Da Globalização à pandemia: perspectivas para o constitucionalismo global

  • Luiza Andrade Pacovska Unoesc

Resumo

O Coronavírus expôs as contradições do mundo globalizado com a mesma velocidade que põe sociedades inteiras de joelhos, dada a escuridão em que estão submetidas. Neste cenário, a mais individualista, porém racional, decisão a ser tomada é a que leva em conta o ser humano em seu aspecto mais subjetivo e biológico. Tendo isso em vista, o presente artigo visa a destrinchar os elementos intrínsecos (biológicos) e extrínsecos (políticos e sociais) que carregam a Sars-CoV-2 à classificação de pandemia; após, analisa as políticas e as instituições em âmbito global, sob ótica da biopolítica, e seus papéis no combate ao vírus. Por fim, o artigo dialoga com autores e conceitos já existentes para pinçar o conceito de constitucionalismo global e lançá-lo como fio norteador da biopolítica, utilizando-se de Bens Comuns Globais, das instituições mundiais e de medidas coordenadas de Estados para então convergir a um “plano de ação”, e o consequente fim da pandemia.

Publicado
25-06-2020
Como Citar
Andrade Pacovska, L. (2020). Da Globalização à pandemia: perspectivas para o constitucionalismo global . Anuário Pesquisa E Extensão Unoesc São Miguel Do Oeste, 5, e24554. Recuperado de https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeusmo/article/view/24554
Edição
Seção
Área da Ciência Jurídica – Artigos