ANÁLISE DA CONFIGURAÇÃO DA PSICOPATIA FEMININA: CRITÉRIOS QUE CARACTERIZAM O CASO RICHTHOFEN

Autores

  • marina bianchin UNOESC
  • Alessandra Franke Steffens

Resumo

O presente artigo analisa a configuração da
psicopatia feminina, caracterizando o caso
Richthofen como exemplo, e levando em conta
como a legislação brasileira lida com esses casos.
Primeiramente aborda-se o que é o Transtorno de
Personalidade Antissocial, verificando de que
forma o indivíduo se comporta perante a sociedade.
A pesquisa será realizada partindo de argumentos
gerais para argumentos particulares, realizando a
análise da legislação brasileira, abordando
diferenças entre homens e mulheres diagnosticados
como psicopatas, e logo em sequência, como a
sociedade vê uma mulher que cometeu um crime
devido ao Transtorno de Personalidade Antissocial.
Disserta-se também como exemplo sobre o caso
Richthofen, o que aconteceu, laudos psicológicos
realizados e atualidades. Propondo por meio do
estudo de caso, uma melhor compreensão de como
o sistema brasileiro lida com indivíduos que
tenham a síndrome do Transtorno de Personalidade
Antissocial, em especifico, mulheres, gerando
discussão sobre a percepção acerca dessas situações
muitas vezes ignoradas.
Palavras chave: Transtorno de Personalidade
Antissocial. Psicopatia. Richthofen. Legislação.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

bianchin, marina, & Franke Steffens, A. . (2021). ANÁLISE DA CONFIGURAÇÃO DA PSICOPATIA FEMININA: CRITÉRIOS QUE CARACTERIZAM O CASO RICHTHOFEN. Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel Do Oeste, 6, e29942. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeusmo/article/view/29942

Edição

Seção

Área da Ciência Jurídica – Resumos