento comercial/alimentos com os proprietários/diretores, gerentes e/ou supervisores, encarregados/auxiliar/analistas de Recursos Humanos(RH). A metodologia foi qualitativa, indutiva, observacional e descritiva/exploratória, com estudo bibliográfico e entrevista semiestruturada. Pode-se concluir que as organizações de pequeno e médio porte não possuem um setor ou área de Recursos Humanos (RH). Outro fator que se evidenciou foi a falta de Ensino Superior para os cargos de liderança. No que diz respeito às causas da rotatividade no setor, as principais são o horário de trabalho nos finais de semana e o perfil da nova geração de trabalhadores, a chamada Geração Y. Já como consequência do fenômeno, ocorre a perda de tempo com recrutamento, seleção e treinamento afetando diretamente o  atendimento ao cliente e os custos. Os gestores vêm como estratégia para minimizar o fenômeno, a flexibilidade em acordar os horários de trabalho com o colaborador, o investimento em treinamentos e o oferecimento de pacotes de benefícios.

 

Palavras-chave: Turnover. Mercadista. Área de alimentos.

Biografia do Autor

Taisa Trombetta DeMarco, Unoesc
Todas

Referências

CHIAVENATO, Idalberto.Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos

humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CHIAVENATO, Idalberto.Recursos humanos. 3a.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

CHIAVENATO, Idalberto.Gestão de pessoas: novo papel dos recursos

humanos nas organizações. 2a.ed. Rio de Janeiro: Elsiever, 2004.

COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2004.

FAVARIM, Flávia Negrini. Remuneração e salário: uma abordagem

jurídico/administrativa. Revista de Ciências Gerenciais. São Paulo:

Anhanguera Educacional Ltda, v. 15, n. 21, p. 209-224, 15 out. 2012.

GIL, Antônio Carlos.Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais.

a.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de competências e gestão dos talentos. São Paulo: Makron Books, 2002.

MARRAS, Jean Pierre. Administração da remuneração. São Paulo: Pioneira Thomson Learnig, 2002.

MAXIMIANO, Antônio Cesar. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 2007.

MILKOVICH George T.; BOUDREAU, John W. Administração de Recursos

Humanos. São Paulo: Atlas, 2000.

POMI, Rugenia Maria. A importância da gestão do turnover. 17 jan. 2005.

Disponível em: <http://www.rh.com.br/artigos>. Acesso em: 08 fev. 2016.

RIBEIRO, Antônio de Lima. Gestão de pessoas. São Paulo: Saraiva, 2005.

ROBBINS, Stephen Paul. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2003. 524 p.

SOTO, Eduardo. Comportamento organizacional: o impacto das emoções. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

SOUZA, César. Líderes como reter talentos inquietos em empresas rígidas. Revista Você S/A. São Paulo, n.153, p.74, abril 2011.

Publicado
16-03-2017
Como Citar
Tomazi, A. M. T. M., & DeMarco, T. T. (2017). TURNOVER: análise dos fatores desencadeadores do alto índice de rotatividade nas organizações mercadistas do município de caçador (SC). Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc Videira, 2, e13130. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeuv/article/view/13130
Edição
Seção
ACH Artigos